Por um feminismo plural: o ativismo de Lélia Gonzalez no jornal Mulherio

Sabemos que, por vezes, a relação entre mulheres brancas e negras no movimento feminista também é marcada por conflitos, tendo sido Lélia chamada por diversas vezes, durante sua militância de “criadora de caso”. Nesse sentido, as afro-brasileiras encontravam-se diante de uma encruzilhada. Se por um lado as implicações das reminiscências do período escravocrata na vida das mulheres negras ganhavam pouco espaço no movimento feminista, por outro, o pensamento machista e patriarcal do Movimento Negro impedia a inclusão do fator gênero no projeto político da organização.

“O amor bate na aorta” – Reflexões entre mãe e filho

É domingo, quase 18h e Abayomi vai buscar seu filho que passou parte da tarde na casa de um amigo. Classe média alta da cidade onde moram. Cidade pequena. Pequena burguesia. Talvez esta referência não tenha absolutamente nada com a história que ela me contou ter vivido logo que pegou o pequeno no fim do dia. Mas, lhe veio à cabeça o detalhe. Nafisa é atento e está imerso em muitos grupos, alguns pouco afeitos a discussão sobre as igualdades sociais e raciais então...
Sérgio Cardoso (Tomás) e Ruth de Souza (Cloé) em A Cabana do Pai Tomás.

O negro na tv brasileira. Onde está?

Encontramos uma participação maior do negro na televisão, é fato, porém continua a vinculação do estereótipo do negro que samba, gosta de pagode, é malandro ou exerce profissões subalternas e quase imperceptíveis. Muitos negros não gostam de samba, alguns nem sabem sambar, curtem outros estilos, mas esses nunca são representados na televisão. A sociedade mudou e ainda não conseguimos ver o reflexo disso na telinha. Não existe o que os mais modernos chamam de “democracia racial”, embora muitos projetos levantem a bandeira. Somos mais de cem milhões de brasileiros, representamos mais de 50% da população e o instrumento mais popular, que é a televisão, não nos representa.

Lélia Gonzalez sobre o feminismo

Hoje é dia de lembrar Lélia Gonzalez, intelectual, feminista, negra, antropóloga, política, professora, militante que morreu no dia 10 de julho de 1994. Para nos lembrarmos de sua luta e do seu exemplo, como uma das feministas negras mais importantes de seu século, reproduzimos um trecho de uma entrevista concedida ao Jornal do Movimento Negro em 1991. Assertiva, tece críticas ao movimento de mulheres brancas e discorre sobre o relacionamento entre homens e mulheres negras.