#LiveBN Projetando nossos corpos

É com muita alegria que nós as Blogueiras Negras vamos conversar sobre um dos assuntos que faz a nossa cabeça – Arquitetura.

E o que fez a gente pensar nessa troca foi o concurso do Concurso de Co-Curadoria para a 13ª Bienal Internacional de Arquitetura de São Paulo, que foi vencido pela equipe Travessias, com a participação de três mulheres negras de diversas áreas do conhecimento: Carolina Piai Vieira, Raíssa Albano de Oliveira e Louise Lenate Ferreira da Silva

A proposta da equipe fala sobre “os tecidos urbanos das cidades brasileiras são estruturas marcadas pela fragmentação, descontinuidades e simultaneidades tanto físicas, como simbólicas.”  Afirmando que “as origens destes tecidos estão enraizadas aos violentos processos de colonização e pela transferência das conformações de desigualdades e apagamentos para as cidades.”.

Sua proposta é “a possibilidade de atravessamento pela imensa colcha de retalhos brasileira representa tanto o compartilhamento de urbanidades possíveis, como a oportunidade de reinterpretação de memórias coletivas ancestrais.” 

Quer saber mais? Vamos falar sobre isso e muito mais. 

Serviço

Dia 26 de maio de 2021, às 17h00, no insta das Blogueiras Negras.

Nossas convidadas

Carolina Piai Vieira é co-curadora da 13a Bienal Internacional de Arquitetura de São Paulo, atua como pesquisadora do coletivo Cartografia Negra e como educadora no PODHE (Projeto Observatório de Direitos Humanos em Escolas), do Núcleo de Estudos de Violência da USP. Graduou-se em Jornalismo na PUC-SP e tem formação complementar do Centro de Estudos Africanos da USP. Foi repórter na ARTE!Brasileiros e na Revista Vaidapé.

Raíssa Albano de Oliveira é mulher preta, antropóloga e educadora, mulherista africana com formação complementar nas áreas das artes plásticas, fotografia e filosofia. Sua pesquisa procura desenvolver caminhos para a educação em relação aos povos da diáspora africana, cidades e subjetividades poéticas. É idealizadora e pesquisadora do Coletivo Cartografia Negra. É monitora da pós-graduação Cidades em Disputa da Escola da Cidade.  

Louise Lenate Ferreira da Silva é graduada em arquitetura e urbanismo pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAUUSP), pesquisadora de relações raciais no Laboratório de Estudos de Raça e Espaço Urbano (LabRaça) da mesma instituição e atuante no campo de patrimônio cultural através da Vila Maria Zélia. Foi estagiária do Departamento do Patrimônio Histórico da Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo (DPH) e integrou o programa de Visitas Patrimoniais do Sesc Pompéia como educadora patrimonial. É amante da música, da rua e das memórias, incorporando sua pesquisa sonora em suas leituras sobre os espaços vivenciados.

You May Also Like
Leia mais

As griotes da Diáspora Negra. Relato do Latinidades 2014.

Reverência às irmãs Pretas Candangas e a Griô Produções. Mulheres negras de luta que concretizaram aquilo que antes era apenas uma sonho para muitas. Uma possibilidade que agora é uma realidade palpável de mudança e empoderamento. Durante esses dias tivemos amor, compartilhamos lutas e projetos. Mais uma vez possibilidades que, como disse uma companheira, falam de uma ancestralidade nova e ao mesmo tempo antiga. Obrigada a todas as mulheres da organização, palestrantes e da audiência. Essa é uma experiência de vida que será por nós sempre lembrada com todo carinho e afeto.
Leia mais

Ser Negra 2014, vem que tem!

Foi nesse contexto de combate às discriminações de raça e de gênero e à dupla perversidade dessas discriminações quando atuam em um só corpo, o corpo negro feminino, que levou o Grupo de Pesquisas Culturais a organizar em novembro de 2012 o piloto da Semana de Reflexões sobre Negritude, Gênero e Raça do Instituto Federal de Brasília, que se repetiu em 2013 em uma edição significativamente ampliada.
Leia mais

Transgredir

O que nos distingui é que hoje vi pessoas que vivem “a dor e a delicia de ser quem são” com a maturidade de quem se aceita e assim aceita suas limitação e não se permite paralisar por elas e mais alimenta com o adubo do Amor as muitas possibilidades que suas potencialidades fazem brotar, enquanto eu to caminhando para isso, na luta árdua do dia a dia em me desconstruir dos meus pré – conceitos.
Leia mais

Até o ano que vem, Latinidades!

Nosso muito obrigada às Pretas Candangas, na pessoa de Ana Flávia Magalhães Pinto, jornalista, historiadora, mulher negra de grande sensibilidade e generosidade. Alguém que, apenas com sua presença, nos fazer aprender tanta coisa sobre a vida. Alguém que fala sobre sermos seres gregários, de compartilhar a batalha, de não esmorecer, de fazermos do afeto nossa grande ferramenta de combate. Alguém que é forte e ao mesmo tempo é muito mais que isso. É farol de dignidade, de conhecimento e de ancestralidade.