MANI FÉ STOU VIVA!

A supremacia branca masculina e seus simpatizantes, não seremos mais submissas de seu ego e nem suas missas macholentas nos terão mais, nem nos sonhos mais sombrios, nem no viril sentimento de dominação, serão a partir de agora os rejeitados, vocês que se autodestruam sozinhos, como diz Linn da Quebrada:

 “eu tenho pena de vocês com o pau apontado pra própria cabeça refém da sua frágil masculinidade”

E aos que celebram o paucentrismo masculino aonde fica o acumulo de ego, enquanto se tornam refém eu uso o meu com sabedoria, sem triunfar o que pode construir o próprio fim. Eu não vejo possibilidade de amor em seus corpos, que me rejeitam, excluem, matam, eu cansei de ser alvo de seus tesões, agora vocês terão tensões dentro de si próprios com seus sentimentos de desejo e ódio, terão que lidar com isso sozinhos a se redescobrirem, ninguém irá os satisfazer. 

Terão que amar e respeitar as travestis, tem muitas que acredita na possibilidade de seu amor excluso e ser amada por corpos como o seu, eu mesma já larguei mão, mas não me limito fechando a essa possibilidade, mas se vocês nos quiserem, quiserem o nosso corpo, o meu corpo, terão de ir atrás do mínimo de dignidade que ainda os restam pra conseguirem ter o nosso amor. 

Não aceitaremos sermos amadas por homens medíocres e nem se entregaremos aos mesmos, terão que lutar muito para que voltemos a ver possibilidade de amor em vocês, caso o contrário vocês estarão fadados ao limbo, ao esquecimento, serão só a memória.

Não permearemos nas suas expectativas pornográficas cismasculinas sobre nossos corpos desobedientes de gêneros, nem com seus velados termos e combinações que traçaram entre si. Somos o que vocês sempre sonharam ser ou ter. Sou a qual destrói o amor de vocês.

Esses mesmos homens que não querem ceder do seu patamar de macho e de autoridade, porque eles sabem muito bem o que estão fazendo e da gloria de seus privilégios, sabem muito bem como se deve tratar as femininas e respeita-las, mas quando eles vem suas estruturas sendo mexidas, já se impõe como o macho sujo que são, com seus joguinhos de doutrinação e ameaçam quem não é a imagem e representação deles, a de adão, eles pensam que se o feminino, eva, conseguiu arruinar o “paraíso” deles, nunca se deve deixar em nossas mão.

Mas o digo, se apenas uma mulher, um corpo feminino apenas, conseguiu virar o mundo de cabeça pra baixo, imaginem o que muitas são capazes.

Agem de má fé até em cima de suas próprias estruturas familiares, o único poder feminino que eles acabam se sujeitando forçadamente a respeitar são suas mães, e olha lá, são capazes de objetifica-las, achando que foram feitas pra servi-los.

Mas eu quero que saibam, machos, que eu estou atenta a esses joguinhos sujos de vocês e esse autoritarismo em sempre querer sair por cima, não cola mais, não pra mim, eu consigo ver as estruturas suas, não tentem achar que são o nicho principal da criação, lembrem sempre que pra vocês eu sou a abominação, sou a maça, a cobra ou até mesmo Deus, a quem vocês lutam pra que não esteja viva, somente se for submissa. 

Aviso que comecem a correr atrás dos próprios rabos andando em círculos, enquanto eu tenho olhos na nuca e sola do pé, consigo andar de todas as direções, não estaremos mais em cima de vocês, rezem pra que todas não tenham esse desejo de estar acima.

Sou uma travesti e tenho pau, os meus testículos são femininos, tiramos de você a única coisa que te botava como único, o pau, mulheres com seus paus femininos e também incluímos no masculino o que não tem em vocês, a vagina, tirando vocês do pedestal.  

Se não mudarem e não nos respeitarem terão de comer seus próprios cus e morreram com seus tesões, porque nós corpos desobedientes & terroristas de gênero não se submeteremos mais a pequenos momentos de prazer, as mulheres pretas não correrão mais atrás desse afeto momentâneo de vocês, porque sempre são trocadas por brancas e as brancas fica encarregadas a negação.

E que os cismasculinos pretos priorize a relação com corpas pretas, desembranquecendo seus afetos, e destruindo em si as sujas masculinidades, matando o macho que estão presentes neles, caso contrário, o limbo é também o destino. 

Não seremos mais instrumentos dos seus desejos, renasceremos das vaginas masculinas com suas mães travestis, criando e traçando outras possibilidades de existir, não estamos mais envoltas de suas rolações.

Vocês que se matem longe de mim e das minhas, enquanto isso me resguardo, me cuido, me mimo para que eu possa seguir em frente, mais forte, traçando novos caminhos e novas possibilidades de existência e vivências que não tenha mesmos fins, mas diversos, com muitas questões humanas para lidar. 

Estou viva graças a minha fé, que não vem de religião nenhuma, vem de mim & das minhas, essa é a nossa fé que uni nossos templos, nossa vida, nossos corpos, nossa vontade de existir e poder viver, vivendo em poder!

Um MANI FÉ STOU VIVA! que celebra vidas que hackeam afetos, nos botando como norma, como centro, a firma das pretas, a forma das travas, não vão nos matar & não vamos morrer, esse é o mantra que me dá forças pra viver!

Imagem – Blogueiras Negras

You May Also Like
Leia mais

Porque reverenciamos o 25 de Julho, dia da Mulher Afro-latino-americana e Caribenha?

Fortalecer o 25 de julho é dá visibilidade e energia a emancipação das mulheres negras de um feminismo que colocava a opressão de gênero como fator opressor prioritário para as mulheres, sem levar em conta as demandas das mulheres negras. É fortalecer a emancipação de um feminismo que não conseguia abarcar as diferenças entre estas ou seja, o olhar para as múltiplas experiências e identidades femininas.
Leia mais

Uma bunda na foto vale mais que uma arara!

Ao ler os comentários sobre o episódio dessa chamada de brasileiras para casamentos com gringos através do site do Huck, só consigo pensar em como nós brasileiras ainda somos vistas no nosso próprio país: mercadorias com bundas do tamanho P, M e G. Não sou macaca, minha bunda não é internacional, Brasil não é cartão postal de bundas e a mulher brasileira não esta à venda!
Leia mais

Victoria Lopes: Relatos de um dia de Albino César

Nós, Blogueiras Negras, repudiamos com veemência às ações da Polícia Militar e expressa seu total apoio à Victória e todas as muitas mulheres negras vítimas desse Estado racista, que trata nossas existências de acordo com valores ultrapassados e ultrajantes. Não ao racismo institucional em quaisquer de suas modalidades. Pela desmilitarização imediata da polícia, pela correta averiguação do fatos e punição exemplar dos responsáveis por mais essa atrocidade contra a mulher negra.