#BNcast 07 Martha Rosa Queiroz

O sétimo episódio da segunda temporada do BNcast conversa com Profª Martha Rosa: natural de Olinda, Martha Rosa Queiroz é historiadora pela UFPE, Doutora pela Universidade de Brasília e militante do Movimento Negro. Hoje, professora da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), Martha Rosa é também idealizadora do projeto Negritos que visa ser um lugar de memória da imprensa negra no Recife e em Salvador.

Este programa, assim como os anteriores são uma realização de Blogueiras Negras, Rádio Aconchego e Coletivo Cabelaço.Apoio – Fundação Heinrich Böll.

A história da imprensa negra está permeada de mulheres negras. É fato que temos um grande desafio posto: quase que como uma arqueologia, desvendar os nomes, os sobrenomes, os caminhos e passos daquelas que de longe vislumbraram futuros reais.

Inspiradas todas nas filosofias africanas de memória, ancestralidade e autonomia, nós conversamos com a Professora Doutora Martha Rosa Queiroz. Olindense, historiadora e militante, Martha Rosa nos oferece uma contação toda especial do que foram os anos de sua atuação junto a outras mulheres nos jornais do Recife da década de 70 e 80.

Ainda bem jovem, Martha Rosa inicia sua trajetória nos movimentos negros e feministas, justamente na época da redemocratização brasileira. Ouví-la é presenciar o passado com as mais ilustres figuras  recifenses: a também professora Inaldete Pinheiro, o poeta Pedro Américo e tantas outras companheiras citadas nesse podcast.

Como boa historiadora, a Prof Marta Rosa nos remonta aquele contexto e nos explica a efervescência do cenário do Recife e a profusão de movimentos culturais que também fizeram explodir mobilizações, articulações e sobretudo o surgimento de jornais como o Negritude, Negração, Djumbay, dentre outros. 

É com muito carinho, atenção e deslumbramento que convidamos vocês ouvintes a escutar esse audião, entendendo que parte desta história contada é também parte do legado de comunicação das mulheres negras que queremos registrar para todas nós, mulheres e homens negros. Desfrutem!

You May Also Like
Leia mais

Manifesto de repúdio às ações truculentas e descaso com relação às ocupações urbanas de Isidóro

Nós, Blogueiras Negras, manifestamos nossa profunda repulsa quanto ao tratamento do Governo do Estado de Minas Gerais dado às ocupações por moradia em Isidoro, região metropolitana de Belo Horizonte. Apenas nas ocupações Vitória, Esperança e Rosa Leão são 8.000 famílias, em sua grande maioria formada por mães solteiras e seus respectivos filhos, com uma média de 3 crianças por família. Pessoas cujo maior “crime” é sua própria existência, seu resistir diante de tamanha injustiça social. É demonstrar que a ocupação também pode ser uma política habitacional viável e muito mais justa do que os modelos institucionalizados.