NOTA DE SOLIDARIEDADE E REIVINDICAÇÃO ÀS CINCO MULHERES ASSASSINADAS EM ITAJÁ – RIO GRANDE DO NORTE

“A carne mais barata do mercado é a carne negra…”

Ontem, 15 de Julho de 2015, cinco mulheres foram brutalmente assassinadas numa cidadezinha chamada Itajá, situada no interior do Rio Grande do Norte a 200 km da capital do Estado. Mesmo com todo silêncio e medo, as informações do entorno da comunidade rural Quilombo é que as balas e as armas vieram em mãos de homens encapuzados. O que sabemos é que aquelas mulheres, deitadas em seus colchões, descansando depois do dia de trabalho, não mais poderão acordar. Elas não puderam comemorar o tal dia do homem. Foram mortas por eles.

Feminicídio, Machismo, Lesbofobia, Racismo, Genocídio foi o que aconteceu neste dia 15 na pequena cidade do interior do Nordeste. Infelizmente esse não é um caso pontual e isolado no nosso país, todos os dias e a todo momento nos deparamos com casos de violência contra as mulheres, fato que se agrava bastante se essas mulheres forem pretas, pobres e em situação de vulnerabilidade como a prostituição.

Nós, mulheres negras, trabalhadoras rurais e urbanas, militantes feministas do campo e da cidade. Nós, mulheres da classe trabalhadora desse país sabemos por que sentimos na pele o desafio de encarar todos os dias uma sociedade que “camufla” o racismo para com a nossa ancestralidade e o machismo nos tratando como mercadorias. Ser mulher pobre e negra aqui é ter a certeza do risco de vida, é mais: é ser condenada nessa mesma vida, por uma sociedade que unifica Capitalismo, Patriarcado e Racismo.

Por casos como esse que desumaniza, que nega o direito à vida, que segrega, que nos equipara a animais e por isso legitima e naturaliza a violência, o machismo, o racismo e outras tantas formas de preconceito é que viemos por meio desta nota prestar solidariedade as amigas e amigos e familiares de Patricia Regina Nunes, Maria Daiane Batista, Menininha, Ceiça e a jovem Cássia Raiane de apenas 17 anos, assassinadas na madrugada de ontem no município de Itajá, Rio Grande do Norte.

Ressaltamos também o nosso profundo repúdio à forma sensacionalista como parte da imprensa local está abordando o caso, violando a imagem das mulheres e desmerecendo a situação, ora por algumas serem lésbicas, ora por estarem na situação de prostituição. As “brincadeiras” veiculadas na mídia local nada mais são que o reflexo de uma sociedade intolerante e culturalmente construída com alicerces grossos de classimo, racismo, machismo e lesbofobia contra um povo que tem classe social, cor e gênero e orientação/identidade sexual.

Ainda por cima, vivemos uma atual conjuntura que clama por encarceramento de jovens, que nega a liberdade da juventude negra, que aprisiona a esperança de uma vida que acabou de começar. Enchemos celas de adolescentes negros e pobres ao mesmo tempo que legamos a esses mesmos jovens situações como da menina Cássia. Não podemos nos calar diante de tamanha desumanidade, desigualdade e, o DES de destruição de um povo que luta todos os dias por condições melhores, mais dignas.

Repudiamos a violência contra as companheiras Patricia Regina Nunes, Maria Daiane Batista, Menininha, Ceiça e Cássia Raiane, mulheres trabalhadoras e dignas de usufruírem o direito a vida como todas.  Repudiamos o machismo e lgbtfobia. Repudiamos o racismo e o extermínio do povo negro. Exigimos urgência de políticas públicas para as mulheres em situação de prostituição. Exigimos também o máximo de empenho na apuração dos fatos, de modo que os executores sejam responsabilizados, e respeito à memória dessas mulheres.

FORTALECER A LUTA EM DEFESA DA VIDA!

 Assinam:

Movimento de Mulheres Camponesas (MMC)

Blogueiras Negras

Coletivo Enegrecer

Marcha Mundial de Mulheres (MMM)

Comitê Impulsor Marcha das Mulheres Negras do Pará

Associação Afro-religiosa Ilê Yabá Omi (Aciyomi)

Coletivo Manifesto Crespo

Comissão da Diversidade Sexual e Combate à Homofobia da OAB/PA

 

OBS: Quem desejar assinar basta fazer contato pelo blog, por e-mail ou Facebook

You May Also Like

A policia bate, espanca, mata muito mais a minha cor do que a sua

Eu tô falando com vocês que estão ávidos pela redução da maioridade penal. Eu tô falando com vocês que não veem cor, que não veem classe social. Que querem justiça independentemente de cor ou classe. Vocês precisam entender de uma vez por todas que se vocês se negam a enxergar e negam todo um contexto social que a polícia não nega. Alias, a polícia sabe direitinho a quem abordar, como abordar, e o que fazer quando a abordagem dá errado.
Leia mais

Ah, sim, dentro da caixa? Uma banana!

Mas eu nasci machista? Não. Ninguém nasce machista. Antes eu era até bem crítica. Eu posso ir até onde minha memória consegue se lembrar de quando eu era criança, e dizer que nem sempre minha visão foi assim esquisita. Ela foi moldada por uma concepção machista não só de mulher, mas de ser humano mesmo. Eu sentia calafrios quando alguém, mecânica e originalmente, completava com um infame “cravo e canela?” quando eu respondia que meu nome era Gabriela. A parte de mim que se encantava momentaneamente por ser comparada a uma personagem de novela sorria e dizia, meio sem graça, “sim!”.