Cara parda

Botei minha cara parda no sol.
Depois de muitos anos de banho de lua, fez um céu tão bonito que
Botei a cara.
E engraçado que, de repente,
olhando bem, assim de dia,
olhando bem, assim de frente,
olhando bem, assim sem o pó de arroz orgânico, caro, privilegiado e nutritivo que eu vinha gostando de aplicar
Olhando bem, assim sem a sombra mais clara em que o dinheiro enevoa as coisas e pessoas e a mim, que gosto muito dele
Olhando bem o meu cabelo cacheado e marrom
Olhando bem, assim sem a fuligem branca depositada pelo trabalho bem feito dos senhores e das sinhás com os quais, olhando bem, eu não me pareço muito, mas pareço,
Olhando bem, assim no sol,
Minha cara parda até que é bem preta
É
É bem preta
É bem preta, sim.
E bem minha.

Imagem de destaque – How South Africa

You May Also Like
Daniela Luciana, por Flavia Azevedo
Leia mais

Aos 42

não adianta, seja qual for o santo que se imponha na feitura é com ela que aprendo esse rir vencedor, que ofereço em lugar de qualquer tentativa (VÃ) de me diminuir, apagar ou derrotar é dela que vem essa pureza que me embala a gargalhada por essa doçura sem mágoas, que também é arma letal para inimigos com ela, que amo tanto, Oxum Menina
Leia mais

Os Ibejis e o Carnaval

Bem, aqui em casa este é um dos livros com sucesso garantido e um dos mais solicitados nos momentos de rodas de história e conversas, sejam familiares ou entre amigos. E para ajudar a elucidar as curiosidades que a narrativa pode suscitar nos pequenos (e nos adultos também), o livro ainda possui um riquíssimo glossário que descreve os termos abordados ao longo da história, como os instrumentos de percussão, os ritmos, os diferentes blocos, a origem da festa e breve histórico das pessoas citadas, satisfazendo todas as curiosidades possíveis com informações diversas sobre o nosso Carnaval.