Mulher negra e genocídio: a necessidade de um recorte de gênero

Em outubro de 2016 Kimberle Creenshaw, feminista negra que cunhou a expressão interseccionalidade no final dos anos 80, dissertou em uma de suas palestras a respeito do apagamento que mulheres negras sofrem mesmo quando o assunto é a morte de pessoas negras.

Em um breve experimento testou quantos da plateia reconheciam o nome de jovens negros assassinados e a invisibilidade de mulheres negras também vítimas desse projeto de extermínio, ficou evidente.

Claudia Ferreira 1976- 2014

Em meados dos anos 1970, os estudos dirigidos por Abdias do Nascimento e Clovis Moura preconizaram o que mais tarde números aterradores viriam a confirmar, o genocídio da população negra como um projeto de extermínio,

De acordo com a CPI do Senado sobre o assassinato de jovens negros, por ano são assassinados 23.100 jovens negros no Brasil em que do total dos homicídios cometidos, 77% das vitimas são jovens pretos e pardos.

Sandra Bland 1987 -2015

É recorrente notar o processo de invisibilização que mulheres negras vem sofrendo em pautas globais, debatidas há anos pelo movimento negro brasileiro e internacional.O encarceramento massivo e o próprio projeto de extermínio da população negra são exemplos de debates que por vezes desconsidera- se o recorte de gênero

Por diversas vezes os grupos e organizações do movimento negro caem no erro de reduzir a pauta sobre o genocídio ao assassinato de jovens negros do sexo masculino, é bem verdade que a maioria esmagadora dos assassinatos refere- se aos homicídios cometidos contra homens negros na faixa etaria dos 15 aos 29 anos. No entanto é preciso lançar um olhar mais atento as mulheres negras que também são vitimas desse extermínio, motivados pela intersecção de raça, classe e gênero.

Luana Barbosa dos Reis – 1981-2016

É sabido e constantemente pontuado pelos movimentos de mulheres negras o local de violência ao qual mulheres negras foram e permanecem sujeitas. A objetificaçao, a hipersexualizacao, o preterimento a subalternidadade enquanto mulher, agressões implicitamente motivadas a construção de gênero.

O mapa da violência contra a mulher publicado em 2015 indicou que de 2003 a 2013 o número de assassinatos cometidos contra mulheres negras aumentou 54%, indicando que somos o grupo mais exposto.

O sexismo o racismo e o classismo, nos coloca na base da pirâmide social uma vez que quando se encontram, essas opressões potencializam nosso grau de exposição as mais suscetíveis violências simbólicas e físicas.

Além do extermínio direto, mulheres negras configuram o grosso do alto percentual de mulheres presas, um fenômeno mundial. Assim como no Brasil, a Lei de Drogas dos Estados Unidos, país com a maior população carcerária do planeta, também promoveu o crescimento do número de mulheres detidas sob acusação de tráfico de entorpecentes. No caso norte-americano, a quantidade de encarceradas aumentou 800% nos últimos 30 anos.

Em uma pesquisa realizada no estado de São Paulo, divulgada pelo portal Justificando, apurou-se que 63% das mulheres presas têm entre 18 e 30 anos, sendo 66% delas pretas ou pardas. Um outro levantamento feito pelo Jornal Nexo, verificou-se que, em presídios femininos, o percentual de presas por tráfico de drogas é de pouco mais de 62%. Enquanto isso, o número de homens detidos chega a aproximadamente 25% do total das prisões. Ou seja, guerra às drogas também tem encarcerado e assassinado mulheres jovens e negras, fato que torna as questões de raça e gênero elementos centrais nas discussões sobre o tema.

Maria Eduarda Alves Ferreira

Enquanto sujeitas localizadas no cruzamento de diversas opressões, permanecemos invisíveis até mesmo nos grupos nos quais agenciamos. Como bem concluiu Creenshaw, é necessário que ao denunciarmos esse apagamento, destaquemos esse cruzamento de opressões para que não soframos ainda mais em isolamento.

 

Referências:
Mapa da violência contra a mulher- 2015
Kimberle Crenshaw – A urgência da interseccionalidade – TED 2016
Jornal Nexo – Qual o perfil da população carcerária brasileira -2017.
Imagens: Reprodução web

You May Also Like

Sound of da Police – O som da polícia

After 400 years, I’ve got no choices! 400 anos mais tarde eu não tenho escolha! My grandfather had to deal with the cops Meu avô tinha ade lidar com policiais My great-grandfather dealt with the cops Meu bisavô tinha de lidar com policiais And then my great, great, great, great… when it’s gonna stop?! O meu tataravô … quando isso vai acabar?
Leia mais

Ah, sim, dentro da caixa? Uma banana!

Mas eu nasci machista? Não. Ninguém nasce machista. Antes eu era até bem crítica. Eu posso ir até onde minha memória consegue se lembrar de quando eu era criança, e dizer que nem sempre minha visão foi assim esquisita. Ela foi moldada por uma concepção machista não só de mulher, mas de ser humano mesmo. Eu sentia calafrios quando alguém, mecânica e originalmente, completava com um infame “cravo e canela?” quando eu respondia que meu nome era Gabriela. A parte de mim que se encantava momentaneamente por ser comparada a uma personagem de novela sorria e dizia, meio sem graça, “sim!”.