Angela Davis e a sua verdade sobre o que é ser radical

Nesses tempos, o filme “As Sufragistas” tem ganhado visibilidade e, com isso, o debate sobre o que a película está disposta a retratar ganha como auxílio o emblemático discurso “Ain’t I A Woman?” da abolicionista afro­americana Sojourner Truth, na Convenção de Mulheres em Akron (1851). A reflexão de Truth é relembrada para questionar quais mulheres tem sido historicamente ouvidas. Ela aponta:

“Aquele homem ali diz que é preciso ajudar as mulheres a subir numa carruagem, é preciso carregar elas quando atravessam um lamaçal e elas devem ocupar sempre os melhores lugares. Nunca ninguém me ajuda a subir numa carruagem, a passar por cima da lama ou me cede o melhor lugar! E não sou uma mulher?”

Como se nota, ela explica que as leituras acerca da categoria mulher se dão de formas diferentes e que o tratamento dado às mulheres brancas não é o mesmo daquele recebido por mulheres negras.

Auxiliando à reflexão, no primeiro capítulo de “Mulher, Classe e Raça”, Angela Davis fala como as narrativas sobre mulheres negras se distanciam das que eram/são proferidas em relação as mulheres brancas, em um ponto bem específico: o lar.

“Na opinião de um historiador “as mulheres escravas eram primeiro trabalhadoras a tempo inteiro para o seu dono e depois apenas incidentalmente uma esposa, uma mãe, uma dona de casa.” Tendo em conta que no século XIX a ideologia de feminilidade enfatizava os papéis de mães, cuidadoras, companheiras dóceis e donas de casas para os seus maridos, as mulheres negras eram praticamente uma anomalia.”

Essa citação de Davis é fundamental para a discussão que aqui será proposta, de modo a dialogar com suas palavras em relação às mulheres trans, o feminismo e a condição universal da mulher

*

Quando universalizamos ou essencializamos algo, logo acabamos interrompendo a possibilidade de conseguirmos enxergar aquilo pr’além do que foi posto como natural e/ou pré­concebido. Como se existisse um fator, que seria fundamental, para levar tal condição se tornar concreta ou legítima. Quando Judith Butler em “Problemas de gênero” tenta dialogar com a famosa frase “Não se nasce mulher, torna­-se uma”, da filósofa francesa Simone de Beauvoir, a também filósofa pontua “que mulher é um termo em processo, um devir, um construir de que não se pode dizer com acerto que tenha uma origem ou um fim”; para, então, reiterar a visão da construção de gênero como algo feito, sendo “uma prática discursiva contínua”, podendo, assim, sofrer “intervenções e ressignificações” sobre seus conceitos e práticas.

Em maio de 2013, Angela Davis foi chamada para fazer uma fala na Universidade de Chicago para abordar sobre sistema penitenciário e relações de gênero. Pela primeira vez ela tratou da condição da mulher trans não só em relação à prisão, mas também chamou atenção para que o feminismo dialogasse com essas mulheres, na busca de um movimento que pudesse expandir sua visão sobre o que é ser, de fato, uma mulher:

“De fato, durante a segunda metade do século XX, houve numerosos debates sobre como desafiar a categoria ‘mulher’. Houve numerosas lutas sobre quem foi incluída e quem foi excluída dessa categoria”

Davis, após alguns minutos do início do discurso, expõe a incoerência acerca das discussões sobre a categoria “mulher”, pontuando que essa discussão não se iniciou neste momento ­ o que, inclusive, nos faz desmistificar ideias erroneamente tributadas à teoria queer.

“E essas lutas, creio eu, são chaves para compreender porque houve certa resistência por parte de mulheres não­-brancas e também pobres e brancas da classe trabalhadora a se identificar com o movimento feminista emergente”

E, logo após puxar a discussão para o viés da universalização da condição mulher, Davis coloca as mulheres trans em pauta ao discutir sobre a exclusão que somos expostas, assim como as mulheres negras foram, ao tentarmos nos construir a partir de uma perspectiva feminista:

“Mulheres trans têm de lutar para ser incluídas na categoria ‘mulher’ de uma maneira que não é distinta de lutas anteriores de mulheres negras e racializadas que foram designadas do gênero feminino ao nascer.”

