Tornar negro?

Com muito entusiasmo, iniciei o ano de 2017 lendo a biografia de Malcolm X, escrita
pelo historiador norte-americano Manning Marable, ganhador do prêmio Pulitzer de
2012. A partir da famosa autobiografia redigida por Malcolm X e Alex Haley, Marable
fez um trabalho imenso de pesquisa que consumiu mais de 20 anos, muitos
pesquisadores, atravessou um transplante duplo de pulmões e veio a falecer antes de
receber o laureado prêmio pelo incrível livro de quase 700 páginas. A história de
Malcolm, suas palavras diretas, sua agudez de análise, seus maravilhosos e polêmicos
discursos, suas viagens, sua importantíssima militância… lendo as palavras de Marable
acompanhamos tudo, vivemos dia após dia sua trajetória, admiramos ainda mais quem
foi Malcolm X, assassinado há 52 anos.
Pois é, um livro sobre um ícone negro, muito bem escrito por um historiador negro. E,
capítulo após capítulo, nos deparamos com a palavra denegrir. Repetidamente.
Poderia ser difamar. Poderia ser rebaixar, aviltar, injuriar, caluniar, desacreditar,
desonrar, desabonar. Um adjetivo por capítulo, quase. Mas não. Optou-se por uma
palavra que transborda preconceito. Quantas pessoas leram o livro antes da
publicação e ninguém se incomodou com este termo racista num livro sobre um ícone
negro? Esta tradução que naturaliza o racismo liga-se também à história de
preterimento de profissionais negros, no caso tradutores, do grande mercado
editorial.
Entrei em contato com a editora, visando corrigir próximas edições. Não obtive
resposta.
As palavras, assim como as narrativas, não são neutras. São históricas. São políticas.
Tornar negro – denegrir – se transformou em xingamento, em nossa língua racista,
idioma oriundo de um país explorador e colonizador, escravocrata. A mim,
pessoalmente, tornar negro é elogio. A mim, negra de pele clara, quero mais é que
denigram-me! Eu mesma denigro-me cotidianamente, ao não alisar meu cabelo, ao
não me envergonhar do meu nariz, das minhas características negras. Mas
infelizmente no senso comum não é assim, o significado da palavra, no dicionário, é
difamar. E cabe a nós, usuários da língua, não propagarmos palavras de cunho racista.
Às editoras, que lucram em cima disso, que vendem histórias, como esta história de
um homem negro, escrita por outro negro, cabem redobrada atenção, pois as palavras
são seu material de trabalho. Não espalhar preconceito deveria ser a principal diretriz.
Enegreça, Companhia das Letras. Torne cada vez mais negro seu time de tradutores,
revisores e editores. Só assim tais absurdos poderão ser evitados. E, por favor, retire
quaisquer “denegrir” de seus livros, todos eles. Não siga agredindo seus leitores
negros com palavras racistas nos seus livros.
Imagem de destaque: Blog do Pedro Eloi
You May Also Like
Leia mais

Ser preto tá na moda?

Precisamos acima de tudo perceber que o racismo continua impregnado dentro desses movimentos que dizem que “o preto está na moda”. Só porque a classe média branca gosta do que o negro produz não quer dizer que ela gosta de conviver com o negro nos seus espaços diários, que ela não pratique racismo todo o dia com seu porteiro, com sua empregada.
Leia mais

“Se não usar desodorante, fico com cheiro de neguinha”

Negação + racismo velado são o que mais me preocupa nessa luta contra o racismo. Encobrir essa violência, negando-a desesperadamente, baseando-se na “supremacia” de ser só quem você é mesmo (nenhum desses que citei é antropólogo, historiador, sociólogo, nada disso) talvez me pareça o pior face do racismo, porque tenta calar uma dor que nenhum deles sofreu e jamais vai sofrer.
Leia mais

Lésbicas negras e a TV Brasileira: o incômodo que me corrói

Estou farta de ligar a TV e me sentir invisível. Quero ver lésbicas negras retratadas com a mesma delicadeza, beleza que pude ver entre Nico (Thiago Fragoso) e Félix (Mateus Solano), em Amor à Vida. Quero ver mais personagens como Carolyn (Aisha Hinds) de Under the dome, cuja primeira temporada foi exibida na Globo até o julho deste ano: lésbica negra, em um relacionamento maduro bem resolvido com Alice (Samanths Mathis), com quem tem uma filha.