Programa Oficinas Culturais realiza o Ciclo de Cultura Tradicional pela primeira vez on-line

Com exibição de cinco documentários de curta-metragens, apresentações musicais de grandes nomes da música brasileira como Mateus Aleuluia e Metá Metá integram a programação

Desde 2014, o Ciclo de Cultura Tradicional percorre o interior paulista promovendo discussões sobre as culturas caipira, caiçara e indígena, tradições afro-brasileiras e religiosidade e cultura popular, transformando o estado em ambiente de reflexão sobre o universo das culturas populares.

Em 2020, o projeto convidou diferentes realizadores audiovisuais – ligados aos temas, tradições ou territórios abordados – para a criação de cinco documentários de curta-metragem com argumentos provocados pela proposta do Ciclo, de explorar conexões e perspectivas críticas entre passado, presente e futuro, propiciando um espaço contínuo de convivência e compartilhamento de saberes entre mestres, pesquisadores, agentes culturais e público.

Realizado pelas Oficinas Culturais, programa da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Governo do Estado de São Paulo e gerenciado pela Poiesis, o Ciclo de Cultura Tradicional de 2020 acontece de 7 a 11 de dezembro. Os filmes estreiam no YouTube Facebook das Oficinas Culturais em sessões comentadas por diretores e convidados especiais, seguidas de apresentações com grandes nomes da música brasileira. A programação é acessível em libras.

Confira a programação completa:

7 DE DEZEMBRO, SEGUNDA-FEIRA

19h | Cinema
ENTRE A FÉ E A ANCESTRALIDADE

Direção: Joyce Prado | BRA | 2020 | Doc | 15 min

O documentário transita sobre a linha tênue entre a religião e as manifestações de devoção na cultura tradicional negra. A identidade, a ancestralidade e a fé presentes na vida de mulheres negras do interior paulista de diferentes faixas etárias, ritmos e musicalidades são apresentadas na busca de um registro contemporâneo das vivências de fé.

Após a exibição, haverá bate-papo com Katiúscia Ribeiro, MC Tha e a diretora Joyce Prado. Mediação: Antonio Filogenio de Paula Junior.

20h30 | Música

METÁ METÁ

Música brasileira, free jazz, música africana e rock: Metá Metá, composta por Juçara Marçal, Kiko Dinucci e Thiago França, é considerada uma das bandas mais expressivas da atualidade. Com sua particular maneira de cantar e tocar instrumentos, dando ênfase aos arranjos rítmicos e polifônicos, apresenta algumas das principais canções de seu repertório, como “Obatalá”, “São Jorge” e “Obá Iná”.

8 DE DEZEMBRO, TERÇA-FEIRA

19h | Cinema
ILHA DIANA: RESISTÊNCIA CAIÇARA EM MEIO AO MAIOR PORTO DA AMÉRICA LATINA

Direção: Catharina Apolinário | BRA | 2020 | Doc | 15 min

Em meio ao Porto de Santos, caiçaras da Ilha Diana vivem de forma simples, transmitindo saberes da pesca, da culinária e da natureza que cerca o pequeno território na Área Continental santista. De frente para o Rio Diana e cercados pelo mangue, o modo de vida na pequena comunidade, que existe há quase 100 anos, segue como em outras cidades do território caiçara paulista, de onde vieram os seus primeiros habitantes.

Em seguida, Camila Marujo, Carlos Alberto Pereira Júnior e a diretora Catharina Apolinário farão um bate-papo sobre o filme. Mediação: Antonio Filogenio de Paula Junior.

20h30 | Música

BATUCAJÉ DO VALE, GRUPO FANDANGO CAIÇARA DE UBATUBA & GRUPO MANEMA

Iguape, Ubatuba e Peruíbe: Batucajé do Vale, Grupo Fandango Caiçara e Grupo Manema estão juntos para um encontro inédito de exaltação da cultura tradicional de seus territórios. Com direção musical de Ulisses Galetto, a apresentação traz a fusão entre viola, rabeca, pandeiro, caixa, poesia e performance, num show de celebração da musicalidade caiçara.

9 DE DEZEMBRO, QUARTA-FEIRA

19h | Cinema
KUNHANGUE – UNIVERSO DE UM NOVO MUNDO

Direção: Graciela Guarani | BRA | 2020 | Doc | 21 min

Em tempos pandêmicos, muitas reflexões são conectadas e despertadas, da própria forma de refletir à maneira como se vive e deseja. “KUNHANGUE” é um estalo, disparador de outros meios de sentir nesse contexto. Modo transcendente de mulheres indígenas da etnia Guarani de São Paulo, que subverte e dinamiza atravessamentos para o fortalecimento de suas existências como originárias: sabedoria milenar Guarani que acessa um universo de um novo mundo.

