#NãoVaiTerGolpe – Nota Blogueiras Negras contra o golpe e pela liberdade

Os últimos tempos têm sido tenebrosos. Assistimos estarrecidos, desde o início dos mandatos do legislativo e executivo deste país, a investidas retrógradas e estrategicamente elaboradas por políticos da bancada BBB (Bíblia, Bala e Boi).

Estamos vendo ser violados sem nenhum escrúpulo nossos direitos conquistados com muita luta, suor e resistência. Desde a tentativa – com sucesso – da retirada do termo gênero dos planos de educação em diversos estados, passando pela aprovação do Projeto de Lei 5069 (que tenta praticamente extinguir o aborto legal no Brasil) até a investida contra a nossa juventude negra com a discussão e posterior tentativa de aprovação do Projeto de Lei 171 pela redução da maioridade penal.

Temos o congresso mais conservador e fundamentalista desde o fim da ditadura. Os deputados que ajudamos a colocar no parlamento brasileiro dão um show de machismo, racismo e transfobia, ignorando princípios democráticos e de direitos quando ameaçaram estuprar mulheres, tratam a outros deputados com racismo, agridem manifestantes. Ferem o princípio de laicidade do Estado, tentando trazer para dentro das instituições públicas leis baseadas em pensamentos judaico-cristãos e ignorando o fato de sermos um país diverso no que diz respeito a prática da religiosidade.

Tais atos, capitaneados pelos que se dizem “cidadãos de bem” e “representantes da lei”, reforçam a violência, o ódio e a intolerância principalmente contra as religiões de matriz africana. Continuamos tendo nossos templos atacados, queimados, sendo desrespeitados nas nossas práticas e filosofias.

Quem são os que defendem os nossos interesses? Quem são aqueles que nos representam?

Ratos que se aproveitam da ignorância do povo. Hipócritas que usam de prestígio e notoriedade entre os seus para acordos mesquinhos, ilícitos, em que nada de bom e justo é garantido ao povo. À essa corja que acredita que estamos cegos, desarticulados e de braços cruzados, deixamos nosso recado:

#FORACUNHA

Nós, mulheres negras, continuamos a morrer todos os dias de Salvador ao Rio Grande. O mapa da violência só aponta o óbvio: somos as que morrem mais. Nos hospitais morremos sem atendimento digno, seja por parto ou aborto. As que continuam ignoradas nos presídios femininos, abandonadas por maridos e família; somos as que que ganham menos, as empregadas domésticas mal remuneradas e as que estão nas triplas jornadas de trabalho.

Nossos filhos, irmãos, pais continuam a ser executados sem nenhum pudor pela polícia, pela milícia e com o aval do Estado.

Estamos fartas de contar nossos mortos e olhar nosso passado que tem tão poucas vitórias e avanços: todas medidas reparatórias estão longe dos nossos desejos ancestrais. Esse Estado nos deve até a alma e não descansaremos enquanto a reparação não for completa.

Por tudo isso repudiamos os recentes ataques ao direitos sociais e civis de mulheres negras, trans e cis, da população preta e pobre desse país. Resistiremos às investidas dos fascistas e racistas contra nossa dignidade e bem viver. Denunciamos o Estado machista e misógino que insiste em deslegitimar a gestão de uma mulher no poder – eleita de maneira democrática e legal – atacando-a em sua dignidade, imputando-lhe os adjetivos mais nojentos e machistas que se pode haver.

Exigimos a destituição do Sr. Dep. Eduardo Cunha da Presidência do parlamento brasileiro, visto que são obvias as suas ligações com crimes como sonegação de impostos, recebimento de propina e lavagem de dinheiro. Clamamos pela sua caçassão e afastamento das atividades como legislador e político, já que sua conduta e prestação destes serviços tem atentado contra os direitos do povo – principalmente das mulheres, negros e pessoas LGBTT.

Exigimos que o parlamento brasileiro legisle em nosso favor, aprovando leis que garantam nosso acesso aos direitos básicos e permitindo que nós mulheres, negros e pessoas LGBTT’s tenhamos a nossa dignidade respeitada, como versa a constituição.

Não permitiremos mais que avancem o machismo, a misoginia, a transfobia e o racismo nas instituições públicas, sejam elas quais forem.  

Sairemos para as ruas, ocuparemos as escolas, tomaremos as comissões legais e os locais de representação para gritarmos basta ao abuso de poder, basta o nosso genocídio e a negligência do Estado em nos deixar agonizar.

Por fim, nos posicionamos contra o golpe arquitetado pelos políticos acéfalos e pelas mídias hegemônicas. Golpe ilegítimo, burro e sem fundamento, já que legalmente suas provas não garantem a destituição do poder da presidenta da república. Entendemos que essa manobra é sintomática, pois a direita conservadora se nega a aceitar as eleições de 2014 – legítimas e democráticas – que permitiu a permanência da primeira mulher a governar este país.

Reiteramos nosso laço com a luta das mulheres negras, trans e cis, reforçando que continuaremos em marcha, ocupando e empoderando as nossas no objetivo de ter uma sociedade sem racismo, machismo ou nenhuma outra fobia. Não mais permaneceremos caladas – Vivas ou mortas, jamais escravas!

You May Also Like
Feminismo Negro
Leia mais

Luíza Mahin: o feminismo negro e o mito

Considerada uma das figuras de maior representatividade na memória do movimento negro, Luíza Mahin – mãe do poeta, advogado e abolicionista Luiz Gama – teria sido uma das líderes do Levante dos Malês, bem como participado de inúmeras revoltas de escravos ocorridas em Salvador nos anos de 1830. Luíza Mahin tem sido exaltada como referencial de luta pelo Feminismo Negro, que lhe tem dedicado homenagens diversificadas nas últimas três décadas, sendo portanto o principal responsável por sua difusão e manutenção no imaginário afrobrasileiro. Como forma de propagar a figura de Luíza Mahin, o Feminismo Negro utilizou inúmeros recursos, entre eles a literatura através de poesias publicadas nos Cadernos Negros e mais recentemente do romance Um defeito de Cor (2006) de Ana Maria Gonçalves. A primeira menção a Luíza Mahin foi feita na carta autobiográfica de Luiz Gama datada de 1880. Em 1933, Pedro Calmon publicou o romance Malês a insurreição das Senzalas situando Luíza Mahin como protagonista da Revolta dos Malês condição pela qual ela passou a ser reconhecida.