CÁRCERE ou Porque as Mulheres Viram Búfalos faz temporada no Sesc Belenzinho em novembro

Mulheres no contexto do encarceramento são personagens

fortes na nova montagem da Companhia de Teatro Heliópolis.

Após temporada de sucesso na Casa de Teatro Mariajosé de Carvalho, participação no Mirada – Festival Ibero-Americano de Artes Cênicas e duas indicações ao Prêmio APCA (Direção e Dramaturgia), a Companhia de Teatro Heliópolis cumpre temporada do espetáculo CÁRCERE ou Porque as Mulheres Viram Búfalos no Sesc Belenzinho, em São Paulo. As apresentações acontecem do dia 10 ao 27 de novembro, às quintas, sextas e aos sábados, às 20h, e aos domingos, às 17h.

Com encenação de Miguel Rocha e texto de Dione Carlos, a montagem aborda a forte presença feminina no contexto do cárcere, tendo Antônio Valdevino, Anderson Sales, Dalma Régia, Danyel Freitas, Davi Guimarães, Isabelle Rocha, Jefferson Matias, Jucimara Canteiro, Priscila Modesto e Walmir Bess como intérpretes.

O enredo parte da história de duas irmãs gêmeas – Maria dos Prazeres e Maria das Dores – com vidas marcadas pelo encarceramento dos homens da família para apresentar as estratégias de sobrevivência, sobretudo, das mulheres em suas comunidades. Quanto ao título, a dramaturga explica que “faz referência às mulheres que transmutam as energias de violência e morte e reinventam realidades”.

A encenação de Miguel Rocha tem as mulheres – mães, esposas, companheiras, irmãs – no centro da abordagem. “São elas que carregam o fardo, que são acometidas pelos desdobramentos do encarceramento de seus parceiros ou familiares, tendo a vida emocional, a segurança física e a situação financeira abalada. A mulher se torna a força e o sustentáculo da família, e também daquele que está em situação de cárcere”, argumenta o encenador.

A história das duas irmãs é um disparador no enredo de CÁRCERE ou Porque as Mulheres Viram Búfalos para revelar o quão difícil é se desvincular de uma estrutura tão complexa quanto o encarceramento. Enquanto a mãe enfrenta o sistema jurídico na tentativa de libertar o filho preso injustamente, lutando pela subsistência da família e do filho, sua irmã é refém do ex-companheiro, também encarcerado, a quem deve garantir suporte no presídio, além de não ter direito a uma nova vida conjugal pelo risco de perder a própria vida. Presas a um histórico circular, pois também tiveram o pai preso, elas lutam para quebrar o ciclo, em um percurso espinhoso. Miguel Rocha comenta que “a montagem não ignora que a tirania do cárcere reverbere na periferia, onde poderes paralelos criam regras e ditam normas, dispondo da vida das pessoas”.

A ancestralidade está presente na dramaturgia e permeia a encenação de forma arquetípica. O coro aparece tanto como uma representação da coletividade quanto um exercício da voz ancestral, cujos saberes resistiram à barbárie e atravessaram séculos nos corpos, nas memórias e nas crenças do(a)s africano(a)s que, escravizado(a)s, fizeram a travessia do Atlântico. Vale ressaltar que a maioria dos encarcerados é de ascendência negra, além de pobres e periféricos. “Nosso propósito é apresentar uma obra que trace o percurso dessas mulheres, pretas e pobres, cujo destino é atrelado ao cárcere. Não é defender a criminalidade, mas refletir sobre a situação limite em que o condenado se insere, além de mostrar que o modelo prisional vigente é cruel, discriminatório e não presta à ressocialização”, argumenta o encenador.

Como é característico nas encenações da Companhia, o espetáculo explora as ações físicas para construir um discurso poético e expressionista das relações de poder e da situação de cárcere. A música ao vivo (violino, viola, cello e percussão) potencializa esse discurso nas cenas coreografadas que denunciam e evidenciam o cotidiano em questão. O futebol, a comida, as humilhações, a disciplina imposta são passagens que elucidam a ambiguidade da proposta do sistema para a reabilitação daquele que, supostamente, infringiu as regras da sociedade. O encenador explica que “a música e a coreografia têm a força de expor a concretude, a precariedade e a desestrutura do espaço onde o enredo se desenvolve”. O espaço cênico é neutro (predominando o cinza), e a iluminação confere intensidade à cena e à dramaturgia. Apenas alguns elementos cenográficos são contextualizados de forma poética, a exemplo das gaiolas que representam a prisão emocional e psicológica da mulher que sofre indiretamente as consequências do cárcere.

