Carta aberta das Líderes do Programa de Aceleração do Desenvolvimento de Lideranças Femininas Negras: Marielle Franco

Nós, *Líderes do Programa de Aceleração do Desenvolvimento de Lideranças Femininas Negras: Marielle Franco*, nos juntamos às vozes que gritam neste Março de Luta das Mulheres, e sempre, por justiça para Marielle Franco e Anderson Gomes.

Há 735 (setecentos e trinta e cinco) dias, Marielle e Anderson foram assassinados, e ainda perguntamos todos os dias: quem matou? quem mandou matar? e por que mataram?

Quando uma mulher negra, que moveu estruturas da periferia para o espaço da política, é brutalmente assassinada, o recado que nos é dado é: silêncio e obediência. Mas, sem nenhum pedido de desculpas ou licença, afirmamos que *não seremos interrompidas e nossos sonhos não serão interrompidos*.

O vazio da perda de Marielle Franco nos move para um lugar de luta, amor e resistência. Marielle é semente, o fato de ela ter sido covardemente assassinada nos lembra Zumbi dos Palmares, Dandara, Aqualtune, Malcolm X, Luana Barbosa, Claudia da Silva Ferreira e tantas outras pessoas pretas que foram executadas pelo estado terrorista, nos deixando a difícil missão de seguir sem elas, mas com o legado de existir e (re)existir  com nossos corpos, com nossa pele preta, com nossos cabelos crespos e com nossas vidas que importam.

O corpo de Marielle foi interrompido, mas sua memória segue muito viva em cada uma de nós. Foi um ato de dor que fortaleceu o levante de mulheres negras que vem sendo construído nos últimos anos. *Sementes brotaram em maiores campos e mudas passaram a ser vozes e gritos cada vez mais altos. É assim que a mantemos viva: na nossa luta!*

Marielle representa muitas lutas do povo pobre e periférico. Se o Brasil tem mostrado sua incapacidade para passar sua história a limpo, permitindo assim uma instabilidade democrática, nós, mulheres negras estamos organizadas para buscar formação e nos tornarmos especialistas e protagonistas das nossas histórias, e debateremos nossas questões de saúde e qualidade de vida, educação, direitos, ciência e tecnologia, comunicação e memória, desenvolvimento econômico, autocuidado, enfrentamento ao racismo religioso e proteção das vítimas, prevenção e atenção às vítimas e afetadas pela violência racial, proteção dos direitos de comunidades quilombolas, proteção dos direitos de crianças e adolescentes e segurança pública, a partir de um olhar que garante a manutenção das nossas vidas e corpos negros.

Nós, lideranças negras brasileiras, somos sementes deixadas por Marielle e estamos unidas em muitas frentes de lutas. Estamos na linha de frente e não vamos recuar!

Marielle um dia disse: *”Nunca a filosofia ubuntu, ‘eu sou porque nós somos’, fez tanto sentido pra mim”*. Nós seguimos dizendo todos os dias: *Marielle Presente! Marielle Semente!*

Assinam esta manifestação *58 Mulheres Negras Líderes apoiadas pelo “Programa de Aceleração do Desenvolvimento de Lideranças Femininas Negras: Marielle Franco”*, uma iniciativa do Baobá: Fundo para Equidade Racial, com apoio da Fundação Kellogg, Instituto Ibirapitanga, Fundação Ford e Fundação Open Society.

