Parceiros em vários trabalhos teatrais, Daniel Arcades, dramaturgo, e Thiago Romero, interprete, se juntaram novamente para caminharem pelo interior do Brasil para falar sobre sonhos, saudades e o ato político de amar. Este é o fio condutor de Mundaréu, espetáculo que será apresentado no dia 16 de novembro, no Teatro Sesc Senac Pelourinho, pelo Natas em Solos – Seis Olhares Sobre o Mundo, do Núcleo Afro Brasileiro de Teatro de Alagoinhas – NATA.

Inspirado no universo literário de escritores como Guimarães Rosa, Mia Couto, José Eduardo Agualusa e em manifestações da cultura popular brasileira, Mundaréu é um convite a acompanhar as andanças da personagem Cascudo, que carrega os sonhos dos inventados. Memória, partidas, saudades, ancestralidade e encontros são mais importantes que o percurso feito pelo andarilho durante a peça. Em Mundaréu, o interior ganha uma outra conotação, não é somente as estradas percorridas, é o nosso inconsciente, nossos desejos e sonhos.

“Nasci no interior do Rio de Janeiro. Mais tarde, formado em história da arte, caminhei pelo interior do Brasil para conhecer nossa cultura popular e desembarquei em Cachoeira, na comunidade Kaonge. Passei pelo distrito de Acupe, em Santo Amaro, onde conheci o “Nego Fugido”. Quando o NATA veio com a história dos solos, eu pensei: vou fazer um espetáculo falando sobre o interior, desse universo que vivi em Cachoeira”, recorda Thiago Romero.

Daniel escreveu um texto lindo provocado pelo Nego Fugido e criou o Cascudo, uma pessoa que carrega os sonhos. “Daniel pegou várias referências que lhe trouxe e escreveu uma dramaturgia rica em cultura popular, com uma personagem que fazia várias jornadas pelo interior da Bahia”, conta.

O QUE: Mundaréu – solo

QUANDO:  16 de novembro, às 20h

ONDE: Teatro Sesc Senac Pelourinho, Largo do Pelourinho – 19, Salvador/BA