Esse espetáculo, cuja estreia foi em 12/3/2022, resultou do projeto CÁRCERE – Aprisionamento em Massa e Seus Desdobramentos, elaborado para comemorar os 20 anos que a Companhia de Teatro Heliópolis completou em 2020 – contemplado pelo Programa Municipal de Fomento ao Teatro para a Cidade de São Paulo. Durante o processo criativo, o grupo contou com participação de pensadore(a)s e pesquisadore(a)s em debates (Salloma Salomão, Juliana Borges, Roberto da Silva e Preta Ferreira), provocações (Maria Fernanda Vomero e Bernadeth Alves) e performatividade (Carminda Mendes André). Também de Bruno Paes Manso e Salloma Salomão foram comentadores, além da colaboração de Bel Borges e Luciano Mendes de Jesus (preparação vocal), Renato Navarro (música), Érika Moura (pesquisa corporal), Janete Santiago (dança afro), Eliseu Weide (cenografia), Samara Costa (figurino), Toninho Rodrigues (luz) e tantos outros.

FICHA TÉCNICA – Encenação: Miguel Rocha. Assistência de direção: Davi Guimarães. Texto: Dione Carlos. Elenco: Antônio Valdevino, Anderson Sales, Dalma Régia, Danyel Freitas, Davi Guimarães, Isabelle Rocha, Jefferson Matias, Jucimara Canteiro, Priscila Modesto e Walmir Bess. Direção musical: Renato Navarro. Assistência de direção musical: César Martini. Musicistas: Alisson Amador (percussão), Amanda Abá (violoncelo), Denise Oliveira (violino) e Jennifer Cardoso (viola). Cenografia: Eliseu Weide. Iluminação: Miguel Rocha e Toninho Rodrigues. Figurino: Samara Costa. Assistência de figurino: Clara Njambela. Costureira: Yaisa Bispo. Operação de som: Lucas Bressanin. Operação de luz: Viviane Santos. Cenotecnia: Wanderley Silva. Provocação vocal, arranjos e composição da música do ‘manifesto das mulheres’: Bel Borges. Provocação vocal, orientação em atuação-musicalidade e arranjos – percussão ‘chamado de Iansã’: Luciano Mendes de Jesus. Estudo da prática corporal e direção de movimento: Érika Moura. Provocação cênica: Bernadeth Alves, Carminda Mendes André e Maria Fernanda Vomero. Comentadores: Bruno Paes Manso e Salloma Salomão. Mesas de debates: Juliana Borges, Preta Ferreira, Roberto da Silva e Salloma Salomão – mediação de Maria Fernanda Vomero. Orientação de dança afro: Janete Santiago. Direção de produção: Dalma Régia. Produção executiva: Davi Guimarães e Miguel Rocha. Idealização e produção: Companhia de Teatro Heliópolis. Realização: Sesc

Serviço

Espetáculo: CÁRCERE ou Porque as Mulheres Viram Búfalos

Com: Companhia de Teatro Heliópolis

Temporada: 10 a 27 de novembro de 2022

Horários: quinta, sexta e sábado, às 20h, e domingo, às 17h

Local: Sala II (120 lugares) – com acessibilidade.

Ingressos: R$ 30,00 (inteira), R$ 15,00 (meia-entrada) e R$ 9,00 (credencial Sesc)

Duração: 120 min. Classificação: 12 anos. Gênero: Experimental.

Sesc Belenzinho

Rua Padre Adelino, 1000. Belenzinho – São Paulo (SP)

Telefone: (11) 2076-9700 | sescsp.org.br/Belenzinho

Nas redes: @sescbelenzinho

Estacionamento

De terça a sábado, das 9h às 21h. Domingos e feriados, das 9h às 18h.

Valores: Credenciados plenos do Sesc: R$ 5,50 a primeira hora e R$ 2,00 por hora adicional. Não credenciados no Sesc: R$ 12,00 a primeira hora e R$ 3,00 por hora adicional.

