Ser reconhecida como sujeito de direitos e não mais alguém que deva estar à margem da sociedade é um processo de luta contínuo. Não apenas na sociedade em geral, mas também nos espaços políticos – sejam de movimentos ou de organizações políticas da natureza que forem.