Fazer uma lista com 25 mulheres negras mais influentes na web no ano de 2014, tarefa ingrata uma vez que existe um número muito maior de mulheres incríveis para vigorar nesta listagem. Ingrata mas realizada com todo o amor e carinho.

Consultamos as mais de 1400 mulheres negras na Comunidade do Blogueiras Negras e pedimos para que nos indicassem quem neste universo chamado internet as influenciou neste ano que termina. Diversos nomes surgiram, incluindo as moças que apareceram na nossa lista no ano passado  que continuaram “destruidoras mesmo” este ano, porém utilizamos o critério de não repetir nenhum nome e brindar quem lê com MAIS 25 mulheres incríveis e assim acumulamos referencias, inspiração, ativismo e beleza negra.

Continuamos levando em consideração a ausência de marcadores como machismo, elitismo, gordofobia, homofobia ou transfobia para as indicações e consequente escolha para vigorar na lista que permanece organizada não por grau de importância  e sim aleatoriamente.

As mulheres abaixo fecharam 2014 com seus comentários, escritos, livros, poemas, música, visão e militância.  Já somos 50 nesta lista de mulheres negras influentes na web brasileira, que estas mulheres sejam inspiração pras próximas 25, 50, 100 que certamente virão não só na web como na vida.

Batuquemos!

1) ANDREZA DELGADO

andreza

Andreza Delgado é estudante de Letras, militante do movimento feminista e negro. Passou por mais um episódio bizarro promovido pela PM de São Paulo durante uma manifestação ao ser arrastada (enquanto ainda era menor de idade) em plena avenida Paulista e submetido a uma sessão de tortura psicológica regada a racismo e sexismo. Para além do episódio Andreza é voz ativa nas redes sociais na luta pelos direitos das mulheres negras e no combate efetivo ao racismo. Com argumentação concisa e texto poderoso Andreza representa o grito preso na garganta de cada mulher negra oprimida pelo racismo, machismo , classismo. Dona de um estomago de ferro para debater com as piores figuras presentes na internet assuntos espinhosos não sabemos o que a torna mais corajosa, sua fala ou sua disposição para argumentar e mudar mesmo que uma por uma a mente dos racistas de plantão.


 

2) MARIA CLARA ARAÚJO

10801572_795208003855335_6337315497976998744_n

Para entender a dimensão do poder da palavra desta mulher você pode começar clicando aqui. Maria Clara Araújo tem  18 anos, é  ativista assídua da causa trans* e vestibulanda. Pernambucana, residente em recife Recife é mulher negra transexual com orgulho e brilha demais no ativismo virtual em torno da vivência trans*. Participou de um curta no inicio do ano o (Trans)parencia e pretende levar sua militância para a futura área de trabalho, que provavelmente será a executando em expressões artísticas.  Enquanto isso Maria Clara nos brinda com falas coerentes e precisas em torno das suas vivencias e militância escrevendo para a Revista Capitolina  ( e se a Deusa permitir e todos os nossos desejos forem atendidos, em breve escreve para o Blogueiras Negras também).


 

3) ALINE MORENO, SHEYLA MELO, CARINA ROCHA E EVELIN PEREIRA – COLETIVO JUNTAS NA LUTA

1939713_606617692749478_384135005_n

Periferia de São Paulo, Guaianazes, Zona Leste, um grupo de mulheres inconformadas com a morte física, psicológica e social de milhares de mulheres, decorrentes do domínio sexista que explora a mulher para a submissão e servidão da sociedade de classes, se reúne para empoderar outras mulheres através de ações diretas dentro e fora da cidade de São Paulo, este é o Coletivo Juntas na Luta que atua numa das regiões mais abandonadas quando o assunto são ações de empoderamento da mulher negra. Durante o ano de 2014 o coletivo realizou sempre aos sábados o seu Sarau Feminista Junte-se na Luta, debatendo assuntos como gênero, sexualidade, questões raciais e promovendo atividades culturais e educativas. Um microfone aberto pra dar voz a periferia.


