Texto de Lázaro Ramos será encenado pela primeira vez em Salvador

A peça “Boquinha… e assim surgiu o mundo” terá direção e atuação Ridson Reis, ator do Bando de Teatro Olodum

Com texto de Lázaro Ramos, a peça promove o encontro do pequeno João Vicente, personagem central da trama, com as diversas perspectivas de surgimento do mundo. Numa viagem pelo seu quarto e pelas anotações do seu avô, João se depara com amigos mágicos que o ajudam a fazer o dever de casa e a pensar nas múltiplas possibilidades de respostas para a indagação. A montagem dialoga também com o universo da mágica, do ilusionismo e do audiovisual, criando uma atmosfera fantástica e instigante, além de refletir sobre o respeito às diferentes opiniões, crenças e credos, tudo de maneira leve e divertida. O espetáculo integra a programação especial TCA.Criança e, juntamente com o “Sarauzinho da Calu” e “Erê” – também Bando de Teatro Olodum – inicia o ciclo para a comemoração dos 30 anos do grupo. “Boquinha… e assim surgiu o mundo” fará quatro apresentações na Sala do Coro do TCA, às 16h, aos sábados e domingos: 02, 03, 09 e 10 de novembro.

Contando várias versões de como surgiu o mundo, o espetáculo estimula as crianças a pensarem como as coisas são criadas, mas também fundamentalmente, estimula as crianças a cuidarem das coisas, cuidarem do mundo, dos objetos, das pessoas e de si mesmas”, confirma Lázaro Ramos.

Dividindo a tarefa de atuar e dirigir em seu primeiro espetáculo solo, Ridson Reis (integrante do Bando de Teatro Olodum), se arrisca no universo infantil. Ele que estreou na direção, em 2016, com o espetáculo “O contentor”, montagem que lhe rendeu a indicação na categoria “Diretor Revelação”, no Prêmio Braskem de Teatro.

Eu acredito que as crianças são a chave para a estruturação de um mundo melhor. Pensando nisso que decidi me arriscar a subir num palco sozinho e encarar esses seres que são os maiores sonhadores desse universo. É através dos sonhos que conseguimos nos manter firmes na realidade, acreditando e tendo fé na humanidade. E esse espetáculo é, também, a realização de um sonho que sem uma grande equipe por trás não seria possível. Uma equipe muito profissional e que joga junto”, reflete Ridson.

A criação do conteúdo audiovisual e de animações serão feitos pela Estandarte Produções Òrun Àiyé (A Criação do Mundo“ e “Corações Encouraçados”, Festival Internacional Music Shorts Film Anima Mundi 2019) (ÒrunÀiyé: a Criação do Mundo). O cenário e o figurino ficam a cargo de uma dupla formada por Guilherme Hunder e Luiz Buranga. A iluminação será feita por Luiz Antônio Sena Jr.. E Roquildes Junior assina a direção musical e também a co-direção da obra.
 
 
Espetáculo “Boquinha… e assim surgiu o mundo”, com Ridson Reis 
Data: 02, 03, 09 e 10/11 (aos sábados e domingos)

Horário: 16h

Local: Sala do Coro do TCA

End.: Praça Dois de Julho, s/n – Campo Grande, Salvador – BA

Ingressos: R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia)

http://www.tca.ba.gov.br

Os ingressos para o espetáculo podem ser adquiridos na bilheteria do Teatro Castro Alves, nos SACs do Shopping Barra e do Shopping Bela Vista ou pelos canais da Ingresso Rápido. Acesse página de vendas em http://site.ingressorapido.com.br/tca

 
 
Lázaro Ramos e o universo infantil

Cada vez mais dedicado ao universo infantil, o ator e escritor Lázaro Ramos lançou seu primeiro livro “A Velha Sentada”, que conta a história de uma criança em uma viagem repleta de aventura, de aprendizado e autoconhecimento, dentro da própria cabeça. Adaptou o texto para o teatro com o título “A menina Edith e a velha sentada”, recebendo os Prêmios CBTIJ de teatro em 2015 como melhor texto adaptado e melhor canção.

