O espaço do audiovisual brasileiro é marcado pela carência da mulher negra como produtora de conteúdo e pela insuficiente representação da mesma. Quando representada não é protagonista de sua própria história, sendo caracterizada sob a perspectiva da branquitude, reforçando esteriótipos que pouco tem a ver com suas diferentes experiências. Esse panorama reflete o fator estrutural e estruturante do racismo brasileiro, herança da sociedade escravista, pois as situações que não evidenciam a existência do negro no nosso país, se omitem no tocante  às relações raciais na quais estamos inseridos: uma cultura racista, acarretando no silenciamento das narrativas negras.

http://unimidia2016.tumblr.com/