 

4) LUANA TOLENTINO

299910_145979462157294_97132_n

Luana Tolentino trabalhou dos 13 aos 17 anos como babá, empregada doméstica e faxineira. Hoje é historiadora, professora da Rede Estadual de Ensino de Minas Gerais, participante de grupos de pesquisa da UFMG e militante do movimento negro. Mais uma preta que desafiou as possibilidades do destino e segue dando esta oportunidade para outras meninas e mulheres em Minas Gerais.  Seus escritos estão espalhados pela internet em sites como o Viomundo, Geledes, Femmaterna , Revista Fórum, Pragmatismo Politico e o Blogueiras Negras , além de suas publicações nas redes sociais não apenas inspiram outras mulheres negras a mudarem seus destinos como educam olhos racistas para a realidade e das possibilidades da mulher negra.


 

5) SUZANE JARDIM

10150637_384360525022547_4834518567893905086_n

Uma perfuração no pulmão, bacia, fêmur e 10 costelas quebrados, coma, meses na UTI . Ser jogada da janela do quarto andar de um prédio por ter se levantado contra o machismo e sobreviver pra continuar sambando na cara do patriarcado e de todo ‘ machinho escroto’ – termo que quase lhe custou a vida – com um humor único e um carinho inigualável. Esses são os feitos de Suzane Jardim, militante feminista no ColetivoFeminista Maria Bonita e Highlander (em 2014 comemorou 1 ano que sobreviveu).  Uma mulher com mais qualidades do que seria possível descrever e que em meio a uma luta pessoal e particular consegue lutar pelas outras para que não passem por 1/3 daquilo que viveu. Como não se curvar diante de tamanha garra. Seus escritos no Blogueiras Negras e em seu perfil pessoal no facebook são uma lição de superação, feminismo e acima de tudo noção. Quem é Azalea Banks na fila do pão, lacradora mesmo é Suzane Jardim.


 

6) STEPHANIE RIBEIRO

1512748_597439567016207_780235464_n

Stephanie Ribeiro, sempre estudou em escolas publicas, bolsista de arquitetura e unica aluna negra entre 200 alunos de arquitatura na PUC Campinas. Unica aluna a receber um tratamento diferente. Stéphanie publicou no Blogueiras Negras um corajoso texto sobre a situação pela qual estava passando em Maio de 2014 e não parou na denuncia de seu próprio caso. Stephanie é uma das vozes mais ativas na internet com relação ao combate ao racismo , o feminismo interseccional e a valorização e empoderamento da mulher negra. Em seu perfil no facebook, no twitter e em páginas como o Blogueiras Negras , Stéphanie dá seu recado e não leva desaforo pra casa, nem os dirigidos a elas , nem a qualquer outra pessoa subjulgada a opressão machista, racista ou patriarcal.

Atualmente Stephanie também é colaboradora da Revista Capitolina,  uma das fundadoras do Imprensa Feminista e escreve no Confeitaria.


 

7) LUANA HANSEN e DRIKA FERREIRA

Luana Hansen e Drika Ferreira tem levado o feminismo por onde passam com o seu som. Parceiras nos palcos e na vida  Luana Hansen , DJ, MC, produtora e Drika Ferreira, atriz, assessora, apoiadora e backing vocal levam de Pirituba – Periferia da Zona Norte de São Paulo – pro mundo a voz de mulheres negras periféricas abordando assunto como violência domestica e aborto em suas letras. Além de militantes feministas ambas lutan por uma maior  participação das mulheres no universo do rap.

Luana mantem em seu canal do You Tube o programa Mic’s Aberto gravado em seu estúdio profissional montado em sua casa (grande parte com material encontrado num Eco Ponto) pela mesma.

Alguma duvida de que ninguém para essas duas?


 

8)  THAÍZ  MUNIZ  – TURBANTE.SE 

THAISMUNIZ

Thaís Muniz é designer, diretora criativa & estratégica de projetos ligados a design, arte, cultura, moda e comportamento, com experiência em produção executiva, direção de arte e gestão de conteúdo para revista, tv, web e outros impressos. Entusiasta da cultura de rua, é amante de movimentos periféricos e independentes por considerá-los fonte de inovação genuína e inspiração. É ela a responsável pelo projeto Turbante-se  que experimenta através da estética dos turbantes a reflexão sobre o papel social de comunicação não verbal dos mesmos, suas inúmeras formas de usos e significados para as diferentes culturas e seu lugar de militância e empoderamento em múltiplas instancias, Thais também se reapropria do adorno enquanto campo de experimentos em arte e design, exercitando a criação em estamparia, garimpo têxtil, suas diferentes aplicações, e mescla de materiais, além de fomentar seu uso e sua popularização através de workshops, tutoriais e outras colaborações.


