Aniversário de Sueli Carneiro – 1º Festival Casa Sueli Carneiro

Programação especial comemora o aniversário de Sueli Carneiro no 1º Festival Casa Sueli Carneiro

 

programação da semana final

de 24 a 30/6/22

 

A última semana do 1º Festival Sueli Carneiro começa na sexta com o acontecimento que dá sentido a toda programação: o aniversário de 72 anos de Sueli Carneiro. A programação para o próprio dia e para o fim de semana está especialíssima, assim como as atividades que encerram o Festival na semana seguinte. Veja a programação a seguir:

 

ESPECIAL – FESTA DE ANIVERSÁRIO DE SUELI CARNEIRO

24/6 | 19h | presencial

O evento será uma grande celebração em homenagem aos 72 anos da filósofa e ativista Sueli Carneiro trazendo uma programação especial:

– Lançamento do livro “Mulheres que gingam”, de Rosangela Janja Costa Araújo

– roda de capoeira com a Orquestra Nzinga de berimbaus

– show de samba com Tião Carvalho

 

Rosangela Janja Costa Araújo

Professora do Departamento de Estudos de Gênero e Feminismo da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal da Bahia/UFBA. Graduada em História pela Universidade Federal da Bahia/UFBA, possui Mestrado e Doutorado em Educação pela Universidade de São Paulo/USP e Pós-Doutorado em Ciências Sociais pala PUC/SP. É Líder do Grupo de Pesquisa NEIM-Gênero, Arte e Cultura (UFBACNPq) e pesquisadora do A Cor da Bahia – Programa de Pesquisa e Formação em Relações Raciais, Cultura e Identidade Negra na Bahia (UFBA). Tem trabalhos na interface dos estudos sobre gênero, raça, cultura e desenvolvimento. Também desenvolve pesquisas sobre ações afirmativas em educação e cultura afro-brasileira com foco nos estudos sobre capoeira, cultura e religiões de matrizes africanas. Professora Permanente do Programa de Pós-Graduação em Estudos Interdisciplinares sobre Mulheres, Gênero e Feminismo (PPGNEIM) e do Doutorado em Difusão do Conhecimento/DMMDC-UFBA. Mestra de Capoeira Angola, é co-fundadora e coordenadora do Instituto Nzinga e Estudos da Capoeira Angola e Tradições Educativas Banto no Brasil/INCAB.

 

Orquestra Nzinga de Berimbaus

Criada em 1999 pelo Grupo Nzinga de Capoeira Angola, a Orquestra surgiu da necessidade de transformar em espetáculo um trabalho ligado ao cultivo do universo musical da capoeira. Seu objetivo é divulgar o berimbau, sua origem africana, sua ligação com as manifestações do povo negro no Brasil e suas possibilidades de execução, a partir de toques que se fizeram tradicionais por seu uso dentro do ritual da capoeira e do samba de roda.

Mestre Tião Carvalho

Nascido em Cururupu, interior do Maranhão, cresceu imerso nas festividades populares, como Tambor de Crioula, Capoeira, Bumba Meu Boi, Samba de Roda, entre outras. É cantor, compositor, educador, capoeirista, pesquisador e um dos principais representantes das tradições maranhenses em São Paulo. Atua, há mais de 40 anos, difundindo a cultura popular brasileira e disseminando estes conhecimentos para diferentes públicos, dentro e fora do Brasil.

Instituto Nzinga: R. dos Cariris, 13, Pinheiros, SP – SP

 

DEMAIS ATIVIDADES

 

24/6 | 17h30 às 19h | online

Mesa “Feminismos Negros e Interdisciplinaridade: Possibilidades Teórico-práticas em Diferentes Áreas”

100 vagas | Inscrição:  a/o participante deve se cadastrar no SIG/UFLA, entrar na seção “Eventos” e se inscrever clicando no sinal de ” +”

Com Gasperim Ramalho de Souza (Doutor em Estudos de Linguagens pelo CEFET-MG), Helisa Vieira Magalhães (Cientista Social pela UFG), Letícia Fernanda Carvalho Silva (Linguista em Inglês/Português pela UFLA), João Vitor Rodrigues de Oliveira Freitas (Graduando de Filosofia na UFLA) e Taynara de Paula Silva (Linguista em Inglês/Português pela UFLA).

A mesa tem por objetivo apresentar o feminismo negro como movimento e atividade urgente, nas diversas áreas do conhecimento. Partindo do reconhecimento de que “o silêncio sobre outras formas de opressão, que não somente o sexismo, vem exigindo a reelaboração do discurso e de práticas políticas do feminismo”, a mesa problematizará o feminismo negro como uma demanda interdisciplinar, articulando teoria e prática, para que em todas as áreas possa ocorrer o enfrentamento das opressões criadas sobre os corpos e identidades das mulheres negras.

