CPI da Violência contra os Jovens Negros

Dia 4 de março de 2015 foi aprovada pela Câmara dos Deputados a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que visa investigar a violência contra jovens negros e pobres por todo o Brasil. Sabemos que desde o século XVI existe em nosso país a prática de extermínio da população negra. Legalizada. Autorizada. Perpetuada.

Há décadas (ou séculos?) o movimento negro brasileiro vem denunciando a política e a prática racista do Estado Brasileiro que, por meio de seus amplo poderes, tenta a todo custo aniquilar a população negra. Desde a chegada das primeiras comunidades africanas à política de branqueamento instalada no pós-abolição.

Desde então temos visto diversos mecanismos exercitados para concluir o extermínio negro. O principal deles é o sistemático casamento entre a nossa interdição nos espaços de direito público e  intenso treinamento do principal aparelho repressor desse Estado, cuja militarização vai na contra mão das demandas sociais: as polícias brasileiras são preparadas para matar pessoas negras.

No mapa da violência no Brasil 2015, publicado pela Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial – SEPPIR,  continuamos vendo o sucesso das investidas do Estado brasileiro: “se no período compreendido entre os anos de 1980 e 2012 a população teve um crescimento em torno de 61%, as mortes matadas por arma de fogo cresceram 387%, mas entre os jovens esse percentual foi superior a 460%. Em outras palavras, mais jovens morrem por armas de fogo, apesar da redução inicial provocada pela aprovação do Estatuto do Desarmamento. E a gravidade se torna ainda maior quando se sabe que, em sua maioria, são os jovens negros as vítimas dessa escalada. Racismo, violência e impunidade se associam na degradação do ambiente social brasileiro”, afirma Salete Valesan sobre o Mapa da Violência.

Ao andarmos pelas favelas e subúrbios do Brasil e ouvirmos os relatos de famílias diretamente atingidas vítimas por essa violência, é bem claro o cenário descrito acima. Desde os tempos do tráfico de pessoas africanas as famílias negras são fatiadas:  mães sem filhos, filhos sem pais, pais mortos. O ano de 2015 não traz nenhuma novidade quanto ao progressivo extermínio da população negra e jovem.

A CPI chega no avançado da hora, mas chega importante e esperançosa nos Estados. Até agora foram realizadas 13 sessões da CPI, entre audiências públicas e reuniões deliberativas. Participam dessas sessões a sociedade civil, a mídia, parlamentares e as corporações militares.

Estão programadas mais 7 sessões. A próxima será realizada em Belém (PA), dia 29 de junho e a última será dia 13 de julho no Recife (PE).

Sabemos que em algumas cidades as comissões correm o risco de contarem com representantes dessa sistemática execução negra. Sabemos que em algumas localidades os praticantes da política “todo negro é suspeito”-  com a qual esfacelam famílias negras brasileiras – estarão cara a cara com as famílias vitimizadas e com os movimentos negros.

É preciso que haja atenção e perspicácia da CPI para que dela não saiam ainda mais famílias miradas e alvejadas pelo genocídio da juventude negra no Brasil. Contamos com a seriedade da comissão e da presidência da comissão para que poupe a população negra desse eterno esfacelamento, que o Estado reconheça sua dificuldade em nos aceitar compondo esses 204 milhões de brasileiros.

Em tempo: nos restringimos a mencionar a violência por arma de fogo em razão da CPI, mas estamos igualmente de olho nas violências ocorridas nas escolas, nos hospitais, no judiciário, na iniciativa privada e todos os demais espaços por onde circula o racismo.

A imagem destacada foi retirada do Portal Cáritas.

You May Also Like
Leia mais

Outubro Rosa – Falar de câncer de mama também é falar de racismo

No exato momento em que escrevo, incontáveis mulheres negras estão em tratamento de um câncer de mama. Talvez você ou alguém próxima também esteja passando por uma situação parecida. Então, antes de mais nada, deixo aqui meus sinceros votos de sucesso. Que todas as mulheres, em especial as negras, que passam ou passarão pela doença sobrevivam. Sem racismo, com cuidado e acolhimento que todas precisamos nesse momento.