É preciso educar-se sobre outro: a formulação de um segundo olhar acerca da condição social do negro

É comum vermos manifestações de descontentamento nas redes sociais, em sentindo contrário ao de minorias, a partir do momento que alguém se posiciona a favor de pessoas socialmente oprimidas. Até aí, nada de especial. Cada um tem o direito de pensar o que quiser acerca das inúmeras demandas políticas recorrentes em nosso país.

As dificuldades se iniciam quando os temas em pauta afetam – direta ou indiretamente – a vida de negros, índios, mulheres, gays e transexuais. Justamente por conta deste motivo, é que se torna de vital importância a reflexão consciente antes de rejeitar, logo de cara, os problemas suscitados pelos respectivos grupos.

Com frequência, assisto a multiplicação das “ondas de protesto” nas redes sociais cujos argumentos se assentam em convicções politicamente frágeis e filosoficamente pobres. As falas mais comuns têm o condão de deslegitimar questionamentos colocados em evidência por minorias; muitas vezes por meio do deboche e da banalização de ocorrências gravíssimas.

Declarações corriqueiras tais como “as feministas planejam dominar o mundo”; “negros veem racismo em tudo que é canto”; “deveríamos parar de falar da consciência negra e começarmos a focar na raça humana”; ou, ainda, o discurso da moda, que é aquele que denuncia a “instauração da famigerada ditadura gay” (entre várias outras afirmações de natureza semelhante) possuem o único objetivo de esvaziar o conteúdo político da atuação de gente estigmatizada pela sociedade e historicamente alijada de direitos.

Não se identifica, com pronunciamentos deste perfil, nenhum esforço no sentido de implementar ações destinadas a superação de desigualdades sociais. Muito pelo contrário. O que se verifica é tão somente a nítida intenção de desmantelar o trabalho conjunto de pessoas que reivindicam avanços políticos traduzidos em melhores condições de vida. A propositura de críticas intelectualmente desonestas visa apenas à desqualificação de demandas socialmente legítimas.

Pois bem. Dito isto, gostaria de explicar que o texto se destina a desenvolver a ideia da importância de educar-se sobre do outro. Em outras palavras, a intenção é apontar o quão relevante é – a partir da dimensão política – esforçar-se mentalmente para compreender as problemáticas concernentes às minorias (antes de se posicionar imediatamente contra o que é apresentado sem o mínimo de conhecimento do assunto).

Embora a reflexão se restrinja a temática do negro, o raciocínio análogo pode ser aplicado a outros segmentos sociais.

Primeiramente, quando se fala da condição social da população negra e, em específico, a correlação desta com o “entendimento” do educar-se sobre o outro, isto significa falar necessariamente de racismo; uma vez que o mesmo é a mola-mestra propulsora de todas as demais situações resultantes desta mentalidade negativa.

Racismo – para o senso comum – é apenas identificado em situações chocantes e extremas. Na maioria das vezes, só existente em casos de grande repercussão midiática, ou, melhor dizendo, aqueles que são bastante emblemáticos e nitidamente discriminatórios. Apenas quando se tem notícias de fatos com repercussão nacional é que as pessoas percebem que acontece algo de muito errado na sociedade.

A “sensibilidade coletiva” aflora no momento em que torcedor atira banana em jogador de futebol; quando mulher negra é algemada em ambiente de trabalho e é escoltada pela PM à delegacia, por conta de suposto “desacato à autoridade”. Sem falar que toda a confusão foi gerada, pelo menos, aparentemente, devido a desentendimentos quanto ao preço do cafezinho!

As pessoas só voltam à atenção para o racismo quando ator negro passa 16 dias preso por engano ou, ainda, com a notícia de que mulher negra e trabalhadora foi arrastada por carro da polícia militar.

Ou seja: apenas em situações extremas e absurdas a sociedade como um todo tem momentos de lucidez, conseguindo enxergar a gravidade dos problemas a que diariamente a população negra é submetida.

De resto, nos outros dias, sempre que o fato não ganha espaço nos grandes veículos de comunicação, o que impera é a invisibilidade. É por isso que quando alguém denuncia o problema, acontece a tal “enxurrada de protestos” já comentada.

É justamente neste ponto que se inscreve a necessidade de educar-se sobre o outro.

Isto porque fica difícil entender o mundo de outra pessoa – com todas as peculiaridades que permeiam a realidade alheia – se não há mínima informação acerca das questões em pauta.

Esta busca por conhecimento é de extrema relevância social. A abertura psíquica para realização do esforço intelectual para o entendimento das mazelas que atingem a outrem é o que viabilizará o processo educativo.

Cada um de nós possui dentro de si – de forma bem cristalina – a importância da manutenção de uma rotina de estudos associada às matérias ensinadas na escola; bem como dos assuntos relacionados às disciplinas ministradas na faculdade ou aos apontamentos destacados em cursos de capacitação profissional. O que raramente praticamos é a reprodução da mesma postura estudantil, agora, com foco nas questões sociais.

