ESPETÁCULO ‘ROSAS NEGRAS’ DA BAHIA ENCERRA A PROGRAMAÇÃO DA XVII SEMANA DO TEATRO NO MARANHÃO

O espetáculo estrelado pela atriz Fabíola Nansurê traz como temática a vida e a luta das mulheres negras contra a discriminação e a violência

 

Com um reconhecimento a nível nacional, o espetáculo baiano Rosas Negras se apresenta no palco do Teatro Arthur Azevedo às 20h deste domingo (13), encerrando a programação da XVII Semana do Teatro no Maranhão. O evento é uma realização da Gestus Produções Artísticas com patrocínio da Equatorial Energia por meio da Lei Estadual de Incentivo à Cultura.

 

“Rosas Negras” estreou em 2017 no Espaço Cultural da Barroquinha em Salvador-Bahia. Como parte do projeto NATAS EM SOLO – SEIS OLHARES SOBRE O MUNDO. O espetáculo tem dramaturgia de Onisajé, direção de Diana Ramos e direção musical de Jarbas Bittencourt.

 

Promovendo uma atmosfera provocativa, intensa e ao mesmo tempo acolhedora, o espetáculo apresenta as dificuldades, lutas, vitórias e desafios presentes no cotidiano de mulheres negras, a partir da afirmação da sua autoestima. A intérprete-criadora e atriz baiana Fabíola Nansurê parte de sua pesquisa com mulheres negras de diferentes idades e áreas de atuação para a construção da narrativa que traz histórias de anônimas e famosas que se destacaram na luta contra o racismo e a violência contra a mulher.  “A intenção vai além de se posicionar perante as dores da mulher preta, que são muitas, nós celebramos a sua existência e abrimos um canal de diálogo”, afirma Fabíola.

 

Em Rosas Negras, a mulher é posta como protagonista da sua própria história, além de criar referência, empodera e potencializa a autoestima das suas raízes. Com foco na ancestralidade e empoderamento feminino, a obra traz o questionamento do posicionamento social da classe na atualidade como uma reflexão.

 

O espetáculo foi indicado ao prêmio Braskem de Teatro na categoria “Espetáculo do Interior” e premiado nas categorias, “Melhor espetáculo de Drama” e “Melhor Dramaturgia” pelo Festival de Teatro Online em Tempo Real do Rio de Janeiro em 2021, e agora marcará presença pela primeira vez no Maranhão.

 

“Nós da produção da Semana do Teatro ficamos muito felizes de receber um espetáculo que traz uma temática tão relevante para o fortalecimento da luta das mulheres negras, especialmente para o público maranhense que conta com uma população majoritariamente negra, uma das maiores do país”, pontua Aline Coutinho, assistente de produção da XVII STM.

 

Para assistir ao espetáculo, o público pode fazer a retirada gratuita de ingressos na bilheteria do Teatro Arthur Azevedo a partir de 2h antes do início do espetáculo. Mais informações sobre a programação da XVII Semana do Teatro no Maranhão é possível acessar através das redes sociais do evento, no Instagram @semanadoteatro.ma.

 

Sobre o Teatro Arthur Azevedo 

 

O Teatro Arthur Azevedo é o segundo teatro mais antigo do país, está entre os 16 Teatros Monumentos e é um dos sete tesouros do patrimônio cultural material de São Luís, sendo construído em 1916 e concluído em 1º de junho de 1817, por uma dupla de portugueses que viviam na capital maranhense e tiveram como inspiração os antigos teatros europeus. 

 

Inicialmente batizado de Teatro da União, em homenagem à criação do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves, seu nome atual foi colocado apenas na década de 1920, em homenagem ao dramaturgo maranhense Arthur Azevedo. 

 

O Teatro já recebeu vários nomes consagrados no meio artístico como o teatrólogo Aldo Leite, a cantora espanhola Montserrat Caballé e a atriz ludovicense, Apolônia Pinto. Atualmente seu espaço vem realizando grandes produções artísticas como o musical João do Vale – O Gênio Improvável (2017) e o espetáculo de dança, Chico, eu, Buarque: Fragmentos Poéticos (2018).

 

Não é a primeira vez que o teatro abre suas portas para sediar a Semana de Teatro, sendo um espaço simbólico para a celebração da arte e da performance tanto para o Maranhão como para todo o Bras