Davis expõe um pensamento que vem sendo construído e contra­ argumentado não só por mim, mulher trans e/ou travesti negra, mas pelas próprias mulheres não ­trans negras que converso, dialogo e aprendo: o feminismo, quando absorve noções essencialistas e normativas, acaba excluindo a possibilidade de diálogo, intervenção e participação de mulheres que não são delimitadas ao que foi/é disseminado e representado enquanto categoria “universal”. É o que Djamila Ribeiro fala no seu texto “As diversas ondas do feminismo acadêmico” para a Carta Capital:

“A relação entre política e representação é uma das mais importantes no que diz respeito à garantia de direitos para as mulheres e é justamente por isso que é necessário rever e questionar quem são esses sujeitos que o feminismo estaria representando. Se a universalização da categoria mulheres não for combatida, o feminismo continuará deixando de fora diversas outras mulheres e alimentando assim as estruturas de poder.”

É a partir desse mesmo pensamento que Davis, para mim, dá sua declaração mais rica em relação à participação das mulheres trans no feminismo, vindo reiterar o que Butler propõe sobre “intervenções” no termo/condição mulher:

“Isso nos mostra que o processo de tentar se assimilar em uma categoria existente, de muitas maneiras, vai contra todo o esforço de se produzir algo radical ou revolucionário. E nos mostra que nós não devemos tentar assimilar as mulheres trans em uma categoria que permanece a mesma, mas que a categoria em si deve se alterar de forma que ela não reflita, simplesmente, ideias normativas sobre quem conta e quem não conta como mulher.”

Se Angela Davis, anos atrás, afirmou que “radical simplesmente siginifica ‘agarrar as coisas da raiz’”, hoje ela, de forma bem sucinta, expõe sua verdade sobre o que é construir um movimento feminista que seja, de fato, radical e revolucionário em suas práticas: não compactuarmos com a exclusão, silenciamento e apagamento de mulheres que já sofrem com esse processo nas mãos do patriarcado, do racismo e da hétero­cis­normatividade. Dessa forma, consegue­-se alargar nossa visão sobre o que é ser mulher e deixando de reproduzir noções normativas, conservadoras, racistas e transfóbicas. É a partir desse pensamento e indagação, que Butler é precisa ao questionar:

“Não aplica a visão de “uno” em relação a mulher, uma norma excludente de solidariedade no âmbito da identidade, excluindo a possibilidade de um conjunto de ações que rompam as próprias fronteiras dos conceitos de identidade, ou que busquem precisamente efetuar essa ruptura como um objetivo político?”

Fica a reflexão.

 

BIBLIOGRAFIA:

Butler, Judith. Problemas de Gênero. 1990

Davis, Angela. Mulher, Classe e Raça.

Ribeiro, Djamila. As diversas ondas do feminismo acadêmico. 2015. Disponível em: http://www.cartacapital.com.br/blogs/escritorio­feminista/feminismo­academico­9622.html

Truth, Sojourner. Ain’t I A Woman?. 1851. Disponível em: http://www.samauma.biz/novo/nao­sou­eu­uma­mulher/

2 comments
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

You May Also Like
Leia mais

“Conversas entre manas”: Por um Transfeminismo abolicionista anti racista

Miss Major e minha amiga Selen não usam a linguagem de Transfeminismo, ela praticam trans feminismo abolicionista encarnado, assim como várias de nós, dentro das nossas diferentes lutas mas também dentro dos nossos privilégios, especialmente forçando nossa presença em espaços de elite como a academia, e também educando, sim, por meio da linguagem do Transfeminismo.