Andressa Ferreira

Anielle Franco

Aline Lourena

Ana Bartira da Penha Silva

Ana Cristina da Silva Caminha

Ana Lígia Rodrigues

Barbara Fraga dos Santos Aguiar

Beatriz Domingos da Silva

Brígida Rocha dos Santos

Brunna Moares

Carolina Araujo de Brito

Clara Marinho Pereira

Claudia Marques de Oliveira

Dandara Rudsan

Danubia Santos

Dina Alves

Emília Carla Costa Leite

Evânia Maria Vieira

Éthel Oliveira

Giovana Xavier

Hellen Nzinga

Ingrid Farias 

Jaciara Mello

Jaqueline Fraga

Jenair Alves

Jéssica Vanessa

Jéssica Remédios

Joice Silva dos Santos

Juliana Jardel

Karen Franquini

Laiara Amorim Borges

Leandra Silva

Lorena Borges

Luciane Reis

Lucimar Sousa Silva Pinto

Luyara Franco 

Keit Lima

Magna Barboza Damasceno

Marcia Monte

Mariana Gomes

Marina Ribeiro Lopes

Marinete Silva

Mayara Silva de Souza

Meduza com Z

Midiã Noelle

Monalyza Alves

Nãnan Matos

Patrícia Lima

Piedade Marques

Renata Vaz

Sarah Marques

Sibele Gabriela dos Santos

Sulamita Rosa

Taís Nascimento

Vanessa Barboza

Vitorino da Silva

Wemmia Santos

Wézya Ferreira

* *_O posicionamento das líderes  que integram o corpo de apoiadas pelo Programa de Aceleração não configuram, necessariamente, posicionamento do Fundo Baobá para Equidade Racial e das instituições apoiadoras._*


O Blogueiras Negras é apoiado pelo edital de Fortalecimento de capacidades de organizações, grupos e coletivos de mulheres negras promovido pelo Fundo Baobá e assina essa carta.

You May Also Like
Leia mais

“Preciosas, bonitas e guerreiras” – empoderamento feminista das Pearls Negras

Algumas feministas insistem em ler a ideia do recalque como perpetuação do discurso da rivalidade histórica entre mulheres, que nos coloca em posição de constante disputa e revanchismo. Porém, um ouvido mais atento consegue reconhecer que muitas vezes o recalque perpassa questões de raça e classe, pois o lado de lá da ponte têm cor e CEP: é branco e dos bairros da elite.
Leia mais

Nota de repúdio ao posicionamento da faculdade Zumbi dos Palmares sobre o Sexo e as Nega

Sustentar que a crítica de mulheres negras tem a ver com pura emoção é a defesa de que não somos capazes de construir uma avaliação perspicaz, astuta e concreta de uma realidade que diz direito apenas a nós mesmas e não a homens negros. E o nome disso é machismo. Nós temos voz e argumentos, exigimos que sejam respeitados, acolhidos e não brutalmente silenciados como tem sido prática histórica de alguns setores do movimento negro, que nos preferem caladas.
Leia mais

Pretas e sapatão, UNI-VOS: Exposição das obras de Zanele Muholi e Thembela Dick no Instituto Goethe

Zanele Muholi e Thembela Dick, duas artistas sul-africanas que fizeram de seu trabalho um ativismo em prol da visibilidade das minorias excluídas da sociedade, estarão aqui em São Paulo, ao vivo. Em carne e osso. AS DUAS! Sim, com direito a conversa com o público depois da exposição das obras.

O feminismo negro é absolutamente incompatível com a transfobia

Que fique enegrecido: nós Blogueiras Negras entendemos que o feminismo negro, mesmo em suas diversas manifestações, é absolutamente incompatível com a transfobia. Acreditamos que não seja complicado entender que nossas mulheres são atingidas por ela, tem sua existência negada, sua humanidade diminuída simplesmente por serem transexuais e por serem negras, uma superposição de identidades que cria um eixo único de violências. Às mulheres negras cis só existe uma possibilidade nesse sentido: sermos aliadas.

Misoginia x Misandria

Toda mulher sofre com o machismo e com a misoginia desde o momento que é reconhecida como tal. Se não no próprio ambiente familiar, no momento em que começa conviver em sociedade. Muitas se habituam aos comportamentos supracitados, e a eles nunca reagem. Algumas outras, sobretudo as que sofrem traumas mais profundos e lutam pela emancipação do gênero, desenvolvem um comportamento de resposta que vem sido classificado como misandria.