O lado de cima da cabeça

A democratização da comunicação é uma luta concreta de estudantes e cidadãos que sabem quão importante isso é e seria para a população. Afinal quanto mais crítica a sociedade for, menos desigualdades sociais teremos. O fato é que a “corte brasileira”, detentores das mais poderosas empresas, não fazem a mínima questão de ter uma população pensante.

Quando o assunto é documentário, não há nada melhor para te inspirar do que suas vivências e sonhos pessoais, é dessa forma que eu imagino e idealizo. Minha paixão começou quando eu ainda estava no ensino fundamental e assisti “Ilha das Flores” produzido em 1989 por Jorge Furtado, a partir daquele dia decidi ser documentarista, mesmo não sabendo nem definir o que é documentário.

Entrei para a universidade para o curso de Comunicação Social com habilitação em Rádio e TV sabendo que ao final – mesmo que isso não faça sentido para algumas pessoas – eu faria um documentário. A disciplina a qual esperei para o aprendizado dessa técnico-arte foi lecionada por uma professora maravilhosa e que instigou o crescimento dessa minha paixão.

O audiovisual consegue tomar proporções pelas quais nem mesmo o autor/produtor/diretor não entende e/ou espera, foi o que ocorreu comigo. Ao fim dessa disciplina, produzi um documentário a partir de uma realidade comum entre muitas pessoas e eu: o cabelo como forma de identidade. Essa ideia foi desde o início desafiadora, social e brilhante; mas o audiovisual é isso, é uma relação de amor e ódio esplêndida.

Tratar do negro pela visão de um negro leva uma grande diferença para os espectadores. Após a exibição pelas redes sociais eu já recebi muitos depoimentos emocionados e agradecidos de diversas pessoas que nunca vi na minha vida, isso não tem preço. Grande parte dessas pessoas fala que a direção só poderia estar nas mãos de alguém sensível e que possui conhecimento da causa, pois aquela narrativa estava isenta de preconceitos e afins. Saber disso através de um receptor que nem te conhece também não tem preço.

Infelizmente generalizamos a mídia com o mais poderoso audiovisual que conhecemos: a televisão; esquecemos que mídia é tudo aquilo que consegue através de imagens e/ou som disseminar informações em geral. Ter o domínio dessa técnica e linguagem ainda é restrito a uma pequena parcela da população brasileira, mesmo com o “barateamento” dos aparatos tecnológicos, grande parte da população ainda não tem ou teve acesso a esse conhecimento.

A democratização da comunicação é uma luta concreta de estudantes e cidadãos que sabem quão importante isso é e seria para a população. Afinal quanto mais crítica a sociedade for, menos desigualdades sociais teremos. O fato é que a “corte brasileira”, detentores das mais poderosas empresas, não fazem a mínima questão de ter uma população pensante.

Sim, o audiovisual TEM ESSE PODER. Já que tive a oportunidade de deter esse “poder” em minhas mãos, nada mais justo do que devolver á sociedade aquilo que eu acho mais ideal. Talvez eu seja uma utópica em pensar e idealizar uma sociedade mais justa, menos desigual e mais crítica, mas esse pensamento deixa de ser utopia e passa a ser realidade quando percebo as grandes proporções e os bons caminhos que o documentário O LADO DE CIMA DA CABEÇA tem conseguido até agora.

Assim como o audiovisual, há tantos outras técnicas que podem ser utilizadas como formação de opiniões críticas em salas de aulas, associações, grupos de pesquisas, universidades, famílias, entre outros grupos sociais. Juntar a crítica social e o audiovisual é o meu papel nessa sociedade, mas também pode ser o papel de muitos e muitas negros e negras, homoafetivos, mulheres, índios, pobres, entre outras tantas minorias que sofrem nesse país tão desproporcionalmente social e injusto. O nosso dever como cidadão é saber ensinar e aprender o tempo todo.

Assista

You May Also Like
Leia mais

Cinema brasileiro prefere atrizes brancas

Diretores do cinema nacional, as negras são mulheres lindas, excelentes profissionais. São professoras, médicas, advogadas, chefes de cozinhas, enfermeiras, engenheiras, motoristas, empresárias, rappers, escritoras, jornalistas, floristas, desenhistas, poetas, cobradoras de ônibus, feirantes, esportistas, donas de casa. Compõem o cenário profissional médio de enorme importância para o superávit da economia nacional. Pagam impostos, são mães, avós, amantes, tias, têm famílias e atrizes talentosas.
Atriz norte-americana Azie Dungey em seu figurino de escrava, durante o período que trabalhou como atriz na propriedade de George Washington. Crédito: Azie Dungey
Leia mais

Humor negro é o que combate o racismo

Além de “humor negro”, outras expressões como “lista negra”, “magia negra”, “ovelha negra”, “mercado negro” ou até mesmo “o lado negro da força” sempre nos fazem remeter a palavra negra/negro como algo ruim. São expressões usadas no cotidiano e com certeza alguém virá dizer que isso não é racismo cultural, que a cor preta é a ausência de cor, logo é utilizada para expressar o que está escondido nas sombras. Poderia questionar esse “escondido nas sombras”, mas será mesmo que não há nenhuma associação? Nossa língua é viva e perpetua-se pelo tempo de acordo com os usos que as pessoas fazem dela. Se uma palavra recebe constantemente uma conotação que a desvaloriza, como se sentem as pessoas que se identificam com ela?
Leia mais

Porque ler @s blogueir@s

Às margens dos canais mais privilegiados, em termos financeiros, o critério da fidedignidade na divulgação sobre o que ocorre e o que pensam determinadas populações é cada vez mais desacreditado, tendo-se em vista a subrepresentação ou representação estereotipada de, por exemplo, pessoas negras, indígenas, oriundas de comunidades periféricas ou carentes, nordestinos, mulheres, lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais, entre outros seres humanos oprimidos.