Cara parda

Botei minha cara parda no sol.
Depois de muitos anos de banho de lua, fez um céu tão bonito que
Botei a cara.
E engraçado que, de repente,
olhando bem, assim de dia,
olhando bem, assim de frente,
olhando bem, assim sem o pó de arroz orgânico, caro, privilegiado e nutritivo que eu vinha gostando de aplicar
Olhando bem, assim sem a sombra mais clara em que o dinheiro enevoa as coisas e pessoas e a mim, que gosto muito dele
Olhando bem o meu cabelo cacheado e marrom
Olhando bem, assim sem a fuligem branca depositada pelo trabalho bem feito dos senhores e das sinhás com os quais, olhando bem, eu não me pareço muito, mas pareço,
Olhando bem, assim no sol,
Minha cara parda até que é bem preta
É
É bem preta
É bem preta, sim.
E bem minha.

Imagem de destaque – How South Africa

You May Also Like

Sobre a obra de Chimamanda Adichie e a construção da identidade dos negros

Dessas narrativas, permanecem as formas de poder e como elas se instalam em todas as relações humanas. Achei muito semelhante à perda da identidade do negro no Brasil, que teve por consequências a invisibilidade da mulher negra e um racismo sempre latente, nunca explícito. Ao mesmo tempo, há resistência, quando os personagens buscam o conhecimento ancestral das tribos para resolver seus problemas, e uma sensação no leitor de que existe algo errado a todo o tempo, para além da guerra e da violência. Se você é uma mulher negra, talvez seja possível se encontrar em cada uma das personagens e, ao mesmo tempo, em nenhuma.