 

10) HAILEY KAAS

10298889_1453579674886277_2368271157121370762_n

Hailey Kaas é militante Transfeminista – uma corrente feminista que busca discutir questões trans*. Através de seu tumblr Gênero a Deriva e do site  do coletivo Transfeminismo tem estado a frente da luta pelo direito das pessoas Trans a existência e ajudado a tornar menos ignorante um movimento que mais uma vez se pretende libertador mas não esta aberto as pautas de TODAS as mulheres.

Hailey milita e diversas causas desde as mais próximas de uma ideia politico-identitária como racismo, gordofobia, capacitismo e diversidade sexual, até as mais gerais como meio ambiente, questão indígena e veganismo.

Alvo de inúmeros ataques de ódio que vão desde a deslegitimação de sua identidade como mulher até questionamentos sobre seu reconhecimento em ser afrodescendente e logo mulher negra, Hailey Kaas segue militando e brilhando sem que o rancor gratuito a afete em demasia. Somos mais você Hailey e só podemos dizer Obrigada.


 

11) SHEU NASCIMENTO – NEGRA E LÉSBICA

10407507_10202566698120769_4684975696386939495_n

Dar visibilidade e voz a mulheres negras e lésbicas, um desafio para qualquer militante da causa. Desafio ainda maior é realizar tal tarefa e desenvolver atividades de empoderamento em Jequié, interior da Bahia. Porém Sheu Nascimento o faz com primazia além de nos brindar com o blog e a fanpage Negra e Lésbica.  Luta, resistência e visibilidade de mulheres negras e lésbicas. Sheu dá continuidade ao que se iniciou com Audre Lorde em campos tão áridos quanto, pois, “sexismo e heterossexismo surgem da mesma fonte do racismo” .


 

12) ALILE DARA

10402469_802437976465086_3372942482796154097_n

Quem vê a fotografia de Alile logo de cara sente que a preta possui asas. Dona de um olhar unico que vê beleza no que há de mais simples e apaixonante na vida. Alile fotografa sonhos, desejos, sutilezas e faz com que a gente alce voo através do seu olhar. Atualmente esse show de delicadeza pode ser visto e acompanhado na Revista Capitolina ,  mas você também consegue acompanhar a maravilhosidade desta ariana torta no seu blog pessoal.


 

13) MONTSHO AYODELE  – SINHÁ RAD

10361276_1503288233250165_5249902786459114031_n

Do desconforto em ver feministas radicais brancas relativizando racismo em nome da sororidade e tokenizando mulheres negras nasceu o Sinhá Rad, página no facebook com mais de 6.000 likes que com muito bom humor faz criticas necessárias e contundentes ao um movimento que se pretende libertador mas se mantém racista e reprodutor daquilo que tensiona a combater que é o patriarcado. Por um feminismo onde não se relativize a pauta e a dor da outra, onde racismo não seja banalizado.  Enfim uma página onde pessoas preconceituosas e equivocadas se autozoam, como não amar? Sinhá Rad é um trabalho critico competentíssimo que é unanimidade nos nossos corações. Não está no seu? Que pena, no Sinhá Rad o choro é  livre.


 

13)JAQUELINE FERNANDES E  CHAIA DESHEN 

Jaqueline-Fernandes-e-Chaia-Dechen

Jaqueline Fernandes e Chaia Deshen estão a frente da Griô, uma produtora formada por mulheres, que consequentemente traz o recorte de gênero de maneira acentuada e dialoga com movimentos e coletivos que apostam na cultura livre. Inevitavelmente ficou conhecida como uma produtora militante, por dialogar com diversos movimentos sociais e entidades.  A Griô criou e produz o Festival da Mulher Afro-Latino-Americana e Caribenha – Latinidades Afrolatinas. Este ano o latinidades contou com a presença a presença de Angela Davis, conferência com Patricia Hill Collins, conferência de Ana Maria Gonçalves e Paulina Chiziane além de todo debate  a cerca do feminismo negro, sabedoria, ancestralidade, memória, política e sustentabilidade. Venhamos e convenhamos, trazer Angela Davis pra perto das pretas daqui não é pra qualquer uma, desta forma nos curvamos a produção e dedicação das moças, sempre impecável alias.