 

25/6 | 10h às 12h | online

80 vagas – inscrições

Minicurso “Percurso da Educação Antirracista no Brasil”

Ministrado por Daniela Pinheiro (Doutoranda em Educação) e Paula Anunciação (Mestre em Gestão e Práticas Educacionais)

Mediação de Thatyane Vieira (Produtora Cultural)

O antirracismo na Educação vem sendo discutido desde os primeiros passos dos movimentos negros do século XIX, pois é fato que, por intermédio dela, as estruturas sociais podem ser transformadas. Para educadores e educadoras é mais que urgente que esse tema esteja incluso no cotidiano de aprendizagem, seja em espaços escolares ou não escolares. Você educador (a) sabe como incluir essas diretrizes no seu planejamento? Quais ferramentas podem te auxiliar nesse trabalho em prol uma educação antirracista? Como e onde pesquisar os conteúdos? Pensando em favorecer essa prática, criamos esse minicurso que proporcionará caminhos para que você esteja apto ou apta a ministrar com segurança e consciência a temática. O curso será composto por 5 temas ministradas na plataforma Google Meet ao vivo e será disponibilizado material em PDF.

 

25/6 | 15h | presencial

“Mulheres Negras na Política: encontrando Luiza Bairros” | Roda de Leitura sobre a obra “Luiza Bairros: pensamento e compromisso político”, de Vanda Sá Barreto, com a presença do Coletivo Mulheres Negras na Biblioteca, a convite da Livraria Africanidades.

Livraria Africanidades: R. Paulo Ravelli, 153, Vila Pita, SP – SP

 

25/6 | 19h | conectados

Lançamento da videoperformance “A cama, o carma e o querer”, da Capulanas Cia. de Arte Negra

Transmissão pelo Youtube da Capulanas Cia. de Arte Negra

 

25/6 | 10h | presencial

TERREIROS NÔMADES: Macamba faz Mandinga – Estratégias Coletivas de Encantamentos para uma Educação que se Alimenta de Vida

Ministrado pelas atrizes Joice Jane Teixeira e Suellen Ribeiro e pela educadora e produtora musical Elaine Silva

(Per)Curso a partir das filosofias Afroperspectivistas, trazendo vivências e experimentações artístico-pedagógicas para educadores, artistas e público geral. Atracamos nosso Ulungu* (barco na língua Kimbundo) nas margens do Festival Casa Sueli Carneiro e convidamos a comunidade para experienciar/vivenciar um conjunto de ações assentadas nas ciências negras e indígenas, como caminho para a apreensão e construção de conhecimentos capazes de atualizar práticas pedagógicas e mobilizar novos modos civilizatórios para ser, estar e viver a realidade.

Emef Profª Ana Maria Alves Benetti: R. Cruz das Almas, 74 – Vila Campestre, São Paulo – SP

 

26/6 | 19h

Leitura coletiva da tese de Sueli Carneiro

Informações do evento pelo site da Casa Sueli Carneiro

 

27/6 | 19h30-21h

Roda de conversa “Gira na fronteira: Conversas sobre práticas de racismo e formas de lutas feitas por mulheres negras”

Com integrantes da Associação da Federação de Cultos de Matriz Africana da comunidade quilombola Kulumbu do Patuazinho

A roda de conversa aborda práticas de racismo envolvendo contexto escolar, meio ambiente, saúde da mulher negra, LGBTQI+ e a religião de matriz africana. Serão apresentados e debatidos relatos de mulheres negras e do movimento LGBTQI+ sobre temas sensíveis que são parte de suas vivências cotidianas; estratégias de sobrevivência, luta e resistência, e também as relações das mulheres negras do quilombo Kulumbu do Patuazinho em relação às instituições e sujeitos que praticam diferentes formas de racismo.

Transmissão por StreamYard

 

30/6 | 15-18h | conectados

Oficina de escrita de biografias com Bianca Santana

Vagas limitadas – inscrições pelo link

 

30/6 | 19-21h | conectados

Minicurso: Metodologias e emancipações do feminismo negro: Conversas sobre Sueli Carneiro

100 vagas | Inscrição:  a/o participante deve se cadastrar no SIG/UFLA, entrar na seção “Eventos” e se inscrever clicando no sinal de ” +”

Com Gasperim Ramalho de Souza (Doutor em Estudos de Linguagens pelo CEFET-MG) e Helisa Vieira Magalhães (Cientista Social pela UFG)

O minicurso tem por objetivo apresentar as principais ideias de Sueli Carneiro presentes em alguns de seus textos selecionados de maneira dialógica com as vivências das/os/es participantes. Para tanto, serão realizadas exposições dos temas centrais das abordagens epistemológicas e metodológicas de Sueli Carneiro, focando especialmente suas contribuições para o pensamento negro e suas interfaces tais como: relações de gênero, raça e sexualidade, opressões de classes socioeconômicas e suas lutas e emancipações.

