O crime inclui quando o Estado exclui

No último dia 17 de junho, sob protestos, uma comissão especial de deputados que analisa a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) da maioridade penal aprovou um documento que prevê que jovens entre 16 e 18 anos que tenham cometido crimes hediondos, homicídio doloso, roubo qualificado e lesão corporal grave seguida de morte possam ser responsabilizados criminalmente por seus atos. Com esta aprovação, a PEC seguiu para a votação no Congresso. E hoje, dia 30/06 deve ter inicio a sua votação às 17 horas. Segundo o Presidente do Congresso, a PEC só sairá de pauta quando for votada integralmente.

A aprovação desta emenda constitucional pode ser um dos principais retrocessos na história recente do Brasil. Afirmo isso especialmente por que sou mulher e preta e quando analiso brevemente as motivações que levam esta PEC a ser votada em regime de urgência vejo que a juventude brasileira, especialmente preta e pobre, tem cada dia menos possibilidade de viver dignamente. A política de extermínio do povo negro busca embasamento na lei para se aprofundar.

Para chegar a esta conclusão, basta observarmos o quão falaciosos são os argumentos que dos defensores da redução da maioridade penal. O principal argumento do Relator da PEC, o deputado Laerte Bessa (PR-DF), é que o jovem que comete crime apenas o faz por que acredita na impunidade. Mas, é necessário destacar que o jovem infrator no Brasil não fica “impune” quando comete um crime, afinal o Brasil já responsabiliza menores infratores a partir dos 12 anos. De acordo com o delito cometido, o menor é julgado pelo Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) e, quando for o caso, levado a centros de detenções próprios para menores.

Na verdade, o objetivo é aumentar a “punição” ao adolescente. E mais uma vez vamos olhar para a realidade para verificar que o aumento da punição não tem como resultado a diminuição da criminalidade. O sistema carcerário brasileiro não tem medidas efetivas de ressocialização. Prova disso é que o índice de reincidência ao crime de presos no Brasil de chega aos 70%, os menores punidos pelo ECA tem reincidência de 20% somente. Além disso, segundo o site Pragmatismo Político, “nos 54 países que reduziram a maioridade penal não se registrou redução da violência. A Espanha e a Alemanha voltaram atrás na decisão de criminalizar menores de 18 anos. Hoje, 70% dos países estabelecem 18 anos como idade penal mínima.

Para, além disso, questionamos: Por que essa caçada desenfreada a adolescentes, já que apenas 0,5% dos homicídios e tentativas de homicídio no Brasil são cometidos por menores? Que tipo de país coloca em regime de urgência uma votação para encarcerar mais pessoas enquanto se engavetam projetos como a PEC 51, que desmilitariza a Polícia? Por que não priorizam a PL 4.471/12 que acaba com os autos de resistência? Sabendo que o sistema carcerário no Brasil não vai contribuir para a reinserção dos jovens na sociedade, segundo relatórios de entidades nacionais e internacionais, por que optar para aumentar a punição desta juventude? É aí que vemos que há um pano de fundo bem conhecido para nós povo preto: o racismo!

Vamos olhar o perfil de que quem comete a maioria dos delitos no Brasil. O perfil do preso brasileiro se mantém há anos entre os jovens, pretos e de baixa escolaridade. Ou seja, o aumento do encarceramento tem um endereço: a casa dos pretos e pobres! O recado que o Estado dá a nós é: “não temos políticas públicas para vocês! O destino de vocês já está traçado.” Ou seja, esta PEC é mais uma medida racista, de limpeza étnica promovida pelo Estado!

Utiliza-se, mais uma vez no Brasil, a via da biologização para explicar por que um jovem está no crime, justificar o racismo e a falta de políticas públicas para as populações em vulnerabilidade. Não se consideram quais são as condições de vida desses jovens, a história de destruição física e moral do povo preto no Brasil. Muito menos se consideram quais os agravantes sociais que leva um jovem a se familiarizar com o crime a ponto de ele fazer parte de seu cotidiano, ou mesmo ser algo tão banal quanto ir à padaria. Quem defende esta PEC, no fundo, afirma, que criminoso já nasceu criminoso, não adianta a implementação de políticas públicas de educação, esporte, lazer, saúde. Não adianta promover políticas sociais, por que criminoso nasceu criminosos. Considerando que a maioria dos criminosos são negros, então o povo preto com maiores tendências ao crime. É como dizer aos jovens pretos que eles nasceram com a índole para o crime e o quanto antes forem isolados da sociedade, melhor.

Por isso, para nós, pretos e pretas, a votação da PEC da maioridade penal não é um fato isolado. Está em um contexto. Um contexto de extermínio sistemático do nosso povo, de branqueamento e criminalização da pobreza, promovidos na história do Estado brasileiro. Não é uma luta menor. Estamos falando da luta pela vida das próximas gerações. É uma luta que não começou hoje e que não terminará amanhã. Por que somos atacados, mas estamos erguidos para evitar retrocessos e conquistar avanços.

Nenhum passo atrás!

Contra a redução da maioridade penal!

Queremos emprego, educação, saúde, lazer e arte!

 

A Imagem destacada é do cartunista Carlos Latuff

You May Also Like
Leia mais

28 de setembro, Cortejo da Mulher Negra Morta em Aborto Clandestino – Ato pela legalização do aborto – São Paulo

Nós, feministas autônomas e organizações feministas, convidamos a todas as mulheres e lésbicas a participarem do “Cortejo da mulher negra morta em aborto clandestino”, onde velaremos o corpo que representa todas as clandestinas que abortaram e morreram, desapareceram, foram maltratadas, extorquidas e julgadas. Nosso clima é de LUTO quando nossos direitos são moeda de troca. Portanto, pedimos que venham vestidas com uma roupa que represente luto.

Sound of da Police – O som da polícia

After 400 years, I’ve got no choices! 400 anos mais tarde eu não tenho escolha! My grandfather had to deal with the cops Meu avô tinha ade lidar com policiais My great-grandfather dealt with the cops Meu bisavô tinha de lidar com policiais And then my great, great, great, great… when it’s gonna stop?! O meu tataravô … quando isso vai acabar?
Leia mais

Ah, sim, dentro da caixa? Uma banana!

Mas eu nasci machista? Não. Ninguém nasce machista. Antes eu era até bem crítica. Eu posso ir até onde minha memória consegue se lembrar de quando eu era criança, e dizer que nem sempre minha visão foi assim esquisita. Ela foi moldada por uma concepção machista não só de mulher, mas de ser humano mesmo. Eu sentia calafrios quando alguém, mecânica e originalmente, completava com um infame “cravo e canela?” quando eu respondia que meu nome era Gabriela. A parte de mim que se encantava momentaneamente por ser comparada a uma personagem de novela sorria e dizia, meio sem graça, “sim!”.