 

14) JARID ARRAES

10671412_373151762860665_5750300594219084333_n

Mulher, negra, cearense, cordelista, escritora e colunista na Revista Fórum. Jarid Arraes leva questões de gênero e sexualidade por nde passa . Jarid produz, edita e distribui literatura de Cordel feminista, abordando temáticas como feminismo, diversidade sexual, racismo, direitos humanos e biografias de grandes personalidades políticas.


 

15) DENNA HILL, LUCIA UDEMEZUE, NINA VIEIRA, THAYS QUADROS – MANIFESTO CRESPO

10521066_824585987573157_700890639778487910_n

De discussões sobre as diversas questões do universo da cultura afrobrasileira, suas produções artísticas e estéticas,nasceu o Manifesto Crespo. O Coletivo organizado por Denna Hill, Lúcia Udemezue, Nina Vieira e Thays Quadros busca reconhecer seu valor da cultura negra  e fortalecer a memória e a autoestima de mulheres negras, numa luta pelo resgate das nossas origens – uma vez que o Brasil conta com a maior população originária da diáspora africana.

Através de atividades culturais e educacionais o Manifesto Crespo atinge não apenas as mulheres negras como envolve crianças na atmosfera negra com projetos como a Contação de Histórias.

“Acreditamos que o corpo negro e sua cultura são fonte de infinita criatividade e beleza!”

Nós também acreditamos, esta ai o Manifesto crespo como prova da infinita criatividade para nos colocar mais próximas de quem somos.


 

16) FABIANA LIMA

10882195_426155010868520_199278591212345689_n

Fabiana Lima comanda o canal no You Tube  Beleza de Preta que conta hoje com mais de 6.000 assinantes . Em seu canal Fabiana dá dicas sobre cabelo afro, cuidados com a pele e maquiagem, principalmente para mulheres negras . Mas os vídeos não falam apenas de beleza exterior, o Beleza de Preta ainda conta com pitadas de feminismo negro, comentários sobre obras e tragetórias de mulheres, como Alice Walker por exemplo quando em vídeo recente o texto  “Cabelo oprimido é um teto para o cérebro” foi apresentado e debatido com os assinantes e espectadores do canal.


 

17) BLOCO DAS PRETAS

10703760_282627411928853_5947200751752119044_n

Com o objetivo de empoderar a mulher negra e valorizar a cultura Afro nasce dentro do Coletivo de Estudantes Negros da UFMG o Bloco das Pretas. O Bloco é  auto-gestionado e autônomo, e sua base é o respeito a ancestralidade.  Embora tenha nascido dentro da Universidade o grupo agrega mulheres negras que não estão inseridas na academia.

Fazem parte do coletivo: Talita Caroline Botelho, Dandara Melina, Rayana Almeida, Miriam Alves, Graziele Fernandes, Kely Brito, Veridiane Vidal, Jacqueline Maia, Adriana Santana, Frois, Madelaine Iracema.

O grupo utiliza o artevismo, com  sarais, o afoxé, e outras intervenções como  ação política . Em novembro deste ano o Bloco das Pretas lançou o seu fanzine como alternativa para se manter .  Existe resistência negra e feminina em BH e chama Bloco das Pretas.


 

18) YASMIN THAYNÁ – Kbela

10301056_745517805470045_2148497081006180661_n

KBELA é uma experiência audiovisual sobre ser mulher e tornar-se negra. O filme começa a ser desenhado a partir do conto Mc K_bela, que narra a história de uma menina negra, moradora da Baixada Fluminense, que passou por um processo de embranquecimento durante a sua vida e decidiu se libertar deixando seu cabelo natural, sem nenhum tipo de interferência química. Essa foi a maneira que achou para se sentir bonita e poder olhar para si sem qualquer estranhamento.“No início do ano de 2013, integrantes da Revista Cranta decidiram explodir o conto em poesia, gritos e imagens, buscando reconhecer em outros rostos novas possibilidades para K_Bela.  Foi realizada uma chamada pública na internet convocando atrizes e não atrizes negras para participar de um vídeo inspirado no conto Mc K_Bela. Os critérios eram: topar participar de uma produção independente – leia-se sem grana – e ter alguma história parecida com a da K_bela para contar. Em três dias, mais de 100 mulheres responderam à convocação contando suas histórias e manifestando interesse em participar do filme”, afirma Yasmin Thayná idealizada e produtora. Kbela atingiu o valor necessário no financiamento coletivo e está sendo produzido lindamente.


