Rompendo com o pacto racista: Colocando o branco em questão

Levanto pela manhã e sei que sou negra, todos as minhas conversas, apelidos, são fruto da minha identidade de mulher negra, que logo cedo foi despertada, talvez por pensar que todas as minhas memorias são advindas das pessoas que me chamaram de cabelo duro, sarará, ou até mesmo tentaram me elogiar falando que meu cabelo é bonito e exótico. Conclusão, nós negros nunca partilhamos o campo da normalidade, somos sempre apontados como o outro, o diferente.

Sempre somos objetos de estudos, nunca sujeitos, nunca o normal, pois o que é normativo é ser branco, nos deparamos com a ideia de que não ter a pele branca, cabelo liso, olho claro é algo ruim, feio, ou melhor, EXÓTICO, nos somos sempre tidos como diferentes. A branquitude está posta em todas as nossas relações sociais, somente não admitimos que ela exista e que vivemos em um mundo em que compartilhar da branquitude é partilhar de privilégios materiais e simbólicos.

“A maioria dos brancos tem vantagens tanto com a opressão racial quanto com o racismo, pois são os mecanismos racistas que fazem com que a população branca tenha vantagem no preenchimento das posições da estrutura de classes que comportam privilégios matérias e simbólicos mais desejados.” (SCHUCMAN, 2014, p. 61).

Privilégios que estão presentes nas nossas relações cotidianas, pois um homem branco andar sozinho no período da noite não é nada suspeito, mas um homem negro na mesma situação é digno de um constrangimento policial… Outro exemplo em que a branquitude se faz presente, é quando nos deparamos com um morador de rua, branco, de olhos claros e logo nos espantamos em vê-lo naquela situação. Entretanto, compartilhamos da mesma reação quando nos deparamos com um morador de rua negro? Creio que não.

Além de espaços cotidianos, a branquitude se mostra presente dentro de espaços que, pelo menos em tese, são de esquerda, como ocorrido recentemente no ciclo de debates organizado pela editora Boitempo, sobre Violência Policial, tema de extrema importância para o povo preto, tendo em vista que no Brasil 70% das vitimas de assassinatos são negros, mas como na maioria dos debates promovidos por meios academicistas, não houve uma pessoa negra sequer presidindo o debate.

Somos nós que estamos estampados nos índices de mortes por violência policial, somos nós que somos sempre os suspeitos, vivemos submetidos sobre a lei do atira primeiro depois pergunta, estamos sempre do lado anormal da sociedade. Fatos esses que exemplificam a permanência da branquitude dentro de nossas relações sociais.

Assumir que a branquitude está posta em nossas relações, é trazer à tona construções históricas que se tornaram normativas, é tentar destruir preceitos escravistas. Não se limpa a sujeira jogando a por debaixo do tapete! Não se rompe com o pacto racista sem colocar o branco em questão, sem que esses assumam que partilham de privilégios, e busquem desconstruí-los .

Referências:

BELCHIOR. Negros são 70% das vítimas de assassinatos no Brasil, reafirma Ipea. Disponível em: <http://negrobelchior.cartacapital.com.br/2013/10/18/negros-sao-70-das-vitimas-de-assassinatos-no-brasil-reafirma-i>. Acesso em: 24 jul. 2015.

SCHUCMAN, Lia. Entre o encardido, o branco e o branquíssimo: branquitude, hierarquia e poder na cidade de São Paulo. 1°.São Paulo: Annablume, 2014. P.192.

Imagem destacada: Blog Frya Skédnis

You May Also Like
Leia mais

Outubro Rosa – Falar de câncer de mama também é falar de racismo

No exato momento em que escrevo, incontáveis mulheres negras estão em tratamento de um câncer de mama. Talvez você ou alguém próxima também esteja passando por uma situação parecida. Então, antes de mais nada, deixo aqui meus sinceros votos de sucesso. Que todas as mulheres, em especial as negras, que passam ou passarão pela doença sobrevivam. Sem racismo, com cuidado e acolhimento que todas precisamos nesse momento.