“Querem nos trancar novamente na senzala”, entrevista com Creuza Oliveira

Por Charô Nunes e Maria Rita Casagrande

Creuza Maria Oliveira é a presidente da Federação Nacional das Trabalhadoras Domésticas (FENATRAD) e foi a responsável pela idealização e aprovação da PEC das domésticas, projeto de emenda constitucional que formaliza o trabalho das empregadas domésticas no país. A emenda estende à categoria direitos trabalhistas que os demais trabalhadores já têm, como jornada de trabalho fixa, registro em CTPS, 13º salário, férias remuneradas e licença maternidade, entre outros.

Maria Rita Casagrande e Creuza Oliveira

Charô e Creuza

A PEC é histórica porque a maior parte dos trabalhadores domésticos no país é composta por mulheres negras. Formalizar o trabalho dessas mulheres é garantir condições dignas de trabalho e erradicar a exploração da mão de obra negra, inserindo um grande contingente de mulheres chefes de família na formalidade e garantindo direitos e segurança a elas e seus dependentes. A informalidade do trabalho doméstico é um resquício escravocrata que está, a duras penas, sendo transformado pelo trabalho árduo de pessoas como Creuza.

You May Also Like
Leia mais

Ser Negra 2014, vem que tem!

Foi nesse contexto de combate às discriminações de raça e de gênero e à dupla perversidade dessas discriminações quando atuam em um só corpo, o corpo negro feminino, que levou o Grupo de Pesquisas Culturais a organizar em novembro de 2012 o piloto da Semana de Reflexões sobre Negritude, Gênero e Raça do Instituto Federal de Brasília, que se repetiu em 2013 em uma edição significativamente ampliada.
Leia mais

Somos afrolatinas, elas, tu e eu: vem pro festival Latinidades 2014!

Conosco todas as mulheres negras do lado de cá do meridiano e tantas vezes acima dele, combatendo os mesmos problemas, as mesmas violências. Mais que isso, partilhando conhecimento, arte, cultura, culinária, modos de fazer. Falar sobre o Latinidades não poderia ser que não sobre a celebração desse pertencimento, com a mente voltada para a valorização da oralidade, aquela que torna possível que sejamos ao mesmo tempo nossa própria ancestralidade e o futuro, tudo aqui e agora. Que sejamos, como temos feitos desde tantos séculos, nós as primeiras a contar e escrever nossa própria História.