Não nasci pra ser bonita: a autoestima da mulher negra

Por Thais Vieira para as Blogueiras Negras

Quando tinha 13 anos de idade, fui ao clínico geral para fazer uma consulta de rotina. Estava  com o uniforme da escola e tranças,-  toda feliz pois tinha aprendido a fazer tranças aquele dia – entrei na sala junto com a minha mãe (que é negra também). O médico era branco e logo quando entrei ele já me mediu da cabeça aos pés. Me examinou e tudo mais. E antes de eu sair da sala, me deu recado:

“Como você sai de casa desse jeito, com esse cabelo, com essas tranças malfeitas, não passa um batom, não usa brincos? As meninas da sua idade não são assim, elas se vestem bem, são melhores. Como quer conseguir um namorado desse jeito?”

Depois de escutar tudo isso eu não consegui falar mais nada, minha mãe concordava com tudo o que o médico dizia, o que me deixou mais triste. Quando cheguei em casa, eu chorei. No dia que estava me sentindo bonita, aquele médico tinha me arrasado com todas aquelas palavras.

BN.autoestima
foto por Dietmar Temps

Além de ele cagar regras na minha aparência, estava me comparando com as meninas da minha idade, da escola, mas essas meninas não usavam tranças, não tinham cabelo crespo, essas meninas não eram NEGRAS. Desde criança minha beleza sempre foi comparada a de uma menina branca. Na listinha das meninas mais bonitas da sala meu nome nem estava lá.  Quando as tias da escolinha penteavam meu cabelo, eu só escutava comentários como “cabelo duro”, “cabelo ruim”. Nas brincadeirinhas sempre alguém me apelidava de MACACA ou chamava meu pai de ORANGOTANGO.

E assim fui crescendo sem autoestima nenhuma. Quantas vezes minha mãe alisava o meu cabelo para ver se as coisas melhoravam? Quantas vezes me achei a menina mais  feia? E quantas vezes chorava por não ser o padrão de menina bonita que os meninos tanto desejavam, que por coincidência era branca e tinha cabelos lisos?

Agora com 16 anos percebo que aquele médico racista após me dizer tudo aquilo não entende nada de autoestima. Diante de todas as dificuldades que nós mulheres negras temos que enfrentar, nos aceitar como somos, gostar de nós mesmas é uma questão importante, isso sim é autoestima.Tenho orgulho de ser negra, ter “cabelo duro” e andar do jeito que eu quiser.

E mulheres negras: não deixem que o racismo e o machismo nos abale, somos lindas, somos negras. E devemos nos orgulhar disso.

You May Also Like

O discurso de Lupita Nyong’o

Quero aproveitar esta oportunidade para falar sobre beleza, beleza negra, beleza escura. Eu recebi uma carta de uma menina e gostaria de compartilhar apenas uma pequena parte dela com vocês: “Cara Lupita,” onde se lê : “Eu acho que você realmente tem sorte por ser tão negra e ainda tão bem sucedida em Hollywood. Eu estava prestes a comprar um creme da “Whitenicious” para clarear minha pele quando você apareceu no mapa e me salvou.
Leia mais

Estética: Liberdades, Moda e Identidade

Ai é que eu afirmo que avançamos, mas ainda estamos num campo perigoso. Por que ser socialmente aceito como exótico, não é lá uma vantagem. É “menos pior” do que ser rejeitado, mas ainda não é uma liberdade plena conquistada. A moda afro ter avançado no mercado tem, no momento, que conviver com essa faca de dois gumes: sair de territórios demarcados para galgar uma universalidade, mas em contrapartida ainda não ser encarado com naturalidade: ser sempre a moda do OUSADO, do super fashion, do Cult, menos o traje de uma identidade afirmada.
Leia mais

Questionamentos sobre pele negra e a modificação corporal

Beleza é algo totalmente subjetivo, e o que temos são particularidades naturais aos diferentes corpos humanos. Os profissionais devem estar conscientes de que usar fotos somente de pessoas brancas em seus portifólios se mostra como um desserviço a nossa população de maioria negra, pois pode passar falsas informações quanto as especificidades da tatuagem adequada para os variados tons de pele. Acredito que esta prática vai contra até mesmo a divulgação de seu trabalho, pois deixa de demonstrar todas as habilidades do tatuador, além de revelar, também, a descarada invisibilidade da população negra.