As alegrias de ser mulher negra

Cansada de tanta dor, tristeza e melancolia, resolvi falar das alegrias de ser mulher negra.

É bem verdade que, no nosso caso (e aqui falo em nós porque acho que represento algumas poucas vozes) tudo precisa ser feito em triplo: ser mais educada, mais polida, mais inteligente – pra provar que podemos ocupar os espaços que conquistamos.

A alegria de ser quem somos, de conhecer nosso passado e por ele mesmo conseguirmos dar a volta por cima. Assumir nossa negritude nos traz a felicidade de se reconhecer no outro e de poder estar feliz com nosso corpo, nossos traços, nossa originalidade. Mas, deixando de lado essas “minúcias”, há alegrias também: a de poder ver na simplicidade, na natureza e ser o reflexo de sua própria alegria. Apreciar o pôr-do sol e poder contemplar cada nascer da estrela, ouvir as crianças brincarem e sorrirem, ao mesmo tempo em que os pássaros cantam.

No ônibus, mesmo lotado, ver um sorriso generoso e uma palavra atenciosa dos trabalhadores na volta para casa.

Tudo isso pode ser até considerado um privilégio, se pensarmos no nosso povo privado de algumas dessas pequenas alegrias. Sim, ver o sol nascer é um privilégio! Apesar das nossas dores diárias, da violência e dos medos que nos assombram (de ser estuprada, do assédio nos lugares públicos, da perda de nossos filhos), ainda há alegria em nos cuidarmos, cultivarmos amor entre os nossos, poder ter orgulho dos nossos cabelos, enfim, poder desfrutar a cada dia de um pouco do que a vida (apesar de sofrida) tem pra nos dar.

E por fim, dizer que a nossa alegria, mesmo que tão sofrida, está em poder enxergar nos nossos uma outra alegria, cada nova vitória. Que a alegria de ser mulher preta nos circunde sempre e, como dizem as Pretas Candangas “por nós, por amor”.

Imagem de destaque – L’Express

You May Also Like

Gratidão Lupita Nyong’o

Não sei vocês, mas para mim, usar cores já foi difícil, houve um tempo em que usar um batom colorido era impossível, achava que as cores não combinavam com pele preta. O que pode parecer besteira, não é, essa minha insegurança (e acredito que seja de outras mulheres também) reflete o quanto nós, negras, infelizmente ainda sofremos com a falta de referências, essas que crescemos sem.

No rastro da pantera: a democracia da abolição e o black feminism de Angela Davis

Não é esse o modelo de direitos sexuais e reprodutivos que queremos. Se no período colonial as mulheres negras raramente podiam criar suas/seus filhas(os) pelas circunstâncias da escravidão, na contemporaneidade ainda padecemos do racismo institucional que reduz e precariza o acesso aos serviços públicos de saúde, levando ao alto índice de violência obstétrica e mortalidade materna.
Leia mais

Estética: Liberdades, Moda e Identidade

Ai é que eu afirmo que avançamos, mas ainda estamos num campo perigoso. Por que ser socialmente aceito como exótico, não é lá uma vantagem. É “menos pior” do que ser rejeitado, mas ainda não é uma liberdade plena conquistada. A moda afro ter avançado no mercado tem, no momento, que conviver com essa faca de dois gumes: sair de territórios demarcados para galgar uma universalidade, mas em contrapartida ainda não ser encarado com naturalidade: ser sempre a moda do OUSADO, do super fashion, do Cult, menos o traje de uma identidade afirmada.
Leia mais

A ditadura dos cachos comportados

Sejamos irmãs e tenhamos sensibilidade e senso crítico para lidar com as armadilhas do racismo. Não podemos cair no jogo sujo da “aceitação” racista, que visa apenas nos separar e manter o projeto colonial de aniquilação de nossa ancestralidade, por meio do apagamento de qualquer traço cultural ou fenotípico que remeta à África.
Leia mais

Racismo e saúde – Dia de Mobilização Nacional Pró-Saúde da População Negra

Não sou ingênua, sei que a saúde, em suas múltiplas expressões, não é diferente de todas as esferas sociais. Nela o racismo também aparece, de forma velada ou explicita, mas aparece. O que se trata aqui é de resgatar nossa dimensão humana, de afirmar nossa existência, nossa existência como sujeitos de direitos, como todxs somos.