Transporte Público

Metro Belém (550m) | Estação Tatuapé (1400m)

Companhia de Teatro Heliópolis

 

Facebook – @companhiadeteatro.heliopolis | Instagram – @ciadeteatroheliopolis

 

 

 

A Companhia de Teatro Heliópolis surgiu, em 2000, com o objetivo de montar o espetáculo A Queda para o Alto, baseado no romance homônimo de Sandra Mara Herzer. Seu repertório tem 12 espetáculos, criados em diálogo com os anseios e as vivências que permeiam a realidade de Heliópolis. Após a produção de Coração de Vidro (2004) e Os Meninos do Brasil (2007), realizou com patrocínio da Petrobrás o projeto Arte e Cidadania em Heliópolis, que resultou em três espetáculos: O Dia em que Túlio Descobriu a África (2009, Prêmio Cooperativa Paulista de Teatro, categoria Ocupação de Espaço); Nordeste/Heliópolis/Brasil – Primeiro Ato (2011, indicado ao mesmo prêmio como Grupo Revelação) e Um Lugar ao Sol (2013, novamente indicado como Grupo Revelação, além dos prêmios de 3º Melhor Espetáculo e Melhor Atriz no IX Festival Nacional de Limeira). Desde 2010, a trupe ocupa sede própria: a Casa de Teatro Mariajosé de Carvalho, imóvel cedido pela Secretaria Estadual de Cultura, no Ipiranga, bairro vizinho a Heliópolis, onde recebeu em intercâmbio internacional o diretor Mike van Alfen, do grupo holandês MC Theater, formado por jovens descendentes de imigrantes, para workshops que originaram A Hora Final, apresentado por atores brasileiros e holandeses na sede do MC Theater, em Amsterdã.

 

 

 

Em 2015, foi contemplada pela 25ª edição do Programa Municipal de Fomento ao Teatro para a Cidade de São Paulo com o projeto Onde o Percurso Começa? Princípios de Identidade e Alteridade no Campo da Educação, que resultou em A Inocência do Que Eu (Não) Sei, indicado ao Prêmio São Paulo de Incentivo ao Teatro Infantil e Jovem (FEMSA) nas categorias Melhor Espetáculo Jovem e Prêmio Especial (pelo teatro comprometido com a comunidade de Heliópolis e a pesquisa temática em escolas públicas). Em 2016, estreou Medo, inspirado nos ataques do PCC em São Paulo em 2006, que evidencia a violência subliminar, contínua e velada. Em 2017, Sutil Violento, que teve duas temporadas, foi viabilizado pelo Programa de Fomento ao Teatro com o projeto Microviolências e Suas Naturalizações.

 

 

 

Em 2018, o grupo conquistou apoio da 31ª edição do Fomento para levar adiante Justiça – O que os Vereditos Não Revelam, dando origem a seu 11º espetáculo, (In)justiça, que teve 48 apresentações em sua sede e temporada no Sesc Belenzinho, sendo indicado ao Prêmio Shell (categoria Música) e ao Prêmio Aplauso Brasil (categoria Melhor Espetáculo de Grupo), também eleito um dos melhores do ano pelo Guia Folha e Divirta-se/Estadão. (In)justiça participou do 4º Festkaos – Festival Nacional Teatro do Kaos (prêmios de Melhor Atriz, Ator, Ator Coadjuvante, Figurino e indicação para Trilha e Iluminação), 34º Festivale – Festival Nacional de Teatro do Vale do Paraíba, 12ª Mostra Cultural da Cooperifa, 41º FESTE – Festival Nacional de Teatro Pindamonhangaba (prêmios de Melhor Espetáculo, Atriz e Especial para Trilha Sonora) e o 14º Fentepira – Festival Nacional de Teatro de Piracicaba, além dos internacionais Brasil Cena Aberta e CICLO – Circuito de artes e Conceitos de Londrina.

 

 

 

A companhia, cuja sede é ponto de cultura (Rede de Pontos de Cultura da Política Nacional de Cultura Viva no Estado de são Paulo), desde 2019, já realizou duas edições da Mostra de Teatro Heliópolis, em parceria com MUK Produções, e a Ação Comunitária Nova Heliópolis (2015 e 2016). A Companhia de Teatro Heliópolis foi uma das finalistas na categoria Grupos, Companhias e Corpos Estáveis do 11º Prêmio Governo do Estado de São Paulo para as Artes em 2020. Em 2021 deu início ao projeto Cárcere – Aprisionamento em Massa e Seus Desdobramentos – Companhia de Teatro Heliópolis 20 Anos, contemplado na 35ª Edição do Programa Municipal de Fomento ao Teatro, que originou a atual montagem CÁRCERE ou Porque as Mulheres Viram Búfalos.