Sobre (os) nós: Mulheres negras e afetos

Para quem vive a negritude e/ou expressa sua sexualidade e afetividade de forma não correspondente ao padrão de normatividade social, tem em seu corpo representações de militância constantes. Porque seu existir já vem carregado de elementos que contradizem a norma, e por serem entendidos enquanto uma ferida nesse padrão – heterossexual, branco, masculino, monogâmico e rico –  devem ser combatidas.

Por ser exatamente um corpo que luta, o vemos de maneira mais presente em espaços de debate, confrontos e enfrentamentos, acabando por esquecer a necessidade de se falar a respeito de como esses corpos se afetam, por si mesmos e pelo corpo do outro.

Não tem sido raro notícias de companheiras negras e companheiras lésbicas e bissexuais adoecendo em decorrência do não trabalho com seus afetos; que no dedicar-se quase inteiramente as demandas externas só se percebem adoentadas quando algo grave as aflige – ou quando veem que seus próprios laços de amor estão prestem a se romper, ou nem existiram de fato.

A solidão da mulher negra, vem sendo discutida, numa tentativa de que as atenções se voltem a reconhecer o quanto o fortalecimento da negritude tem de vir acompanhado de discussões acerca da saúde mental dessas mulheres. De ampliar a discussões de que, por muitas vezes, em espaços de militância ou espaços domésticos, a força e resiliência atribuída à mulher preta, vem acompanhada de abrir mão das próprias demandas e emoções em prol de outrem; a sexualidade da mulher preta é constantemente objetificada ou preterida, a afetividade desconsiderada; a reação ridicularizada; a violência e o abuso emocional e físico presentes em qualquer forma de relação ao qual ela se disponha e, o desconhecimento de seus próprios desejos levados  a formas de submissão que acabam por levá-las a baixa estima, ao endurecimento emocional, ao adoecimento psicológico.

A compreensão crítica da mulher negra acerca do leque de opressões postas sobre sua sexualidade e afetiva, não a torna imune a eles. Alex Ratts em seu livro, Eu Sou Atlântica (2007), que traça parte da trajetória pessoal e intelectual de Beatriz Nascimento, a coloca como expoente dos trabalhos acadêmicos que se dispõem a tratar a o povo negro e a solidão da mulher negra e acadêmica. Em seu trabalho Beatriz retrata justamente essa questão, retratando a visão crítica, da mulher negra, por exemplo, acadêmica, enquanto um recorte ainda maior das escolhas de seus parceiros e parceiras, ou seja, reconhece-se as opressões e se tenta evitá-las, mas não diminui a possibilidade de experiências amorosas que possa vir gerar o adoecimento pelo abuso físico e emocional, ou pela não atenção a peculiaridade que tange os afetos da mulher preta.

Em relação às pressões relativas a forma de expressão das sexualidades, a mulher é bombardeada por uma série de normativas, geradoras de controle sobre seu corpo, a maneira como ele deve agir e se apresentar na esfera do público e do privado, a quem e como ele deve dar prazer, etc. Um corpo lésbico, nesse contexto, vai contra tais normativas é veementemente punido, desde a violência simbólica, expressa na objetificação do seu corpo ou uso de sua sexualidade como forma de satisfação do prazer masculino, a violência física, que viola e mata correntemente.

Pensar na saúde mental da mulher lésbica, é trazer condições para que as próprias relações homoafetivas não incorram nas violências que a heteronormatividade normatiza; é, assim como a mulher negra, reconhecer as fragilidades e medos, internos e da esfera social, presentes nessas mulheres e acolhê-los a fim de que, uma vez podendo expressá-los nos seus espaços de vivência, a partilha de histórias comuns possam aliviar as tensões e aumentar o vínculo e fortalecimento.

Nessas mesmas condições deve-se entender a mulher bissexual. Entender sua sexualidade como uma potência de afeto e não como um comportamento promíscuo, de indecisão e imaturidade afetivo-sexual ou colocando-a em um lugar de objetificação.  Há ainda a demanda, em diversos espaços, de exercer essa visibilidade e lugar de fala que lhe cabe. Submeter o seu desejo a um padrão, subjugar seu conhecimento sobre o próprio corpo e afetos, impor questionamentos que a coloquem em conflitos com de desejo e afeto, agressões que  remetam sua sexualidade a algo menor ou pejorativo,  pensá-la apenas enquanto pessoa para satisfação de um curiosidade ou relações corriqueiras, deslegitimá-la nas relações de militâncias, são exemplos que colocam, para além do acolhimento dessas mulheres e de suas demandas emocionais, a precisão dessa visibilidade ser vista e discutida com maior frequência e seriedade em todos os espaços em que possam estar presentes.

Em conclusão, afeto, e o falar sobre o afeto, nos permitem entender nossas fragilidades, a entender que temos a possibilidade e o direito de nos reconhecermos não apenas enquanto frente de batalha, ou ponta de lança, mas também como mulheres que também nas afetividades encontram seu poder, seu aconchego, sua energia.

O demonstrar o afeto a amiga, companheira em todos os espaços. O reconhecer o momento de pausa que a outra precisa; o não encarar o adoecimento, o cansaço, a necessidade de se afastar por um momento do embate direto, como fraqueza e o acolhimento dessa necessidade pelas demais também são formas de luta e militância.

Luta em manter nossa companheiras saudáveis física, psicológica e emocionalmente.

Luta em não permitir que as opressões nos endureçam de forma que não possamos parar e acolher e expressar essa acolhimento de maneira efetiva, por meio do abraço, do ouvir atentamente e não armadas de conselhos e julgamentos pré concebidos, do acalanto.

Luta em manter os afetos em meio as nossas divergências, pois sabemos as opressões que atravessam a todas nós,ou algumas de nós, assim com as grandes forças que nos unem.

Podemos, e devemos, encarar a afetividade como instrumento de militância. O afeto nos dá energia. Ele nos une. E nos mantém vivas.

REFERÊNCIAS: RATTS, Alex. Eu sou Atlântida: sobre a trajetória de vida de |Beatriz Nascimento. Instituto Karuza, São Paulo, 2007.

Imagem de destaque: Zanele Muholi

You May Also Like
Leia mais

Manifesto de repúdio às ações truculentas e descaso com relação às ocupações urbanas de Isidóro

Nós, Blogueiras Negras, manifestamos nossa profunda repulsa quanto ao tratamento do Governo do Estado de Minas Gerais dado às ocupações por moradia em Isidoro, região metropolitana de Belo Horizonte. Apenas nas ocupações Vitória, Esperança e Rosa Leão são 8.000 famílias, em sua grande maioria formada por mães solteiras e seus respectivos filhos, com uma média de 3 crianças por família. Pessoas cujo maior “crime” é sua própria existência, seu resistir diante de tamanha injustiça social. É demonstrar que a ocupação também pode ser uma política habitacional viável e muito mais justa do que os modelos institucionalizados.
Leia mais

Me descobri assim

Eu vim rompendo barreiras desde pequenina. Meu avô, não gostava de preto até me pegar no colo, ouvi dizer. Meus avós foram os melhores do mundo e eu fui coberta de mimos de neta mais nova até eles irem morar no céu. De alguns irmãos do vovô, quero distância. Sempre me trataram como menos.