Representatividade e somente isso?

Acredito na importância da representatividade e gosto muito deste slogan: “Representatividade Importa”. Gosto de Beyoncé, gosto de Lupita N’yongo, Azealia Banks e gosto da ideia de ter uma mulher como presidente do país. Gosto de mulheres em posição de destaque, ainda mais sendo esta negra.

Mas, nossos gostos muitas vezes limitam um pouco nossas visões, não é por estar cantando e atuando e fazendo milhões vibrarem pelo seu talento que aquela moça estará trazendo nossas pautas de mulheres negras oprimidas no dia- a-dia. Por mais que doa, muitas destas moças até se perdem um pouco nas luzes ofuscantes da fama. Cooptadas para a indústria artística, impositora de padrões e para sentirem-se aceitas, alisam seus cabelos, disfarçam um pouco a negritude, sensualizam pras revistas e para os flashs, mas se esquecem (ou não querem) reafirmar sua luta diária. Digo luta, porque o fato de você pertencer aos altos escalões sociais, no olimpo da fama não te exime dos insultos racistas, misóginos etc. .

Ter uma mulher negra na Globo é bom? Pode ser, o mais correto na minha concepção, é que os meios de comunicação revolucionassem completamente, do seu conteúdo às pessoas que atuam, dirigem, roteirizam etc. Mas, se acreditamos que seja positivo para nossas filhas ver uma mocinha negra na novela das 8, ótimo!, mas que esse “ver” seja reflexivo. Não podemos nos contentar somente com as moças menos retintas e com os cabelos alterados quimicamente.

Não estou atacando minhas irmãs, por mais que reproduzam os moldes burgueses, não quero de forma alguma depreciá-las. Só queria que nos atentássemos que somente a representatividade por si só não traz todas as pautas que necessitamos, não traz uma mudança de fato. Podemos gostar delas, mas vamos também nos lembrar daquelas que são “invisíveis”, aquelas que não são magras, não possuem esse corpo padrão, não são meio “clarinhas”, aceitáveis , que não possuem jóias e nem os  talentos que a burguesia se apraz.

Saindo um pouco do âmbito artístico, nos deparamos agora com mulheres na política. É uma conquista pras mulheres? Pode ser… mas pra qual mulher? Talvez a branca, de classe média baixa? É… talvez. Não quero ficar discutindo eternamente sobre as mancadas dos partidos brasileiros que se dizem voltados as causas populares, quero aqui deixar apenas meu descontentamento com o descaso com a questão que mais nos toca: Mulher Preta.  Êxtase nas eleições por parte de diversos segmentos militantes, mas vemos que causas cruciais não são pautadas quando vemos que a Polícia ainda está  no morro, nas periferias matando mães de família preta… Vi campanhas interessantes de partidos, diversas propostas para a causa negra que ainda não vi se concretizarem. E a questão do aborto, nossa saúde, nossa segurança e nós? E nós? Estamos sendo representadas de fato?

É claro que muitas moças fazem valer suas posições, do alto dá pra fazer grandes coisas sim, mas e nossas mães,  nossas irmãs nossas colegas de classe pretas? Será que temos as admirado como admiramos aquela “modelo de ébano”? Será que veneramos suas pequenas militâncias? Será que a reconhecemos também como o símbolo de luta que queremos nos espelhar?

Longe de mim querer falar que não podemos superar nossas pobrezas, mas isso não deveria ser pensado de uma forma mais coletiva, inclusiva, etc? Lembremos que ser aceito pela sociedade não deve ser pelo que fazemos, mas sim pelo que somos, devemos antes de tudo ser respeitadas e aceitas por sermos mulheres pretas e não só por cantar bem, atuar bem ou presidir. Por um mundo onde não precisemos provar nada pra ninguém para sermos ouvidas.

 

Imagem destacada: Thalma de Freitas, site E! Online Brasil.

You May Also Like
Feminismo Negro
Leia mais

Luíza Mahin: o feminismo negro e o mito

Considerada uma das figuras de maior representatividade na memória do movimento negro, Luíza Mahin – mãe do poeta, advogado e abolicionista Luiz Gama – teria sido uma das líderes do Levante dos Malês, bem como participado de inúmeras revoltas de escravos ocorridas em Salvador nos anos de 1830. Luíza Mahin tem sido exaltada como referencial de luta pelo Feminismo Negro, que lhe tem dedicado homenagens diversificadas nas últimas três décadas, sendo portanto o principal responsável por sua difusão e manutenção no imaginário afrobrasileiro. Como forma de propagar a figura de Luíza Mahin, o Feminismo Negro utilizou inúmeros recursos, entre eles a literatura através de poesias publicadas nos Cadernos Negros e mais recentemente do romance Um defeito de Cor (2006) de Ana Maria Gonçalves. A primeira menção a Luíza Mahin foi feita na carta autobiográfica de Luiz Gama datada de 1880. Em 1933, Pedro Calmon publicou o romance Malês a insurreição das Senzalas situando Luíza Mahin como protagonista da Revolta dos Malês condição pela qual ela passou a ser reconhecida.