 

19) MEL ADÚN

Mel

Produzir e publicar literatura negra, esse é o objetivo do Ogum’s Toques do qual Mel Adún faz parte e administra a página no facebook. Especializada em Nano Contos e sob o axé de Ogum, o grupo tem no veículo impresso a abertura de novos caminhos. Organizado por Guellwaar Adún, Mel Adún e Alex Ratts, a Ogums Toques conta com autores experientes como Miriam Alves, Éle Semog e Lia Vieira, e estreantes  como Gabriela Ramos, Júlia Couto e Ari Sacramento. Um novo caminho para a literatura negra que pode ser acompanhado através do Blog ou da página no Facebook.


 

20) ALINE RAMOS – Que nega é essa

983763_809260135771147_4665366451852809047_n

“Distantes de um cenário de igualdade social, a mulher negra carrega sobre seus ombros o peso do machismo, bem como do racismo. Metade das mulheres no Brasil são negras, mas quais são seus nomes, histórias e identidades? “

Esse é o mote para que Aline Ramos desafie o leitor a descobrir QUE NEGA É ESSA?, página no facebook que conquistou mais de 3.000 likes em poucos meses de existência e tenta colocar a mulher negra real no mapa. Que Nega é Essa ainda versa e explica bem explicadinho o que é e o tamanho da importância de um feminismo negro interseccional uma vez que só entendimento sobre este será capaz de promover e ampliar os debates acerca da mulher negra e todas as suas especificidades.

Se Jor Ben Jor cantou e nós continuamos perguntando, que nega é essa? É a gente quem diz que assim ela acaba nos conquistando.


 

21) LUCIANE BARROS 

1959884_640685299312940_277216622_n

Criar os meios necessários para aumentar a auto-estima das mulheres, trazer à consciência das relações étnico-raciais no Brasil e, a visibilidade / invisibilidade da presença das mulheres negras na moda, estes eram os objetivos de Luciane Barros ao criar o Africa Plus Size Fashion Week. Concentrado em moda plus size e inspirado na cultura Africana , o  Africa Plus Size Fashion Week incentiva a produção de moda que quebre esteriótipos sobre diversidade das mulheres e suas formas. Mostrando que representatividade importa Luciane Barros brilhou demais com esta construção social.


 

22) CAPULANAS CIA DE ARTE NEGRA

10369970_579184242226738_2080283693111237372_n

Um grupo de mulheres negras fazendo arte em meio a periferia do Jardim Angela. O ultimo projeto intitulado Sangoma, tem como principal fonte de pesquisa a saúde das mulheres negras e resultou em uma belíssima peça de teatro de meso nome. Em 2014 não apenas trouxeram a realidade de nossas avós, tias, mães e nós mesmas para os palcos como trabalharam junto com Carmem Faustino e  com grupos variados de mulheres negras para desenvolver uma vivência sobre saúde e violências e as  relações e influências diretas que esses dois temas trazem para nossas vidas.Um trabalho carinhoso de desenvolvimento da afetividade, momentos de fala, escuta e troca, enriquecendo e contribuindo de forma direta e indireta para cada mulher negra que pode participar do projeto ou ver a peça. Impossível não se identificar e se apaixonar pelo trabalho dessas guerreiras. Peça e projeto, um dos pontos altos de 2014.


 

23) GABRIELA RAMOS, RENATA PEDREIRA, ALINE SILVA, TAMIRES FURTADO, JÉSSICA DANDARA, MONTSHO AYODELE

983763_809260135771147_4665366451852809047_n

Com o objetivo de criar uma mobilização nacional contra o programa da rede globo “Sexo e as negas” e refletir sobre a representação da mulher negra na tv, Gabriela Ramos, Renata Pedreira, Aline Silva, Tamires Furtado, Jéssica Dandara e Montsho Ayodele reuniram mais de 30.000 likes na página ‘Boicote Nacional ao programa “Sexo e as negas” da Rede Globo’ . Sexo e as Negas teve pior índice dentre todos os seriados que já ocuparam os fins de noite de terça-feira, apresentando uma mulher negra estereotipada e hiper sexualizada, senso comum que lutamos para desconstruir. Houve quem chamasse de polêmica, nós chamamos de racismo e objetificação, levantar esse debate trouxe a tona a voz de todas as mulheres negras que não se sentiram representadas pela mulher negra personagem e boicotou junto com as moças a minissérie. Um homem cis branco tentando mais uma vez dizer quem é a mulher negra, falhou miseravelmente. As moças da página do Boicote mostraram apenas que a mulher negra tem poder de decisão e já não recua.


