Me Gritaron Negra e o grito que ecoa em todas nós

A artista afroperuana, responsável pela criação da companhia de dança Teatro y Danzas Negras, Victoria morreu aos 91 e deixou um legado de luta e inspiração para todas as gerações. Seu grito ecoa dentro de cada mulher negra. Victoria Santa Cruz vive!

Não a conheci, mal conheci a sua história assim como de tantas outras negras guerreiras que lutaram e resistiram através da arte, das ruas, das instâncias acadêmicas, políticas, sindicatos e tantos outros espaços sociais onde a disputa e a luta antirracista deve se fazer presente.

Os livros de história na escola nos privaram de conhecer as mais belas histórias e organizações das nossas guerreiras antecessoras, no combate a escravidão não lemos sobre Dandara ou sobre Teresa de Benguela, a televisão então, essa não há o que esperar! O local do negro como sendo um espaço subalternizado está cristalizado nas mídias hegemônicas. Invisibilizaram a história das nossas Neusa do Santos, Lélia Gonzales, Alzira Rufino, bell hook, Audre Lorde, Sueli Carneiro e tantas outras mulheres que tecem e teceram a nossa luta por garantia de direitos. Nós, mulheres negras e jovens não tivemos a oportunidade de conhecer ao longo da nossa vida essas trajetórias que nos acalentam até buscarmos os espaços de militância.

O famoso vídeo da peruana Victoria Eugenia Santa Cruz Gamarra ‘Me Gritaron Negra’ mexe com a gente em todos os sentidos, é possível saber exatamente que sentimento é aquele, de quando ainda criança somos expostas e apontadas como ‘uma coisa ruim’, na minha época a música cantarolada pelas outras crianças era ‘negra preta do suvaco fedorento rala a bunda no cimento pra ganhar mil e quinhetos’. Diante da ausência completa de referências positivas nas televisões, nas revistas infantis e juvenis, como crescer sem sentir sua autoestima ser mutilada todos os dias? Como não sentir dor quando nos gritavam negra?

O processo de reconhecimento, do tornar-se negra é doloroso, e cheio de insegurança. Quando ao acordar enxergamos um inimigo no espelho, não aceitar a forma disforme do nosso cabelo, o rosto que nunca é destaque na revista Claudia e a cor que carrega infinitas experiências. Ao nos enxergar, enxergamos a nossa dor e recuamos assim como no poema de Victoria, onde o sentimento de desconfiança e pesar faz morada.

Quantas meninas e adolescentes negras queimam seu coro cabeludo todos os dias para colher sorrisos e palavras de aprovação? Ou para passarmos despercebidas pelos racistas? Sabemos que isso nunca adiantou, só nos manteve nesse eterno limbo, onde não conseguimos ser o que éramos e nem seremos mulheres brancas, porque negra é o que somos.

“Alisei o cabelo, Passei pó na cara, e entre minhas entranhas sempre ressoava a mesma palavra Negra! Negra! Negra! Negra!Negra! Negra! Neeegra!”

Mas somos muitas espalhadas por aí, e quando uma mulher negra estende a mão para outra, quando nos reconhecemos em nossas companheiras, o sentimento de orgulho e coragem consegue se sobrepor a qualquer outro que possa nos fazer esmorecer.

“Até que um dia que retrocedia , retrocedia e que ia cair Negra! Negra! Negra! Negra!Negra! Negra! Negra! Negra!Negra! Negra! Negra! Negra! E daí? E daí? Negra! Sim Negra! Sou Negra!Negra Negra! Negra sou! Negra! Sim Negra!Sou”

A artista afroperuana, responsável pela criação da companhia de dança Teatro y Danzas Negras, Victoria morreu aos 91 e deixou um legado de luta e inspiração para todas as gerações. Seu grito ecoa dentro de cada mulher negra.

Victoria Santa Cruz vive!

*Com trechos traduzidos do poema Me Gritaron Negra de Victoria Santa Cruz

 Imagem: http://utero.pe/

You May Also Like
Leia mais

Eu sou ela, ela sou eu

Eu escrevo aqui do alto dos meus 27 anos, jornalista com uma graduação concluída com louvor, endereço fixo, telefone conhecido e público, registro profissional regular e algumas dúzias de seguidores pelas redes sociais. Só que o que me faz escrever não são meus quatro anos de estudo em comunicação social, mas os meus 27 anos de vida na minha pele de mulher preta e periférica, moradora de uma grande, cruel e desigual metrópole brasileira, país racista e machista por seus anos de história desigual.