BNcast na sua rádio

Nós agradecemos a cada uma das nossas entrevistadas por sua generosidade em estar com a gente nessa empreitada. 

A segunda temporada do BNcast, O legado da comunicação no movimento de mulheres negras, chegou ao seu último episódio mas a nossa conversa não acaba por aqui. 

É com muito prazer que convidamos as rádios comunitárias, jornais, blogues e todo mundo para compartilharem com a gente essas lindas histórias que falam sobre quem abriram as portas para que estivéssemos aqui. Sempre lembrando que esse é um panorama que sabemos incompleto, mas que ao mesmo tempo significou o desejo, esforço, desejo e trabalho de muita gente bonita que trabalhou para que cada episódio fosse ao ar.

Você pode baixar ou ouvir toda a temporada bem aqui e aqui.

Este programa, assim como os anteriores, é uma realização de Blogueiras Negras, Rádio Aconchego e Coletivo Cabelaço. Apoio – Fundação Heinrich Böll.

E se você não quer perder nenhuma conversa, saiba como assinar o #BNcast e receber em primeira mão tudo o que vai acontecer daqui pra frente. Fica de olho aqui no nosso site.

You May Also Like
Leia mais

Eu sou ela, ela sou eu

Eu escrevo aqui do alto dos meus 27 anos, jornalista com uma graduação concluída com louvor, endereço fixo, telefone conhecido e público, registro profissional regular e algumas dúzias de seguidores pelas redes sociais. Só que o que me faz escrever não são meus quatro anos de estudo em comunicação social, mas os meus 27 anos de vida na minha pele de mulher preta e periférica, moradora de uma grande, cruel e desigual metrópole brasileira, país racista e machista por seus anos de história desigual.
Leia mais

Rolezinho, um ato de resistência política

Nunca imaginei que um dia a ida ao shopping seria visto como um ato de resistência política. Os chamados “rolêzinhos;” noticiados pelos meios de comunicação desde Dezembro de 2013, consistem em uma simples ida de jovens, em grupos, aos shopping centers. Algo comum, já que o grande contingente de frequentadores destes espaços são jovens. Porém, o que despertou a revolta de algumas pessoas em relação a estes “rolêzinhos” foi o tipo de jovem que o está realizando: pobres e, em sua maioria, negros.