Oração

Para todas as minhas, as suas, as nossas que foram silenciadas, amedrontadas, violentadas, amordaçadas, inferiorizadas, apagadas, iluminadas. Física e simbolicamente, veementemente, frequentemente.

Por todas as guerras que não pudemos ganhar. Por todas as que ganhamos, mas que se recusaram a nos dar, a aceitar. Por todas as guerras que ainda vamos travar.

Invoco a força de todas as minhas, as suas e as nossas que tem o poder de trovoar, tempestar, marejar, o poder da terra, do sol, da água, do mar, do fogo, de nós, das nossas mãos, dos nossos olhos e dos nossos úteros.

O silêncio é a supressão de algum ruído e em todo silêncio mora uma voz. Quando você não ouve a sua voz, o que você ouve? A voz dos pássaros, da brisa nas folhas, das ondas, você ouve essas vozes?

Nos nossos silêncios estão as vozes de nossos algozes. As vozes daqueles que falam de nós, por nós, sem nós. Nos calamos e ouvimos gritos, armas disparando, linhas de tradições seculares se arrebentando, gostas de sangue jorrando, o pranto da terra se deteriorando. Nossos silêncios são carregados de sons de vários tipos.

Determino que a parte de mim, todas que vieram antes de mim cuja dor atravessa gerações comigo e para todas as que virão depois, que esse ciclo estará rompido. Determino a cura pela voz. A voz de vocês. Chega de silêncios.

Grandes-mães, ancestrais, matriarcas, deusas, mãe-terra. Se todo silêncio tem voz, reivindicamos para nós silêncios onde as únicas vozes que nos permitimos ouvir são as vozes de vocês. E apenas esses.

You May Also Like

As feministas negras e as de cor diferente

Nossa negritude não pode ser escondida, e as feministas pretas não podem ser apenas feministas, um movimento só de mulheres brancas não representa toda a nossa necessidade, ao decorrer dessa nossa luta contra o poder que vem do pênis temos que parar e discutir o que é ou não racismo com feministas de outra cor ,e isso é retrocesso, enquanto fazemos isso os caras ensinam as meninas que umas são pra casar e outras para foder , e lá estamos nós no meio do caminho explicando as nossa parceira de luta que “ TUAS NEGA” é machismo e racismo junto.
Leia mais

Eu sou ela, ela sou eu

Eu escrevo aqui do alto dos meus 27 anos, jornalista com uma graduação concluída com louvor, endereço fixo, telefone conhecido e público, registro profissional regular e algumas dúzias de seguidores pelas redes sociais. Só que o que me faz escrever não são meus quatro anos de estudo em comunicação social, mas os meus 27 anos de vida na minha pele de mulher preta e periférica, moradora de uma grande, cruel e desigual metrópole brasileira, país racista e machista por seus anos de história desigual.