Blogueiras Negras, James Baldwin e o texto que me fez chorar

“Ninguém nasce mulher, torna-se mulher” (BEAUVOIR, 2016, p.11). Da mesma forma, apesar do fenótipo ou genótipo, não se nasce mulher negra, torna-se uma. O caminho é árduo, pois, como afirma Gomes (2005, p.43), “construir uma identidade positiva em uma sociedade que, ensina aos negros, desde cedo, que para ser aceito é preciso negar a si mesmo é um desafio”. 

Desse modo, o texto “As coisas só mudam quando a confrontamos”, escrito por Elaine Santos, foi gatilho para reviver e compreender várias emoções guardadas a sete chaves, principalmente o trecho da carta escrita por James Baldwin à Angela Davis, traduzida por Cassiano Terra Rodrigues para o Correio da Cidadania:  

“O triunfo americano – no qual sempre esteve implícita a tragédia americana – estava em fazer as pessoas negras desprezarem a si mesmas. Quando eu era pequeno, eu desprezava a mim mesmo; não sabia fazer melhor. E isso significava, embora inconscientemente, ou contra minha vontade, ou com grande dor, que eu também desprezava meu pai. E minha mãe. E meus irmãos. E minhas irmãs”

Lidar com algumas emoções não é fácil, doí muito. Porém, Elaine tem toda a razão: as coisas só mudam quando a confrontamos. Isso refere-se ao racismo, ao sexismo e à exploração de classe, mas também a nós mesmas. Porque lutar contra o racismo também é enfrentar a interiorização das dores que o preconceito racial produz nas pessoas negras. Sem enfrenta-las é impossível assumir a luta antirracista, pelo menos, é assim que funciona para mim. 

Nesse sentido, após ler o post da Elaine, conversei com a minha mãe sobre como não a considerava uma mulher bonita durante a minha infância. Ela riu e me disse que sabia que eu não me amava, mas não imaginava que eu sentia o mesmo por ela. Falei sobre o texto que tinha acabado de ler e expliquei que o “belo” é construído, assim como o feio. 

O belo é uma construção social, que é fortalecida pela sociedade e pela mídia. Durante a década de 1980, quando eu era criança, as mulheres loiras dominavam a televisão brasileira e, desse modo, a mulher negra era a sua antítese: a feia.

A construção e o fortalecimento da minha identidade de mulher negra transformaram completamente a minha visão de mundo, desconstruindo os estereótipos das pessoas negras e padrões hegemônicos de belo. Com isso, meus olhos apreciam a minha beleza. Não existe mulher mais linda que a minha mãe. 

Embasada em Munanga (1996), acredito que, para a construção e o fortalecimento das identidades negras positivas e plurais, é preciso valorizar a cor da pele e o cabelo afro, assim como a história, a cultura e as religiões africanas e afro-brasileiras. 

Bibliografia:

BEAUVOIR, Simone. O segundo sexo. Vol.2. A Experiência vivida. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2016.

GOMES, Nilma Lino. Alguns termos e conceitos presentes no debate sobre relações raciais no Brasil: uma breve discussão. In: BRASIL. Educação Anti-racista: caminhos abertos pela Lei federal nº 10.639/03. Brasília, MEC, Secretaria de educação continuada e alfabetização e diversidade, 2005. P. 39 – 62.

MUNANGA, Kabengele. As facetas de um racismo silenciado. In: Raça e Diversidade. São Paulo: Edusp/Estação, 1996.

You May Also Like

Política e afetividade: a importância das relações de irmandade na sobrevivência das mulheres negras

Se é verdadeiro que nada fazemos sós, qual é o papel dos grupos e coletivos na manutenção da existência saudável e verdadeira de suas/seus componentes? Penso que, se é necessário que se pense e atue em grupo para a existência dos coletivos, é também função coletiva apoiar, dar suporte e encorajamento às diversas necessidades pessoais apresentadas pelas pessoas que constroem e compõem essa coletividade. Vou me ater especificamente à necessidade de apoio afetivo nas relações de construção política entre mulheres negras.
Leia mais

Eu sou ela, ela sou eu

Eu escrevo aqui do alto dos meus 27 anos, jornalista com uma graduação concluída com louvor, endereço fixo, telefone conhecido e público, registro profissional regular e algumas dúzias de seguidores pelas redes sociais. Só que o que me faz escrever não são meus quatro anos de estudo em comunicação social, mas os meus 27 anos de vida na minha pele de mulher preta e periférica, moradora de uma grande, cruel e desigual metrópole brasileira, país racista e machista por seus anos de história desigual.
Imagem - Agência Apublica.
Leia mais

Aborto e ilegalidade: a violência do Estado contra as mulheres negras

É importante referenciarmos, que o Estado brasileiro, garante em sua constituição, o direito à vida e à saúde como inalienáveis, que não podem ser negados a ninguém, pela sua cor, raça, gênero ou orientação sexual. É dever então, do Estado Brasileiro, zelar pelo bem-estar de todos os seus cidadãos e também de suas cidadãs, atentando-se as demandas especificas de saúde possuída por cada grupo. Isto é que se chama de princípio da equidade, que a grosso modo pode ser resumido como, tratar os iguais como iguais e os diferentes como diferentes.