sejamos amor hoje e sempre!

durante um tempo eu ficava me perguntando o porquêporque de eu não ter nascido branca dos olhos azuis. aliás, as meninas consideradas as mais lindas da escola nunca foram negrasforam as negras por aqui.
a minha mãe sempre me falou que eu deveria me aceitar como eu sou e me amar de todas as formas.
no início você não enxerga a importância que é ter a sua mãe te dizendo o quão é necessário a sua autoaceitação num país racista.
quando eu completei 14 anos quis fazer a transição e me aceitar como a minha mãe queria que eu o fizesse. e eu me senti totalmente pronta para isso, sabe? eu me senti forte e empoderada.
precisei cortar todo o meu cabelo para entrar no processo e eu o fiz.
quando eu me olhei no espelho a primeira coisa que passou pela minhapela a minha mente foi “liberdade”. eu me senti livre, eu me senti ótima naquele momento. quando eu olhei para a minha mãe, ela estava com uma alegria em sua face que eu pensei “tudo vale a pena por aqui”.
é muito louco como a opinião de um certo alguém pode tirar toda a sua força. eu achei que as pessoas iriam lidar tranquilamente bem com a minha mudança, achei que a minha felicidade valia mais do que um padrão imposto na sociedade.
e sim, eu estava enganada.
foi literalmente nos meus 14 anos que eu entendi que a minha felicidade é mais importante do que qualquer opinião alheia.
a autoaceitação é um processo nada breve, confesso. mas acredito que vale muita a pena. poder se sentir livre não tem preço!
hoje em dia eu levo muito comigo a importância que é de se amar e amar nossas fases diárias.
nenhum processo é fácil, e eu te digo: nós podemos tudo e podemos muito! me sinto totalmente grata quando escuto elogios, crianças vindo até mim e falando que me tem como inspiração. isso me motiva e me dá a força que eu preciso para superar e lutar por liberdade.
assim como eu, outras mulheres e crianças precisam sentir no fundo de seus corações a importância que é amar quem você realmente é!
sejamos amor hoje e sempre! sejamos luta, sejamos empatia!
nós lutamos por um mundo melhor. e sim, enquanto houver batalha, estaremos de pé, estaremos sendo resistência!
como Djamila Ribeiro fala em seu livro “Quem tem medo do feminismo negro”, uma mulher negra empoderada incomoda muita gente*.

You May Also Like
A "Rosie" working on the A-31 Vengeance bomber in Nashville, Tennessee (1943)
Leia mais

Mulheres Negras e os silêncios da história

É fato que a historiografia deixa muito a desejar quando o assunto é a história da mulher. Os livros de história – especialmente aqueles utilizados em salas de aula – insistem em contar uma história feita de grandes acontecimentos e protagonizada por homens (em sua maioria jovens, heterossexuais e brancos). A história que os livros didáticos oferecem aos seus usuários não contempla a multiplicidade da população brasileira. Aliás, não contempla nem mesmo outras regiões do mundo (permanecemos intoxicados pela tradição europeia).
Leia mais

Entram nas nossas comunidades e nos violentam: a dor da Salvador

A solução encontrada pelo Governo do Estado da Bahia foi o de sempre: vamos militarizar a polícia, trocar o calibre .38 pelo .40, mas agora eles nos dizem que querem fazer um Pacto. Um Pacto pela Vida. Contudo precisam: 1- Invadir nossas comunidades; 2- Implantar Bases Comunitárias de Segurança (BCS ou UPP baiana); 3- Controlar as nossas vidas. Simples, não? Mas vamos um pouco além. Quais comunidades eles vão escolher como prioritárias?

Claudia da SIlva Ferreira não será esquecida

Dar-se conta disso agride quem não quer ver – por pura vaidade de NÃO admitir – que goza de privilégios diante dos que continuam sendo “arrastados” pelas mazelas da injustiça, dos que são, cotidianamente, dilacerados com ferocidade pelos dentes afiados do racismo, do descaso e do não reconhecimento da dor que caminha tranquilamente século após século…Baleando-nos, açoitando-nos, multilado-nos… AR-RAS-TAN-DO-NOS…