Eu não sou sua inimiga

Rivalidade Feminina.

Quantas vezes você já ouvi esse termo? Quantos textos li sobre isso,
quantos livros, quantos debates e rodinha de amigos foram pautados em
fulana contra cicrana? E mesmo assim, sempre caímos em tentação.
É parte do imaginário social, a mulher que compete com outras em todas as
instâncias: família, carreira, amor etc. Aquela mulher tachada por todos
como descontrolada, ciumenta, desconfiada. Cuja natureza não permite ser
amiga de outras iguais, se apoiar em mulheres. Nenhuma de nós deseja ser
essa figura. Mas pare e me diga sinceramente, você já foi essa mulher hoje?
Eu já.

É por isso que resolvi admitir que mesmo diante da desconstrução, mesmo
diante do acolhimento que o movimento negro feminista me proporcionou,
das irmãs de luta que ganhei e do exercício de alteridade que cultivei, ainda
não estou livre dos danos do machismo estrutural. Ainda me pego fazendo
inimizades por rivalidade com iguais, vejo mulheres me julgando por
ciúmes ou competição.

O medo irracional que nós mulheres sentimos em nos unirmos umas às
outras é ora ferramenta de uma lógica machista hegemônica, ora
autodestruição guiada por misoginia. Para manter a ordem de uma
sociedade que estupra, mata, subjuga e oprime a mulher, nada mais vil que
fazê-las odiarem a si mesmas.

Segundo uma pesquisa da Fundação Perseu Abramo, para 37% dos homens
“ser homem” é melhor por fatores como não engravidar, não parir, não
menstruar; ter liberdade e independência financeira. Logo, 90% dos
homens e 98% das mulheres concordam que existe machismo no Brasil,
mas apenas 22% dos homens se consideram machistas. Na mesma pesquisa
43% deles consideram correto que “nas decisões importantes, é justo que
na casa o homem tenha a última palavra”. Em outra pesquisa do Datafolha,
1 em cada 3 brasileiros considera a vítima de estupro culpada. Enquanto
85% das mulheres brasileiras temem ser estupradas .

Essa violência de gênero apresentada nos dados apenas confirma a cultura
misógina brasileira. Essa desigualdade se alimenta e se mantém nas
estruturas sociais diante da coerção psicológica que o machismo causa.
Seja na culpabilização, na submissão, na banalidade da violência, na
insegurança e desconfiança com nós mesmas e umas com as outras.
Essa relação se torna ainda mais tensa quando inserimos um homem no
meio. É como clássico de novela: duas mulheres, um homem. Duas
competidoras, um prêmio. Uma batalha social e psicológica destrutiva a
fim de conquistas o que? Não existe primeiro lugar, não existe faixa ou
troféu. Não enquanto nós mulheres estamos sendo ensinadas a subjugarmos
umas à outras em prol de um pedestal patriarcal. A namorada que odeio as
amigas do cara, as amigas que odeiam a namorada; a colega de trabalho
que não confia nas outras; a garota que diz só ter amigos homens por serem
menos problemáticos.

Eles nos dizem “não confie em mulheres, elas são traiçoeiras, ardilosas,
sujas, dramáticas, vão te esfaquear pelas costas.” Mas o que somos senão
mulheres também? Quando você se olha no espelho se vê falsa,
dissimulada, dramática, exacerbada? Quando me olho no espelho, vejo não
só a mim, mas a todas as minhas iguais. Compartilhamos das mesmas
inseguranças, alegrias e dores de se tornar mulher.

Pode parecer clichê, você pode até pensar que esse texto é campanha sobre
sororidade teórica de facebook. É fácil falar. É fácil escrever duas páginas
sobre como o machismo domina o nosso inconsciente, mas é difícil
entender como pará-lo.

É difícil não implicar com a amante do ex, com a sogra, com a irmã, com a
amiga. Mas sabe o que é ainda pior? Ouvir homens se vangloriando pela
competição, se exaltando enquanto nos colocam degraus abaixo.
Intitulando-nos “loucas, barraqueiras, ciumentas”. Fortalecendo a falsa
ideia de que mulher não gosta de mulher. Enquanto eles se unem e apoiam
os camaradas.

O homem patriarcal guarda o verdadeiro amor para os seus iguais. Não
para a companheira, a amiga, a irmã. Apenas a mãe é digna de dividir tal
sentimento, para as outras resta um simulacro. Quando de repente precisam
optar, não temem em apoiar uns aos outros. Por que nós deveríamos
concordar? Por que nos deveríamos facilitar essa cultura que nos torna
autodestrutivas e inseguras? Por que nos sentimos sozinhas uma do lado da
outra?

Portanto o que quero dizer depois de tantos parágrafos é que eu não
deixarei de ser influenciada por essa cultura misógina apenas por escrever
esse texto. Você também não, mas é parte da mudança efetiva, tentar. O
feminismo não funciona sem você, sem mim. É a nossa luta, a nossa
autoafirmação diária. O protagonismo das nossas vidas é nosso e de
homem ou indivíduo nenhum. A escritora negra americana Audre Lorde,
feminista lésbica e ativista dos direitos humanos, já havia dito “Não sou
livre enquanto outra mulher for prisioneira, mesmo que as correntes dela
sejam diferentes das minhas”.

Imagem – Oil Painting House

You May Also Like
Imagem - Agência Apublica.
Leia mais

Aborto e ilegalidade: a violência do Estado contra as mulheres negras

É importante referenciarmos, que o Estado brasileiro, garante em sua constituição, o direito à vida e à saúde como inalienáveis, que não podem ser negados a ninguém, pela sua cor, raça, gênero ou orientação sexual. É dever então, do Estado Brasileiro, zelar pelo bem-estar de todos os seus cidadãos e também de suas cidadãs, atentando-se as demandas especificas de saúde possuída por cada grupo. Isto é que se chama de princípio da equidade, que a grosso modo pode ser resumido como, tratar os iguais como iguais e os diferentes como diferentes.
Leia mais

Mulheres e Negros: que as leis não os separem!!

No cenário da opressão racial de gênero há mulheres livres, amordaçadas em laços afetivo-sexuais não mais ansiados por elas, com prisioneiros dispostos a sentenciar com morte a efetivação anunciada da ruptura de vínculos. Segundo IPEA (Instituto de Pesquisa Aplicada), das mulheres assassinadas no Brasil 31% têm entre 20 e 29 anos e 61% são negras. A taxa de mulheres negras mortas chega a 87% só no nordeste.
Leia mais

Bem vindos ao Brasil colonial: a mula, a mulata e a Sheron Menezes

Sim, sabemos que 125 anos se passaram e a escravidão acabou, porém as suas práticas continuam bem vindas e são aplaudidas por muitos de nós na novela das nove e no programa do Faustão, “pouco original, mas comercial a cada ano”. No tempo da escravidão, as mulheres negras eram constantemente estupradas pelo senhor branco e carregavam o papel daquela que deveria servir sexualmente sem reclamar, nem pestanejar e ainda deveria fingir que gostava da situação, pois esse era o seu dever. Hoje nós, mulheres negras, continuamos atreladas àquela visão racista do passado que dizia que só servíamos para o sexo e nada mais.
Leia mais

Em apoio à Pepê e Neném

Suas roupas largas, seu andar mais relaxado, seu cabelo crespo, seu sorriso largo e sua pele são lindas. São fatores de resistência e incomodam privilegiados pela sociedade. A ascensão de uma mulher negra lésbica é inadmissível pra alguns e atacar é o que mais eles sabem fazer, e nós resistimos.