As Paparutas, segundo livro do autor, no qual o autor se inspirou na festa popular das “Paparutas”, que acontece na Ilha do Paty, situada em São Francisco do Conde, interior da Bahia. Em 2015 lançou o livro de poesias “Caderno de rimas do João” que encanta os leitores com rimas espontâneas e temáticas diversas. Os versos apresentam, de um jeito divertido, os assuntos de um modo mais colorido.

Já em Boquinha, o artista se inspirou nas culturas: cristã, yorubá, tupi-guarani, hindu, chinesa, nas versões da ciência e dos nerds, retomando a tradição de contar e ouvir histórias, destacando que um bom enredo conduz um mundo repleto de criatividade e imaginação.

Sobre Ridson Reis

Ator, produtor cultural, músico e diretor iniciou sua carreira artística em 2002. Integrante do Bando de Teatro Olodum desde 2006, atua em diversas produções como, “Ó Paí, ó”, “Sonho de uma noite de verão” (espetáculo vencedor do Prêmio Braskem/2006), “Áfricas”, “Cabaré da Raça” e Bença”, dirigidos por Márcio Meireles, Chica Carelli, Zebrinha e Jarbas Bittencourt, e “DÔ”, dirigido pelo Dançarino de Butoh, Tadashi Endo. Participou do IV Estágio Internacional de atores, realizado pela Cena Lusófona em Portugal. Dirigiu e atuou no espetáculo O Contentor – O Contêiner, baseado na obra do angolano José Mena Abrantes, pelo qual foi indicado como Diretor Revelação – Prêmio Braskem de Teatro 2016. Componente do Coletivo N, onde exerce a função de Diretor Assistente (Beleza Negra do Ilê Ayiê – 2017/2018, Festival Vozes do Brasil – 2017, Pérolas Mistas – 2018), e atuou no espetáculo “Legal Tchan Tchan Tchan”, todos dirigidos por Elisio Lopes Junior. Recentemente lançou um projeto musical – Los Perífas, com a proposta de misturar música afrolatina, brasileira e africana com instrumentos percussivos e sons/ritmos sampleados – ao lado de Roquildes Júnior (ator, músico e compositor) e Gabriel Carneiro (músico, compositor e diretor musical). Foi Diretor Assistente da Noite da Beleza Negra do Ilê Aiyê (2017/2018), do Festival Vozes do Brasil (2017) e do Show Pérolas Mistas (2018).
E Diretor e Roteirista da última edição do Beleza Negra – a 40ª Noite da Beleza Negra 2019.

Sobre Lázaro Ramos

Com mais de 20 espetáculos no currículo, destacam-se: “Mamãe Não Pode Saber”, “A Ver Estrelas”, “O Homem Objeto”, “O Método Ghonholm” pelo qual recebeu os prêmios Qualidade Brasil e Contigo na categoria melhor ator e “O Topo da Montanha”, que além de atuar, também dirigiu o espetáculo. No cinema, estreou em “Woman on top” e participou de mais de 15 filmes. Como protagonista de Madame Satã, marco no cinema nacional, alcançou o estrelato sendo premiado no mundo inteiro por sua interpretação. Entre os filmes nos quais atuou destacam-se: “O Homem que Copiava”, “Carandiru”, “Meu Tio Matou um Cara”, “Cafundó”, “Cidade Baixa”, “O Cobrador”, “Ó Paí Ó”, “Saneamento Básico” e “Amanhã  Nunca Mais”. Em 2010 e 2011 atuou nos longas “O Grande Kilapy”, “O Vendedor de Passados”, “Tudo que Aprendemos Juntos”, “Mundo Cão e narrou o documentário “Marighella”. Também deu voz ao personagem Chocolate no longa de animação “As Aventuras do Avião Vermelho”. Na tv, participou de várias séries e novelas da rede Globo. Entre elas, como protagonista da série “Mr. Brau”.