Jerá Guarani, Eliane Potiguara e a diretora Graciela Guarani estarão disponíveis para uma conversa após a exibição. Mediação: Antonio Filogenio de Paula Junior.

20h30 | Música
KAÊ GUAJAJARA

No show do EP “WIRAMIRI”, Kaê Guajajara usa sua voz para conscientizar sobre racismo, preconceito e invisibilidade dos povos originários, com beats envolventes e reflexões sobre amor-próprio, liberdade e ancestralidade..

10 de dezembro, quinta-feira

19h | Cinema
XANGRILÁ – A HISTÓRIA DE QUINZINHO VIOLA

Direção: Mário de Almeida | BRA | 2020 | Doc | 12 min

Quinzinho Viola é um poeta e violeiro de São Francisco Xavier, no interior do estado de São Paulo. Criado na zona urbana de Caçapava, sempre procurou estar em contato com a sua identidade caipira, a natureza e as coisas simples. Com cenas documentais e ilustrações animadas, o curta-metragem narra a história de migração de Quinzinho em busca de seu ideal de vida.

Em seguida, Quinzinho Viola, o ilustrador Yuri Garfunkel e o diretor Mário de Almeida estarão ao vivo para uma conversa sobre o trabalho apresentado. Mediação: Antonio Filogenio de Paula Junior.

20h30 | Música

FABÍOLA MIRELLA E SÉRGIO PENNA

Ao som da viola caipira, a dupla apresenta um repertório com canções autorais que valorizam a cultura e a tradição do homem do campo. O dueto vem acompanhado por duas violas, com arranjos elaborados, passando pelos variados ritmos característicos da música caipira, como toada, cururu, pagode de viola, entre outros.

11 DE DEZEMBRO, SEXTA-FEIRA

19h | Cinema
ERVAS, REZAS E MÁSCARAS

Direção: Bruno Garibaldi e Marco Antônio Paraná | BRA | 2020 | Doc | 11 min

O filme é um retrato de mulheres de Bertioga, Mogi das Cruzes, Santo André e São Bernardo do Campo, que compõem uma narrativa em torno do que é ser uma benzedeira, abordando questões como o sincretismo religioso, a herança ancestral e os desafios do ofício durante a pandemia.

Logo após a exibição, haverá bate-papo com Pastor Henrique Vieira e os diretores Bruno Garibaldi e Marco Antônio Paraná. Mediação: Antonio Filogenio de Paula Junior.

20h30 | Música

MATEUS ALELUIA

Mateus Aleluia, patrimônio da cultura brasileira, revisita clássicos que marcaram sua carreira de cantor e compositor, numa apresentação que passeia por sua obra, espiritualidade e sensibilidade musical, reconhecida nacional e internacionalmente.

Assista em:
SOBRE O PROGRAMA OFICINAS CULTURAIS
Como uma iniciativa da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Governo do Estado de São Paulo e gerenciado pela POIESIS – Organização Social de Cultura, o Programa Oficinas Culturais dialoga com o interior por meio de dois festivais (FLI – Festival Literário e MIA – Festival de Música Instrumental), Jornadas de Gestão Cultural, Ciclos de Estudos sobre Cultura Tradicional e Contemporaneidade, Programa de Qualificação em Artes que dá orientação artística a grupos, companhias ou coletivos de dança e teatro no interior, litoral e região metropolitana de São Paulo, e o Programa de Formação no Interior que oferece atividades formativas.
Além disso, na cidade de São Paulo, o programa realiza atividades de formação e difusão em três espaços: Oficina Cultural Oswald de Andrade (Bom Retiro), Oficina Cultural Alfredo Volpi (Itaquera) e Oficina Cultural Maestro Juan Serrano (Taipas).
SOBRE A POIESIS
A Poiesis – Organização Social de Cultura é uma organização social que desenvolve e gere programas e projetos, além de pesquisas e espaços culturais, museológicos e educacionais, voltados para a formação complementar de estudantes e do público em geral. A instituição trabalha com o propósito de propiciar espaços de acesso democrático ao conhecimento, de estímulo à criação artística e intelectual e de difusão da língua e da literatura.