Afinal, no Brasil existe colorismo?

A resposta é bem simples: não. Pelo menos não como nos EUA. O colorismo, ou colorstruck, ou pigmentocracia é um tipo de racismo intrarracial, ou seja, entre sujeitos de um mesmo grupo racial nos EUA. Lá, a comunidade negra acredita que haja um negro ideal, um fenótipo específico para o afroamericano, e esse ideal não tem a pele nem muito escura, nem muito clara. Estudos dos anos1970 mostram que “Black is Beautiful” não conseguiu reverter a ideia de pele mais clara era mais bonita. Estudantes de tonalidades mais escuras, assim como de pele mais clara tinham, segundo o estudo de Holtzman, autoestima mais baixa que os que se declaravam pertencentes à denominação “médio”. Apesar de todo o esforço do movimento Black Power, “Black is Beautiful” voltou a ser “Brown is Beautiful”  

A gente pode dizer sem medo que a comunidade negra brasileira não tem essa “preferência”, e que ser negro, ou melhor, não ser branco no Brasil, não é bom pra ninguém, não importa qual a tonalidade da pele. Aqui tem porrada para preto, marrom e beige, como alguns puristas raciais insistem em nos chamar nas redes sociais. 

Ou deveríamos dizer, por enquanto? Pois, se essa moda de se achar gringo pega, (e a gente começar a comprar cada vez mais esse discurso de que: uns são pretos, mas outros são mais), a coisa vai acabar ficando bem branca no nosso meio. Já que essa conversa separatista que vem usando a desculpa de “colorismo” para destilar rancores em pessoas com tonalidade de pele mais clara dentro da comunidade negra, não passa disso: fantasias brancas.

Durante o século XIX, em parte do Sul dos EUA, um grupo de negros de pele mais clara, filhos de escravas engravidadas pelos seus senhores, tinha maior poder aquisitivo e melhor escolaridade que negros de pele mais escura. Nesse grupo o número de libertos, ou livres, também era maior. Isso pode esclarecer por que eles tinham maior acesso à escolaridade e, por consequência, melhores chances de aumentar o seu poder aquisitivo. Também é importante ressaltar, que havia um grupo de pessoas negras mais claras que não se encaixava nessa descrição; elas continuavam tão pobres e tinham tão pouco acesso à escola quanto os de pele mais escura. A ideia, porém, de que ser claro era o caminho para melhorar suas condições de vida ficou na memória da comunidade negra estadunidense. 

A tese de embranquecer totalmente como solução, como foi proposta e internalizada no Brasil, teria dado certo também nos EUA, se lá não existisse a noção (e por muito tempo lei) de que uma única gota de sangue negro serviria para enegrecer (quase) toda a descendência de uma pessoa. E é por isso que, nos EUA, pessoas que no Brasil seriam entendidas como brancas, podem ser declaradas e serão entendidas como negras. Mesmo tendo pele tão clara como a de uma pessoa branca, olhos azuis e cabelos loiros. Então, quando lemos pele clara versus pele escura no contexto estadunidense, podemos estar, na verdade, falando de branco versus negro no entendimento brasileiro. Essa observação me levou a fazer um paralelo entre o discurso colorista estadunidense e o racismo em famílias miscigenadas no Brasil. Baseada nisso eu escrevi um texto sobre o assunto aqui no Blogueiras Negras, texto no qual vejo hoje muitos pontos problemáticos. 

Ao contrário dos EUA, no Brasil nunca houve a proibição da união entre pessoas de grupos raciais distintos. Muito menos foi tabu dentro da comunidade negra, ser negro, lutar pelos direitos da população negra e se unir amorosamente com uma pessoa branca. O problema é que essas uniões, ainda que baseadas “no amor”, não conseguem dissipar o racismo, não importa em que forma: internalizado, reproduzido ou imposto. É nessas relações familiares (não só a família-núcleo, as relações mais distantes também contam) que surgem os conflitos e o imperativo de um embranquecimento que em nada difere do discurso racista do resto da sociedade brasileira. O que chamamos de colorismo, seria então nada mais que a impossibilidade de garantir um espaço em que o racismo da nossa sociedade não fosse reproduzido. A gente sabe que o racismo também é internalizado e reproduzido em famílias onde todos os membros têm pele escura. Para entender melhor essas relações, seus desdobramentos e conflitos, recomendo o documentário “Preto contra Branco” de Wagner Morales, e que pode ser visto na plataforma YouTube.

