Mulher Negra e Arte – A obra de Rosana Paulino

Rosana Paulino – Fico extremamente feliz quando as mulheres dizem que se veem representadas na minha obra. Autorepresentação é importante, seja nas artes visuais, na literatura, no teatro… Empodera, é fundamental.

Rosana Paulino é uma artista de grande relevância na atualidade. Em sua obra, prioriza as narrativas de mulheres negras e sua trajetória em meio às barreiras socialmente impostas a essas mulheres como o silenciamento, a violência, a desvalorização, a negação de suas subjetividades, o apagamento de suas raízes ancestrais, o desprestígio atribuído a sua produção artística e literária. Rosana é uma mulher negra, pesquisadora, educadora, artista plástica premiada que possui uma rica trajetória artística, tendo estudado em outros países e participado de exposições Brasil afora. Tem um amplo repertório artístico e em sua obra dialoga com o presente e o passado de diversas gerações de famílias negras, dando destaque às mulheres, retratando opressões a que são submetidas e como seu corpo é tratado na sociedade, sempre ressaltando que são mulheres fortes, de raízes firmes, que sustentam gerações. Para compor sua obra, Rosana utiliza-se de diversas técnicas, desde esculturas a bordados, sempre enriquecendo e dando força a sua obra, que tem um alto potencial representativo e dialoga com o público fazendo com que ele também se sinta e se veja representado em sua obra. Rosana ocupa merecidamente um papel de destaque no cenário artístico por propor em suas obras a reflexão sobre as opressões e repressões impostas ao corpo negro, especialmente ao corpo da mulher negra, e um rompimento com a manutenção dessa situação nos convidando a olhar e a participar desse processo de libertação.

Além de ser uma artista com alto potencial criativo e representativo, Rosana é uma mulher negra como muitas de nós e nos dá voz e visibilidade por meio de sua obra. Muito solícita, ela aceitou responder a algumas perguntas, o que nos permite ter um diálogo com ela e sentir a sua força de artista e mulher negra.

Patricia Anunciada – Como você vê a situação da inserção e valorização da mulher negra no cenário artístico atualmente?

Rosana Paulino – Não só no cenário artístico, mas na sociedade em geral, há pouca valorização da mulher negra. O cenário artístico é apenas o reflexo de um local maior, que é a sociedade. Ainda estamos lutando para termos nossas demandas atendidas e, neste caso, vou além da questão de ser mulher. As demandas da população negra, no geral, não são vistas como justas e reais, e sim como “mimimi”, utilizando uma expressão bem popular. Isto mostra o quanto estamos atrasados no Brasil na discussão dos direitos individuais e coletivos.

Patricia Anunciada – Quais foram as suas principais referências na composição de obras pautadas na representação da mulher negra?

Rosana Paulino – Esta é uma pergunta difícil porque, tendo poucas artistas que trabalharam com a questão, as referências tendem a ser escassas. Posso dizer que quando passei a ter contato com poéticas desenvolvidas por artistas negras e/ou feministas minha produção já estava bem madura, então a arte das mulheres negras ou mesmo a arte feminista me influenciaram muito pouco porque não tinha contato com esta produção, isto não chegava ao Brasil. Lembre-se de que boa parte da minha formação foi feita na era pré-internet, o que dificultava o acesso a estas obras.  

Por outro lado olhei muitos artistas que admiro, brasileiros ou estrangeiros, e minhas influências são várias indo desde arte africana tradicional, arte dos aborígenes australianos passando pelo barroco brasileiro e desenhistas que gosto muito, como é o caso do Egon Schiele. Além disso, olhei muito as representações históricas do corpo humano, desde os árabes passando pela Europa medieval e renascentista. Sou uma apaixonada por anatomia e esta paixão me levou a perceber como as representações de grupos distintos podem trazer uma forte carga de preconceito.  

Patricia Anunciada – A sua obra em geral é de grande impacto e nos sentimos representadas nela. Qual é a importância dessa autorrepresentação proposta em sua obra?

Rosana Paulino – Fico extremamente feliz quando as mulheres dizem que se veem representadas na minha obra. Autorepresentação é importante, seja nas artes visuais, na literatura, no teatro… Empodera, é fundamental. Se perceber parte de um grupo, ver suas questões tratadas levanta dúvidas, faz brotar questionamentos mas vai além disso, dá subsídios para se discutir os locais sociais, quem os define, como e porque. Acredito que este incômodo gerado pela obra de arte é de grande importância e quanto mais cedo o contato com as obras melhor, mais fortalecidas ficamos porque não precisamos carregar o mundo sozinhas, outras/outros já trataram disso, não precisamos começar do zero. Isto permite que avancemos mais rápido.

Patricia Anunciada – Como você vê o potencial da arte para propor reflexões e lidar com opressões tão comuns no cotidiano da mulher negra como machismo e racismo?

Rosana Paulino – O potencial da arte é imenso para tratar das desigualdades, das opressões, e este é o motivo pelo qual ela incomoda tanto. No caso das mulheres negras, a arte mostra que somos mais que um corpo, mostra que temos potenciais, dignidade. Fortalece-nos para que possamos quebrar os estereótipos que nos foram impostos. E volto a dizer: não somente as artes visuais, a música, a literatura, o teatro… A arte tem uma qualidade que é extremamente importante: leva ao autoquestionamento, a partir da experiência de outras eu passo a perceber melhor meu mundo, quem eu sou. Autoconhecimento é fundamental para que possamos lutar contra o machismo e o racismo. Uma mulher que se conhece, que é segura de si sabe que pode dizer não, tem conciência de que não precisa ficar restrita aos papéis que a sociedade lhe impôs. A arte é tremendamente libertadora.

Imagem – Rosana Paulino por Celso Andrade.

 

You May Also Like
Leia mais

Cinema brasileiro prefere atrizes brancas

Diretores do cinema nacional, as negras são mulheres lindas, excelentes profissionais. São professoras, médicas, advogadas, chefes de cozinhas, enfermeiras, engenheiras, motoristas, empresárias, rappers, escritoras, jornalistas, floristas, desenhistas, poetas, cobradoras de ônibus, feirantes, esportistas, donas de casa. Compõem o cenário profissional médio de enorme importância para o superávit da economia nacional. Pagam impostos, são mães, avós, amantes, tias, têm famílias e atrizes talentosas.
Leia mais

Os muros mais altos não são aqueles que pintamos: sobre as barreiras aos artistas negros no Brasil

Esta inversão se mostra em praticamente todas as esferas da nossa sociedade. O negro, sobretudo o que reside nas periferias, é sempre invisibilizado quando está fora do círculo do que a sociedade rotula como “coisas de preto”. Se ele não está nas rodas de samba, no carnaval ou atuando como empregada doméstica na novela, ele está fora do seu lugar.