Convite à I Blogagem Coletiva 25 de julho, Dia da mulher afro-latina-americana e caribenha

Mulheres negras de todos os cantos do Brasil, no dia 25 de julho, próxima quinta-feira, comemoramos o Dia da Mulher Afro-Latino-Americana e Caribenha. Essa data foi criada em 1992, após o I Encontro de Mulheres Afro-Latino-Americanas e Afro-Caribenhas, em Santo Domingos, República Dominicana. Este dia, mais do que celebrar nossa existência, é um modo de lembrar e de consolidar a luta e a resistência histórica da mulher negra, que continua, majoritariamente, ocupando os espaços mais marginalizados na nossa sociedade racista e machista.

Mulheres negras de todos os cantos do Brasil, no dia 25 de julho, próxima quinta-feira, comemoramos o Dia da Mulher Afro-Latino-Americana e Caribenha. Essa data foi criada em 1992, após o I Encontro de Mulheres Afro-Latino-Americanas e Afro-Caribenhas, em Santo Domingos, República Dominicana. Este dia, mais do que celebrar nossa existência, é um modo de lembrar e de consolidar a luta e a resistência histórica da mulher negra, que continua, majoritariamente, ocupando os espaços mais marginalizados na nossa sociedade racista e machista.

De escravizada a empregada doméstica, de escravizada a “mulata tipo exportação”, sofremos e continuamos sofrendo um duro processo de invisibilidade – e a visibilidade, muitas vezes, só ocorre a partir hiperssexualização de nossos corpos -, de apagamento da nossa existência, na medida em que, antes de sermos lembradas, ouvidas e valorizadas, somos sempre as primeiras a serem esquecidas e desprezadas, seja na realidade de todo o dia, seja até mesmo em alguns espaços feministas. Se somos lembradas, é antes pelo corpo do que pelo o que somos; é antes pela nossa suposta “inferioridade” do que por nossa luta e resistência; é antes pelo nosso cabelo “duro” e “feio” do que por nossa busca incessante de consolidarmos a nossa identidade; é antes pelo o que falam da gente do que pelo o que nós, mulheres negras, falamos.

Não temos um espaço reservado a nós na sociedade: nós precisamos ocupar todos eles. Da afirmação de um cabelo afro ao orgulho da nossa cor, somos não apenas mulheres, mas mulheres negras que lutam e resistem diariamente ao machismo e ao racismo, que juntos nos oprimem, nos invisibilizam e tentam nos silenciar. Tentam, porque na verdade não conseguem.

É contra esse processo de invisibilidade e essa tentativa de silenciamento, que eu, enquanto mulher negra e em nome das Blogueiras Negras, convoco a todas as pretas desse país a tomarem voz, no dia 25 de julho, nosso dia, para mais do que nunca levantarmos e evidenciarmos as nossas experiências, as nossas demandas e, sobretudo, a nossa incansável luta por respeito, por dignidade e por afirmação de uma identidade que, de maneira alguma, deve ser violada, dilacerada e diminuída. É porque somos mulheres negras guerreiras e orgulhosas de nossa afrodescendência, de nossa cor, nosso cabelo, nossos traços, é que devemos levantar a nossa voz contra a opressão machista e racista que cotidianamente tenta acabar com a nossa autoestima, com os nossos desejos, com a nossa vida, mas que, na verdade, nos tornam mais fortes e resistentes, pois não abaixaremos a cabeça, não pediremos “com licença” para ocupar os espaços e, principalmente, não nos calaremos, porque a nossa luta é todo dia. Nós, mulheres negras, precisamos sempre falar dela, porque se não formos nós e se não for agora, quem será e quando? Por isso, ficam as seguintes questões:

O que é ser uma mulher negra pra você? O que temos para falar de nós, no nosso dia, da nossa vida, da nossa experiência, da nossa luta?

Pretas desse Brasil, uni-vos! Todas estão convidadas a responder isso participando da BLOGAGEM COLETIVA DO DIA MULHER AFRO-LATINO-AMERICANA E CARIBENHA, no dia 25 de julho!

Para encerrar, cito Sueli Carneiro, citação que, acredito eu, desvela o desejo mais profundo da maioria de nós:

“A utopia que hoje perseguimos consiste em buscar um atalho entre uma negritude redutora da dimensão humana e a universalidade ocidental hegemônica que anula a diversidade. Ser negro sem ser somente negro, ser mulher sem ser somente mulher, ser mulher negra sem ser somente mulher negra. Alcançar a igualdade de direitos é converter-se em um ser humano pleno e cheio de possibilidades e oportunidades para além de sua condição de raça e de gênero. Esse é o sentido final dessa luta.” (In: “Enegrecer o feminismo: A situação da mulher negra na América Latina a partir de uma perspectiva de gênero”)

You May Also Like
Leia mais

Bem vindos ao Brasil colonial: a mula, a mulata e a Sheron Menezes

Sim, sabemos que 125 anos se passaram e a escravidão acabou, porém as suas práticas continuam bem vindas e são aplaudidas por muitos de nós na novela das nove e no programa do Faustão, “pouco original, mas comercial a cada ano”. No tempo da escravidão, as mulheres negras eram constantemente estupradas pelo senhor branco e carregavam o papel daquela que deveria servir sexualmente sem reclamar, nem pestanejar e ainda deveria fingir que gostava da situação, pois esse era o seu dever. Hoje nós, mulheres negras, continuamos atreladas àquela visão racista do passado que dizia que só servíamos para o sexo e nada mais.
Leia mais

Ah, sim, dentro da caixa? Uma banana!

Mas eu nasci machista? Não. Ninguém nasce machista. Antes eu era até bem crítica. Eu posso ir até onde minha memória consegue se lembrar de quando eu era criança, e dizer que nem sempre minha visão foi assim esquisita. Ela foi moldada por uma concepção machista não só de mulher, mas de ser humano mesmo. Eu sentia calafrios quando alguém, mecânica e originalmente, completava com um infame “cravo e canela?” quando eu respondia que meu nome era Gabriela. A parte de mim que se encantava momentaneamente por ser comparada a uma personagem de novela sorria e dizia, meio sem graça, “sim!”.
Leia mais

Pretas e sapatão, UNI-VOS: Exposição das obras de Zanele Muholi e Thembela Dick no Instituto Goethe

Zanele Muholi e Thembela Dick, duas artistas sul-africanas que fizeram de seu trabalho um ativismo em prol da visibilidade das minorias excluídas da sociedade, estarão aqui em São Paulo, ao vivo. Em carne e osso. AS DUAS! Sim, com direito a conversa com o público depois da exposição das obras.