O racismo internalizado pelos afroamericanos os levou a pensar que afroamericanos com a pele mais clara teriam vantagens, melhores chances, privilégios, termo que parece não pode faltar numa discussão sobre colorismo e que é, aliás, totalmente equivocado. Fazendo um mea culpa, tenho que admitir que também já caí nessa conversa de que o racismo cordial, que nega a nossa negritude pudesse ser talvez algum privilégio, como se somente o racismo escancarado doesse, violentasse ou matasse. E como se pessoas negras de pele mais clara não sofressem nunca ataques racistas violentos. O “privilégio” com o qual supostamente as pessoas pardas no Brasil são agraciadas, infelizmente, não é a prova de balas, muito menos as livra da pobreza ou da prisão. 

bell hooks fala sobre colorismo no livro “Rock My Soul: Black People and Self-Esteem” e liga, em primeiro lugar, negros de pele mais clara ao estupro em massa das mulheres africanas escravizadas, o que não pode ser negado. A explicação, porém, de que a hipervalorizarão dessas crianças teria sido desencadeada pela necessidade das mães em ressignificar o fruto de um estupro me parece mais do que absurda. Mas nós chegamos a um ponto muito importante e que sempre retorna nessas discussões sobre cores, tonalidades e complexos raciais: a impureza da nossa existência parda. Nesses discursos, somos ora o resultado do estupro, uma bastardidade quase ancestral, ora o resultado da “traição da própria raça”, bastardidade resultada da covardia, daqueles que se relacionam de livre e espontânea vontade com brancos. 

Entre brancos ouvimos que somos a filha da empregada, entre pretos (agora é moda) somos chamados de fetiche da casa grande. Enquanto tanto um lado quanto o outro usam a nossa pele para projetar fantasias brancas, as nossas peles (pardas e pretas) continuam sendo as mais baratas. 

Textos de Apoio: 

Holtzman, Jo: Color Caste Changes Among Black College Students, Journal of Black Studies, 4.1 (September 1973) 92-101.

Goering, John M.: Changing Perceptions and Evaluations of Physical Chracteristics Among Blacks: 1950-1970, Phylon. The Atlanta University Review of Race and Culture, XXXIII.3 (Autumn 1972) 231-241. 

hooks, bell: Rock My Soul. Black People and Self-Esteem, New York, Washington Square Press, 2003, 39.

You May Also Like
Leia mais

O momento do encontro

Quando fazemos as pazes com nossa Natureza, os tufões passam, as águas se acalmam e aos poucos aquela sensação de “despertencimento” vai dando lugar a forças ancestrais que ao se encaixarem em nosso íntimo, vão encontrando formas harmônicas de ser e sentir o fluxo da vida, formando novos veios nesse mesmo rio que compõem nossa breve existência.
Leia mais

Carta aberta aos que põem as mãos em cabelos afros

Muito obrigada por se interessarem pelos cabelos da minha filha. Ele é mesmo muito bonito e nós duas gostamos dos elogios. Sim, ela é paciente e não se incomoda em ficar quietinha enquanto o cabelo dela é penteado. Eu penteio o cabelo dela assim desde bebezinha, ela já está acostumada e essa é a única forma de cuidar dos cabelos que ela conhece. Essa rotina de cuidados é parte da vida dela e ela não vê isso como um fardo, muito menos eu.

Sobre alisamento capilar, racismo e liberdade

A simbologia que isso nos trás é a de que: negue, alise sua raiz, aquele seu fio crespo que está começando a nascer resistente a quem te impõe o liso, é muito feio. O esconda. Você não consegue perceber isso, pois a mesma lógica opressora te faz responder que isso não é racismo, não é preconceito consigo mesma e que você só alisa o cabelo, pois é mais prático ou por que combina mais com você.