I Encontro Blogueiras Negras Salvador: We rock!

A sensação de felicidade, conforto, acolhimento e dancinha da alegria não sai do meu coração e eu não sei como estão os corações de vocês. Mas isso foi resultado do I Encontrinho Blogueiras Negras Salvador, que aconteceu no último dia 28 de março.

Depois de arrumar tudo num cantinho, querendo prever a quantidade e pensando na privacidade do encontro, fomos percebendo que tudo ia ser maior do que imaginávamos. Jovens mulheres negras foram chegando, da periferia e do centro e trazendo beleza, presença, ouvido e vozes ao nosso carinhoso encontro. Monique Evelle, do Desabafo Social, as meninas do Cacheando Salvador e tantas outras pretas power foram chegando e se aconchegando no espaço.

Encontrinho Salvador

Começando com um bate papo sobre Mulheres Negras e tecnologia, Celine Ramos que é publicitária e idealizadora do blog Sou Betina, junto com Geisa Santos também publicitária e agitadora cultural que dá aula de programação para meninas e meninos de Plataforma, iniciaram a conversa. A experiência de Celine com a comunidade de mulheres lésbicas através do blog foi trazida com contos e causos, histórias reais e bem humoradas, que incluem sua saga com as leitoras até o ingresso de sua mãe como colunista no blog. Geisa nos trouxe a necessidade de haver mais espaços para o aprendizado e domínio da tecnologia por parte das meninas negras periféricas, que tem acontecido aos poucos, mas já com bons resultados.

Encontrinho Salvador

Encontrinho Salvador

No segundo momento, a lindíssima Nathalia Rosa, poetiza que marca presença no Sarau da Onça, fez a leitura em voz alta do texto de Maria Rita Casagrande “Cuidando umas das outras para sermos perigosas juntas” e juntas partimos para a reflexão. Falamos dos feminismos, da luta das mulheres negras que nos antecederam, da necessidade de nos encontrarmos mais, dos nossos medos e conquistas. Rimos e choramos!

Logo depois entramos no papo cabeça sobre Mulheres Negras no Hip Hop, com a ilustríssima presença das Bgirls Arcanjo e Rafinha Conceição, pertencentes ao coletivo BSB.Girls (Brasil Style B.Girls) e da incrível produtora da Boom Clap Lisia Lira. As meninas relataram como surgiu a Crew, fizeram também um resgate histórico do nascimento do Breaking e contaram sua experiência, dificuldades e vitórias no movimento Hip Hop. Lisia nos falou da sua força e resistência num meio tão cheio de homens, onde há uma competição natural e uma vontade de vencer imensa. Foi muito bom ouví-las e aprender como é ser mulher negra nesse espaço. Por fim, saímos com uma proposta de um novo encontro para o mês de maio e com a sensação de que estamos mais fortalecidas! Mais unidas, mais presentes na vida umas das outras. Salvador, a Roma Negra, tem agora mais pretas se encontrando por aí e dividindo suas impressões, suas dores e amores.

As pretas ganharam bottons Blogueiras Negras por 365 Store e ainda tem mais surpresa: a loja Afreeka, parceira firmeza e que fechou com a gente, nos presenteou com camisas femininas que serão sorteadas em breve para as manas que participaram. Abraços e agradecimentos findaram o nosso primeiro de muitos encontros. E mais agradecimentos especiais e cheios de amor para Maria Teresa Ferreira, para Rangell Afreeka e para Nênis Vieira.

Dedicamos tudo isso a Charô Nunes, idealizadora-mor das Blogueiras Negras.

Pretas, como disse bem Michelle Obama: WE ROCK!

Encontrinho Salvador Encontrinho Salvador Encontrinho Salvador Encontrinho SalvadorEncontrinho Salvador Encontrinho Salvador Encontrinho SalvadorEncontrinho Salvador Encontrinho Salvador Encontrinho Salvador Encontrinho Salvador Encontrinho Salvador Encontrinho Salvador

Encontrinho Salvador

Encontrinho Salvador Encontrinho Salvador Encontrinho Salvador

Imagem destacada: Créditos, Celine Ramos e Geisa Santos.

You May Also Like
Leia mais

As griotes da Diáspora Negra. Relato do Latinidades 2014.

Reverência às irmãs Pretas Candangas e a Griô Produções. Mulheres negras de luta que concretizaram aquilo que antes era apenas uma sonho para muitas. Uma possibilidade que agora é uma realidade palpável de mudança e empoderamento. Durante esses dias tivemos amor, compartilhamos lutas e projetos. Mais uma vez possibilidades que, como disse uma companheira, falam de uma ancestralidade nova e ao mesmo tempo antiga. Obrigada a todas as mulheres da organização, palestrantes e da audiência. Essa é uma experiência de vida que será por nós sempre lembrada com todo carinho e afeto.
Leia mais

Negro gaúcho. Memória farroupilha ou lanceira?

O escravo gaúcho, no campo, normalmente se dividia em dois grupos: o da charqueada e o campeiro. A lida de um escravo campeiro, em geral, não era tão ”penosa” como nas charqueadas, visto que se trabalhava a cavalo e entre poucas pessoas. Essa função era vista como perigosa pois a estes cativos eram entregues instrumentos de trabalho e andavam a cavalo sem nenhuma vigilância. Isso reforça o mito de que a escravidão no RS tenha sido mais branda, pois nas charqueadas e nas fazendas cafeicultoras e açucareiras, não se encontrava escravos com tais níveis de “liberdade”, no entanto não há um consenso entre os historiadores a respeito da participação do escravo na atividade pastoril.