Criada em 2002 pela atriz, dançarina e coreógrafa Gal Martins, a Cia. Sansacroma tem produção artística focada em temas pertinentes à sociedade atual. O ponto de partida das criações são as poéticas e políticas do corpo negro. A Dança da Indignação, conceito criado pela artista, norteia a pesquisa de linguagem estética da companhia. Com atuação na periferia sul de São Paulo, este território influencia diretamente o seu processo artístico.

REBANHO

Espetáculo composto de seis solos que pressupõem uma recusa à submissão, uma insistência em ser, em afirmar a existência. Resistir é o próprio ato de criar. Criar o possível para si próprio e para o mundo. São corpos lançados ao devir no encontro com as diversas sobrevidas que os habitam, gerando catarses múltiplas e um estado constante de resistência. Reflexos e contaminações diversas através do processo de encontro com o seu corpo indignado e como essa poética afeta seu estado cênico através de estímulos e vivências pessoais, criando uma intersecção entre vida e arte e arte e vida.

OUTRAS PORTAS OUTRAS PONTES

Num primeiro momento, o espetáculo revela o olhar sobre o apartheid “gentil” existente no Brasil, onde negros operários são tratados como sub-cidadãos e os espaços físicos geram separações. Num segundo, as cenas mostram quando a consciência desta separação torna-se indignação e é transformada em materialidade poética, explorando questões como herança cultural e identidade do brasileiro.

SOCIEDADE DOS IMPRODUTIVOS

 O questionamento central do espetáculo contrapõe o corpo que é socialmente invalidado ao corpo que é socialmente produtivo. O primeiro é marginal portador de algum tipo de loucura. O segundo é medicado, incluído e sujeitado ao modo de vida capitalístico – corpo explorado até o esgotamento das suas capacidades produtivas. Trata-se da invalidez da reprodução. Força invisível chamada de loucura, transcender coletivo. A não-adequação social produtiva. É solidão. É a história, um itinerário da loucura em fusão para um embate contra o capital. O controle ocidental contrapondo a corporeidade do imaginário africano. São vozes potentes, negras, de territórios e seus povoamentos. Um cotidiano dos que estão à margem e dos que não estão. São vozes da “Sociedade dos Improdutivos”.

O QUE: Cia Sansacroma 15 anos – Sesc Belenzinho

QUANDO: 20 de abril a 13 de maio de 2018

ONDE: Sesc Belenzinho, Rua Padre Adelino, 1000 – Belenzinho. São Paulo/SP