Educar-se sobre o outro é de fundamental importância. É no movimento da leitura, no esforço mental empregado ao considerar o mundo do ponto de vista “do mundo do seu interlocutor” que se consegue enxergar a realidade com os “óculos” do outro.

Não importa quem seja o interlocutor, o caminho cognitivo é o mesmo. Pode ser a mulher, o negro, o gay, o transexual, o índio ou qualquer outro grupo que milite pela conquista de direitos.

Somente quando nos dispomos intelectualmente a entender as demandas do próximo, a partir do seu lugar de fala, é que saímos da “zona rasa” da observação. Local este, por sua vez, perigoso e limitado dado a tendência à naturalização de problemas graves.

Este é o principal efeito resultante da ausência de educação política. Os obstáculos que “embaçam” a visão se derivam justamente da falta de instrução e de conscientização acerca da conjuntura social relativa às minorias, assim como das causas que levaram esses grupos a reivindicarem direitos e a criticarem determinados comportamentos.

Quando, de fato, aprendemos com o estudo do “universo” do outro, treinamos nossa mente para reconhecer atitudes e posicionamentos “estranhos” os quais passariam despercebidos ou seriam classificados como “naturais” se fôssemos desinformados.

Em relação ao negro, à medida que alguém decide educar-se a respeito da temática, esta pessoa passa a entender que o racismo vai além das atitudes chocantes, extremistas e truculentas. Estas, sim, são apenas a ponta do iceberg.

O educando entenderá, paulatinamente, que racismo é uma visão de mundo. Visão esta deletéria e com profundas raízes históricas; construída a partir de vivência social. Assim, percebendo que, por tratar-se de um tipo de mentalidade a qual orientará determinadas disposições comportamentais, quem se propõe a educar-se sobre o outro capacita seu intelecto para detectar quando esta maneira de pensar o mundo se manifesta em situações corriqueiramente consideradas naturais e insignificantes.

O fato de ser categorizada como banal não “apaga” as consequências reais na vida de quem sofre o resultado destas ações.

Neste ponto, a bagagem educacional a respeito do outro se torna imprescindível. O trabalho de reflexão ocasionado pela vontade de entender a demanda alheia é o que estimulará a identificação, ou melhor, a visualização da linha de raciocínio que conduziu seu interlocutor àquela conclusão ou ao questionamento “Y” ou “Z”.

O exercício de manter a abertura psíquica para o entendimento das questões alheias, informando-se a respeito da problematização de situações aparentemente normais é que terá o condão de propiciar a visão crítica. Até mesmo para discordância, caso seja esta a conclusão formulada. Afinal de contas, todos têm esse direito!

A diferença é que agora a crítica se calcará em argumentos conscientes e não mais em preconceitos do senso comum ou em divagações rasas e falaciosas.

Portanto, com base nos “episódios” citados, é possível ilustrar que os argumentos apresentados no início do texto de que “feministas planejam dominar o mundo”; “negros veem racismo em tudo que é canto”; além do “é preciso parar de falar da consciência negra e deve-se focar na raça humana” e, por fim, a famosa demonização da militância gay – com argumento proselitista de que vivemos sob a égide de uma “ditadura homossexual” – não mais dão conta de explicar toda a complexidade por trás das diversas ocorrências discriminatórias.

A ideia de que todos nós somos vistos, reconhecidos e tratados igualitariamente em uma sociedade hipotética, na qual o racismo inexiste, não consegue explicar com folga as situações enunciadas. Diariamente, por todo Brasil, anônimos vivenciam casos similares, sem que seu histórico de vida venha à tona por meio da divulgação midiática.

Educar-se sobre o outro é politizar-se. E politizar-se, nas palavras da historiadora Marjorie Chaves, “é uma escolha de vida, não tem volta”. Quando nos educamos sobre o ponto de vista do outro, estamos nos capacitando intelectualmente para nos posicionarmos de forma mais consciente e justa em face das demandas sociais que se apresentam. Tal maturidade crítica se faz urgente na atualidade, pois é a partir do real entendimento – tanto da dimensão subjetiva quanto da dimensão coletiva – da condição social do negro que se poderá combater o racismo com efetividade.

 Imagem – Coletivo Negro – USP.

You May Also Like
Leia mais

A prisão e seus muros

Que os movimentos de negras e negros brasileiros, os populares, os da linha antirracista e os de promoção da igualdade racial avancem para ações radicais (no sentido de irem à raiz do problema etnicorracial neste país). Não basta o sucesso em se apropriar dos elementos afro-brasileiros que constituem o núcleo da cultura brasileira, já passamos do tempo de subverter a lógica econômica que repele pessoas negras dos cargos de poder ou dos mais valorizados socialmente.

A policia bate, espanca, mata muito mais a minha cor do que a sua

Eu tô falando com vocês que estão ávidos pela redução da maioridade penal. Eu tô falando com vocês que não veem cor, que não veem classe social. Que querem justiça independentemente de cor ou classe. Vocês precisam entender de uma vez por todas que se vocês se negam a enxergar e negam todo um contexto social que a polícia não nega. Alias, a polícia sabe direitinho a quem abordar, como abordar, e o que fazer quando a abordagem dá errado.