No último ano, o Brasil viu surgir um movimento de artistas LGBT que ganhou parte do disputado espaço da cena musical. Desafiando limites de gênero e compondo músicas de enfrentamento e luta por igualdade, esse grupo de músicos está transformando o mercado fonográfico e apontando novas direções artísticas no país.

Vozes Transcendentes – Os novos gêneros na música brasileira, lançamento da editora Hoo, chega às lojas para dar ainda mais visibilidade aos jovens talentos que estão revolucionando a música e quebrando barreiras. Escrito pela historiadora Larissa Moreira, o livro reúne entrevistas com artistas como Liniker, Johnny Hooker, Linn da Quebrada e Assucena Assucena.

Amiga de faculdade das vocalistas da banda paulista As Bahias e a Cozinha Mineira, que são transexuais, a autora convive com artistas da nova cena musical há alguns anos e tem mergulhado cada vez mais no novo e efervescente movimento cultural para dar voz a mulheres e homens transexuais, transgêneros, travestis, de gênero não binário e cisgêneros, e drag queens, de orientação sexual diversa, que lutam para a desconstrução das fronteiras de gênero na música.

Após diversas entrevistas, seguindo a metodologia da História Oral, que consiste, em linhas gerais, na escuta conduzida da história de vida de cada personalidade, Larissa compartilha com o leitor 14 crônicas em primeira pessoa dos seguintes artistas: Raquel Virgínia e Assucena Assucena, do grupo As Bahias e a Cozinha Mineira, Rico Dalasam, Liniker, São Yantó, Linn da Quebrada, Tiely, Luana Hansen, Jup do Bairro, Tássia Reis, Erick Barbi, Luedji Luna, Paula Cavalciuk e Johnny Hooker.