 

1º FESTIVAL CASA SUELI CARNEIRO

(informações pelo Instagram da Casa Sueli Carneiro)

 

SOBRE O FESTIVAL

No dia 24 de junho, uma das mais importantes intelectuais do Brasil completa 72 anos: a filósofa e ativista dos Direitos Humanos, contra o racismo e o sexismo Sueli Carneiro. Por isso, a instituição que leva seu nome e funciona no imóvel onde ela residiu por 40 anos realiza nesse mês o 1º Festival Casa Sueli Carneiro. É uma grande celebração que traz ao longo de junho uma série de leituras, debates, lançamentos, shows e homenagens, tanto presenciais quanto online. São mais de 20 atividades culturais e artísticas que iluminam a produção intelectual das mulheres negras.

 

A curadoria do evento é das escritoras Bianca Santana e Cidinha da Silva, além de Natália de Sena Carneiro, sobrinha de Sueli e coordenadora de comunicação da instituição. Foi Natália que ouviu de sua tia a frase que inspirou a criação do Festival: “assim quero comemorar 70 anos todos os anos”.

 

A aniversariante se referia às comemorações online organizadas por Cidinha em 2020, nas quais pessoas diversas do mundo das artes e da política foram convidadas a homenagear a intelectual. Assim, o Festival surge com a intenção de ser anual, sendo esta sua edição de estreia.

 

Nas palavras de Cidinha da Silva: “Na ponta da espada da alegria celebramos as 72 idades de Sueli Carneiro neste Festival. Ela mesma uma mulher festeira, festa que evoca as forças das tecnologias ancestrais de produção de infinitos que nos trouxeram até aqui. Festejamos junto com ela que caminha ao nosso lado e se desdobra à nossa frente, um farol na tempestade, e que num dia ainda longínquo, será uma ancestral bem lembrada, como manda a tradição.”

 

SOBRE A CASA SUELI CARNEIRO

A Casa Sueli Carneiro é uma instituição negra ancorada pelo legado ativista e intelectual de Sueli Carneiro, que se dedica a acolher produção, ativismo e pensamento negro, e a sistematizar reflexões, expressões, experiência e acontecimento, ampliando a visibilidade e a abrangência do pensamento ativista-intelectual-político negro no Brasil e suas interfaces com o pensamento brasileiro e de outros países da diáspora e do mundo.

 

É um espaço de memória, formação e ativismo negro, com sede no imóvel onde a pensadora viveu por 40 anos. A casa foi espaço informal para inúmeros encontros entre intelectuais e ativistas dos Movimentos Negro e de Mulheres Negras e abriga, agora institucionalmente, expressões e linguagens orientadas pelo legado ativista-intelectual em movimento de Sueli Carneiro.

 

Sueli Carneiro, nome-inspiração da Casa, é símbolo, referência, liderança do feminismo e do Movimento Negro brasileiro. Ela participa dos movimentos em busca de justiça social, racial e de gênero desde o final da década de 1970. Foi uma liderança importante na criação das primeiras políticas reparatórias para pessoas negras no país. Sua atuação tem sido essencial para inserir gênero e raça na agenda pública, além da formulação e implementação de ações e políticas. É uma das fundadoras do Geledés – Instituto da Mulher Negra, doutora em educação e uma das lideranças mais ativas nas transformações e ganhos para a população negra no Brasil nos últimos 45 anos.

 

As ações e projetos da Casa Sueli Carneiro são mantidos por doações do investimento social privado. A instituição oferece cursos pagos e, em breve, aceitará doações de pessoas físicas que possam contribuir para sua autonomia financeira. Em 2022, os projetos da Casa Sueli Carneiro contam com o apoio da Fundação Rosa Luxemburgo, Fundação Tide Setubal, Instituto Galo da Manhã, Instituto Ibirapitanga e Itaú Cultural, além da assessoria jurídica pro bono do escritório Mattos Filho.

Serviço

1º Festival Casa Sueli Carneiro

Durante todo o mês de junho

Programação completa pelas redes sociais da Casa:

casasuelicarneiro.org.br/

facebook.com/CasaSueliCarneiro

bit.ly/youtubecasasuelicarneiro

instagram.com/casasuelicarneiro/