O tráfico de mulheres nigerianas chama a atenção não só pelo número (o segundo maior na Itália, depois das romenas), mas também pela estrutura diferenciada dos demais grupos.