 

24) POR MAIS TURBANTES NAS RUAS

10378259_1554717598103862_7225930464827441428_n

De um acampamento e de uma atividade escolar nasceu  o desejo de fazer parte de forma mais efetiva na reflexão e construção sobre identidade negra na alma e nos corações de um grupo de estudantes de comunicação na UFS – Universidade Federal de Sergipe. Desejo este que se tornou mais do que um trabalho dentro de uma atmosfera acadêmica, saiu do âmbito teórico para fazer parte de uma construção efetiva e real. Assim é o projeto “Por mais turbantes nas ruas” onde mulheres negras sergipanas utilizam a vivencia e a oralidade para quebrar opressões e levar informação e mudança. Através de oficinas e workshops em escolas e a venda de turbantes celebram e valorizam nestes meios a cultura Afro.


 

25) TAMIRES GOMES SAMPAIO

10671233_686701018080785_9208787481417597280_n

Tamires Gomes Sampaio  sempre estudou em colégios públicos da periferia de São Paulo,  conseguiu uma bolsa de estudos através do Prouni para se graduar no Mackenzie é hoje a primeira negra a assumir a diretoria do Centro Acadêmico do curso de Direito da universidade paulistana. Um centro acadêmico que em 2012 foi o principal organizador de uma manifestação contra o uso do Enem como critério de classificação para ingressar no Mackenzie. A manifestação chegou a fechar uma das faixas da Rua da Consolação, no centro de São Paulo. Na ocasião, a justificativa dos estudantes era de que a adoção do exame contribuiria para a queda da qualidade do curso de Direito. A manifestação não surtiu efeito, o ENEM continua sendo critério de seleção e ter Tamires como a primeira pessoa negra a frente do Centro Acadêmico é mais do que a prova de que não se reduz em nada a qualidade do curso e sim se aprimora.

Faixa Bônus

Suely Carneiro

Sueli-Carneiro-Natura

Sueli Carneiro vigora na lista não por ter sido assunto durante o ano e sim pelo conjunto da obra nestes 17 anos a frente do Instituto da Mulher Negra , o Geledes. Fonte de formação e informação para muitas de nós, Sueli é Filósofa, doutora em Educação pela Universidade de São Paulo; coordenadora executiva de Geledés Instituto da mulher Negra; coordenadora da área de Direitos Humanos de Geledés; editora do Portal Geledés. É também diretora vice-presidente do Fundo Brasil de Direitos Humanos. É ativista do Movimento Feminista e do Movimento Negro do Brasil; autora de artigos sobre gênero, raça e direitos humanos em diversas publicações nacionais e internacionais.

PLUS ARRASANTE

CHARÔ NUNES

charo

Ao editar e falar um pouco sobre cada uma dessas mulheres me deparei com um dilema, como deixar de fora desta lista a mais citada de todas elas? Dos nomes que pipocaram entre as indicações o nome de Charô Nunes foi o mais citado, mas havíamos entrado em conformidade que nenhuma moça que compusesse a coordenação do Blogueiras Negras voltaria a fazer parte das indicações. Tenho licença poética para discordar, criar uma categoria alternativa  e incluir aquela que idealizou, organizou, mantem e produz esse espaço que acolheu a todas nós, desta forma incluo (arbitrariamente e sim , ela vai me matar) Charô Nunes a lista das mulheres guerreiras deste ano.

Não me cabe aqui dizer quem é Charô Nunes, muitas de nós o fizeram depois que a mesma recebeu ataques desonestos de um certo “mulatólogo” (que nem é profissão – RÁ). Todas fomos Charô por termos orgulho da pessoa que ela é, por sermos gratas a seu trabalho e por admirarmos seus escritos que tanto nos empoderam, seja no Blogueiras Negras ou nos Indigestivos Oneirophanta.

Se esta lista é para fechar o ano com coisas boas, só poderia deixar essa categoria para encerrar nossa lista e reafirmar que : Todas Somos Charô Nunes.