O Racismo, o vitimismo e o entendimento da Raça

O que temos passado à nossos filhos hoje?
Quando algo nos é mostrado e nos sentimos no dever de opinar sobre uma conduta, como nos dirigir a ela?
Uma garota de apenas 14 anos e estudante do ensino médio, é abordada na hora do intervalo por 5 garotos e agredida covardemente pelas costas ,enquanto era agredida gritavam: “Cabelo de palha de aço, minha mãe disse que se eu visse um ,poderia levar para casa.”
O colégio se manifestou dizendo: isso “ Isso foi apenas um conflito entre alunos” ,mas os pais da garota insistiam em uma punição para os cinco garotos e a escola insistia em nada fazer, depois alegando que o direito a opinião de cada um deveria ser respeitado.
Então é ensinado em casa pelos pais a ter uma “opinião” racista?
Jamais foi visto uma punição exemplar quando o assunto era o racismo. Agora tudo é tratado como Injúria Racial ou divergências de opiniões.
Talvez se faça ser necessário reeducar os pais para que eles possam ao menos deixar um Legado de igualdade aos seus filhos e que este não seja o Legado do Racismo.
Reflitam: “Nós somos todos animais e assim classificados entre : Racionais e Irracionais, nós racionais pertencemos a uma única espécie a Homo sapiens e a nossa Raça é a Humana.”
Ignorantemente as pessoas ligam a raça com o tom de pele, julgam, condenam e têm como certo o domínio da sua verdade absoluta.
Guerras por questões racistas são de fato um retrocesso da humanidade e cabe a nós mesmos (Negros) a fazer o caminho inverso dos que pregavam a supremacia branca . Continuar lutando por igualdade ,sabemos que somos a maioria ,mas que não somos supremamente Negros .
“Preguemos a Supremacia da Igualdade” ,instruindo nosso povo a ler ,estudar e se informar muito a respeito de nossos direitos e ensinar a separar o que é ser vitimísmo do que de fato é o racismo.
O importante é não se calar diante de determinadas situações , você Homem , mulher , Adolescente ou um pai ensine á seu filho o quão importante é não se calar.

Imagem de destaque – Brain Pop

You May Also Like
Leia mais

Eu não sou a menina cândida – racismo, servidão e relacionamentos abusivos

Libertar-se de um relacionamento abusivo vai além de terminar a relação e afastar-se do misógino em questão. Precisamos atravessar muitas fases para que se consiga reconstruir-se e entender o que se viveu. Depois de nos tocar da vida infeliz que estamos levando e nos libertar do parceiro algoz, ainda leva-se um tempo para superar o trauma, deixar de fugir do medo e encará-lo de frente, encarar o que se viveu e dar voz a si mesma.