Assim como a “guerra as drogas” na prática se manifesta como criminalização da pobreza e ofensiva racista para o extermínio de jovens negrxs, as mulheres pobres e, principalmente, aquelas que são negras, estão entre as principais prejudicadas pela ilegalidade do aborto no país.