Desformando a feminilidade

Frágil feminino

Que pari

Frágil maternidade

Que educa

Frágil pétala que cai e refloresta

Frágil lagarta

Que voa colorida depois do casulo rompido

Feminino que resistiu ao fogo

Na contramão das luas da Igreja vigente

Feminino que questiona, 

Desveste e mede 

O patriarcado pela régua da liberdade

Fragilidade que derruba muros 

Toma campos masculinos e embrutecidos

Fragilidade armada de batom, salto e verbos

Que fragilidade é essa?

Que sai à rua sem enxergar, menos ouvir

O que o falo irá dizer?

Me chame puta, desavergonhada, impura, pecadora …

Diga que subverto a ordem, faço barulho, me junto emrodas, 

Pregue nos muros que uso mini – saia, tomo cerveja, fumo maconha …

Desfaço o laço dos bons costumes, nas águas mornas de Oxum

Enlaço meu corpo, nos ventos dos gozos e nos raios de Yansã

Fale o que quiser

Só não me diga frágil

Porque queimei na inquisição

Fui torturada nas ditaduras da América Latina

Chorei e ainda choro a morte de meninos 

Negros, quilombolas e indígenas, 

Estes também meus, esquecidos pelo estado

Segue sem fragilidade alguma,

Viceja vida, organiza e luta.

Imagem destacada: nappy.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

You May Also Like
Leia mais

Uma bunda na foto vale mais que uma arara!

Ao ler os comentários sobre o episódio dessa chamada de brasileiras para casamentos com gringos através do site do Huck, só consigo pensar em como nós brasileiras ainda somos vistas no nosso próprio país: mercadorias com bundas do tamanho P, M e G. Não sou macaca, minha bunda não é internacional, Brasil não é cartão postal de bundas e a mulher brasileira não esta à venda!
Leia mais

Negra e grávida: ainda mais invisível?

As discussões sobre humanização do parto e nascimento eram praticamente novidade total para mim quando me descobri grávida, em janeiro de 2011. Apesar de não ter muita informação, de cara eu já sabia que queria que meu filho ou filha viesse ao mundo por parto normal. Mal sabia eu a luta que precisaria enfrentar para que isso fosse possível. A realidade dos atendimentos nos serviços de saúde não é animadora de um modo geral, e o quadro piora quando se trata de atendimento a mulheres negras. De acordo com Alaerte Martins (2000), as mulheres negras tem 7,4 vezes mais chances de morrer antes, durante ou pouco tempo após o parto, do que mulheres brancas. Além de doenças pré-existentes e falta de acesso a serviços de saúde, o atendimento prestado às muheres negras pode ajudar a explicar esses números.