#NãoSomosMacacos

O futebol sempre foi um dos esportes onde as reações e emoções se sobrepõem a ética, ao respeito ao outro. A violência parece fazer parte do esporte que é a paixão de muitos e que terá, esse ano, nosso país como sede do maior evento esportivo da modalidade. Ela se manifesta dentro e fora dos campos, num país onde famílias são removidas e corpos são arrastados pelas ruas como se fossem sacos de lixo. Ainda assim, muito permanecem insensíveis. De certo se beneficiam consciente ou inconscientemente desse estado de coisas. Outros felizmente protestam.

E é nesse clima de fúria que vemos se repetir, se não inusitada, a cena mais ridícula que se podia ver: a torcida do Barcelona arremessa durante o jogo uma banana no campo. Como se fosse um filme, o jogador a quem foi destinada a fruta, Dani Alves, descasca e come a banana.  Mais tarde explicaria seu gesto defendendo a ideia de que não ligar faz com que o racismo seja amenizado, bem à moda Morgan Freeman.
Para piorar o que já era muito ruim, uma agência de publicidade criou a hedionda campanha #SomostodosMacacos que está em reprodução por alguns que se dizem ou se pensam aliados da luta antirracista.

E em meio a esta bananada e marmelada, as Blogueiras Negras, junto com toda a comunidade de mulheres negras convoca e reage: #NÃOSOMOSMACACOS! Não queremos nem permitiremos ser rotulados com esse que é o gesto racista mais chulo e ignorante, mesquinho e ridículo.

 

Queremos punições reais: torcedores punidos, mandos de campo perdidos, leis e ações contra o racismo no esporte, racismo institucional e veiculado por esses que se dizem ícones da tv brasileira.

#NÃOSOMOSMACACOS e não precisamos de bananas!
Lutaremos por direitos, liberdade, visibilidade e dignidade.

You May Also Like

Sociedade capitalista, racismo e sexismo: a importância da autocrítica feminista

Nas décadas de 1970 e 1980 feministas negras como Angela Davis, bell hooks e Lélia Gonzalez já apontavam que a luta antirracista é indissolúvel da luta de classes. A recusa de feministas em reconhecer outras experiências de mulheres (que não as brancas, universitárias e de classe média) suprimiu a conexão entre raça e classe, escamoteando a situação de privilégio de um seleto grupo de mulheres forjado pelo discurso da “opressão comum”.
Leia mais

Nota de repúdio ao posicionamento da faculdade Zumbi dos Palmares sobre o Sexo e as Nega

Sustentar que a crítica de mulheres negras tem a ver com pura emoção é a defesa de que não somos capazes de construir uma avaliação perspicaz, astuta e concreta de uma realidade que diz direito apenas a nós mesmas e não a homens negros. E o nome disso é machismo. Nós temos voz e argumentos, exigimos que sejam respeitados, acolhidos e não brutalmente silenciados como tem sido prática histórica de alguns setores do movimento negro, que nos preferem caladas.
Leia mais

Bem vindos ao Brasil colonial: a mula, a mulata e a Sheron Menezes

Sim, sabemos que 125 anos se passaram e a escravidão acabou, porém as suas práticas continuam bem vindas e são aplaudidas por muitos de nós na novela das nove e no programa do Faustão, “pouco original, mas comercial a cada ano”. No tempo da escravidão, as mulheres negras eram constantemente estupradas pelo senhor branco e carregavam o papel daquela que deveria servir sexualmente sem reclamar, nem pestanejar e ainda deveria fingir que gostava da situação, pois esse era o seu dever. Hoje nós, mulheres negras, continuamos atreladas àquela visão racista do passado que dizia que só servíamos para o sexo e nada mais.