Bem-vindos ao Espaço Senzala VIP!

Basta uma busca em qualquer desses sites buscadores pelo termo “Restaurante Senzala” e encontrará vários resultados. A versão paulista é famosa. Está aberto há desde a década de 70, se gaba o site do lugar, em pleno Alto de Pinheiros, bairro nobre paulistano. Encontrei também um em Ubatuba, outro em Boa Esperança – MG… Em comum, a banalização da nossa dor.
Fui passar as festas de fim de ano em Salvador. E dei de cara com isso a notícia da inauguração do Espaço VIP – que promete ser climatizado com ar-condicionado e vista da piscina para almoçar com tranquilidade.
Eu fiquei algum tempo sem conseguir digerir essas imagens e a notícia que um clube de associação de funcionários do Banco do Brasil, que representa o país, estaria em plena Bahia tripudiando da nossa história. Mas daí me recordei de onde estamos, afinal. E o quanto há de reparação real e de estudo do que foi, de fato, o tráfico negreiro, a manutenção de negros escravizados por mais de três séculos.
Claro, os responsáveis por essa lindeza são, como só poderiam ser, brancos. Provavelmente virá algum aqui me dizer que o cozinheiro/chef, os garçons, sei lá o designer que fez a logo é negro. Já viu mulher reproduzindo machismo e dizendo em alto e bom som que mulher nasceu mesmo pra ser submissa? Apois…
O que eu sinto é raiva, indignação. Estive no clube e haviam várias famílias negras lá, e eu com um incômodo que não descia, preso na garganta. Chorei, me indignei ainda mais com o ar de que o incômodo era só meu. Conversei com alguns, com meus pais inclusive. E, sem trazer nenhum consolo, o incômodo parece ser maior, mas no final das contas, não sabemos muito o que fazer. Cabe processo? Caracteriza como o quê? Vale fazer textão no Facebook e marcar os amigos? Eu fiz. E estou vindo aqui também.
O que me dá mais medo não é (só) a existência de bares e restaurantes chamados Senzala. É a não indignação. A sensação de que estamos acomodados e tão acostumados a vermos racismo todos os dias, que já não temos forças, pois parece que falamos só aos nossos. Para todos os lados vemos descaso.
Só gostaria de perguntar: se o espaço vip se chamasse Campo de Concentração, ele estaria funcionando?
Imagem: arquivo pessoal.
You May Also Like
Leia mais

Tipos ideais negros e a desconstrução de Joaquim Barbosa

tipo ideal, na concepção weberiana, refere-se a uma construção mental da realidade, onde o pesquisador seleciona certo número de característica do objeto em estudo, construindo um tipo que servirá como referencia. Nesse sentido pensemos: para a sociedade brasileira qual seria a idealização do homem negro? Engajado, politizado, intelectualizado, vencedor, casado (com mulher negra)? Ou, trabalhador, forte, sensual, com pouco estudo, morador da periferia? Talvez, desempregado, semianalfabeto, morador da favela e bandido? Quais parâmetros devemos seguir para pensar o negro no Brasil?

Por que isso não tem nada a ver com um corte de cabelo

Lamentável, pensei comigo, ver um autor ceder às pressões de racistas. Imediatamente pensei no menino, ao ouvir que iriam cortar seus cabelos, pois pessoas racistas haviam se incomodado com sua aparência. Imaginei como aquela pessoinha em formação receberia a mensagem (indireta?) de que, em um país como o Brasil, de igualdade racial, quando racistas mandam pular, a gente só pergunta quão alto. Como explicar àquele menino, que seria necessário consertá-­lo para que fosse aceito?