#AsNegaReal – Episódio 02

Desde a estréia da nossa websérie até hoje, varias coisas aconteceram: críticas, resposta às críticas, repúdio a essas respostas, entrevistas em diversos veículos, escracho e até a classe artística defendendo a ideia da série. A culminância é claro, foi o primeiro episódio de “O Sexo e as Nega” que foi ao ar no último dia 16 de setembro e que comprovou o que a gente já sabia: estereotipação, hipersexualidade e a nossa subrepresentatividade disfarçada de protagonismo.

A partir da análise meticulosa e do nosso embasamento, construímos nossas ideias e colocamos tudo bem explicadinho nesse segundo episódio. Destrinchamos algumas cenas da série, expondo nossa opinião sobre o impacto na identidade negra e sobre os repertórios trazidos pela trama. As convidadas que vão colocar sua linda face e opinião à baila são Mabia Barros e Viviana Santiago.

Ligue o play e reflita.

 

Agradecimentos especiais a Mabia, que deu a força na edição.

You May Also Like
Leia mais

Minha carne não é de carnaval, e nem de Copa do Mundo!

Há algumas semanas acabou o evento mais esperado do ano, a Copa do Mundo da FIFA de 2014. Muito se discute sobre o legado do mundial, que deixou milhares de pessoas desabrigadas em troca da construção de estádios, fez o governo federal investir milhões de reais em policiamento e armamento e mantém até hoje pessoas presas por se manifestarem. Nos estádios, apenas a elite branca e a classe média brasileira, ou seja, pagamos a conta mas quem viu a Copa de perto foram os estrangeiros e os mais ricos.
Leia mais

Ubuntu para quem é de ubuntu

Sobre o argumento de que a série é o espaço onde as atrizes e atores negrxs teriam a ocupar e que a não renovação de contrato para produção da mesma diminuiria o espaço da comunidade negra na teledramaturgia brasileira, a pergunta principal é: o espaço dx negrx na teledramaturgia brasileira já não é limitado a realizar papéis segundo alguns esteriótipos?
Leia mais

Carta aos amigos do planeta internet

O racismo é uma forma de exploração aviltante do ser humano, porque alguém está ficando mais pobre e alguém mais rico. Aqui entra desde a formação do nosso capitalismo, com o trabalhador escravo, que produziu riqueza, até o apresentador de TV que anda vendendo umas camisetas nonsense às custas do sofrimento alheio. Então, vejam, é muita gente mesmo.