Trabalho

As mesmas batalhas que eu

Eu e outras mulheres negras contrariamos a dura realidade das pesquisas, na medida que ingressamos na universidade e estamos construindo nossas carreiras. Eu pretendo ascender acadêmica e profissionalmente como contadora, entretanto esse caminho tem nuances que valem a pena serem pensadas: sou negra, sou mãe e sou solteira. O que torna essa trajetória mais complexa, porque encaro três jornadas de trabalho e toda a responsabilidade da maternidade,.

A questão era outra

Ser a única negra de uma escola de uma escola com aproximadamente 80% dos alunos oriundos da elite brasileira em uma turma onde todas as meninas estavam em um grau avançado com quinze anos de idade e eu sendo a mais velha dentre todas isso fazia uma tempestade na minha cabeça.

A terceirização e a ameaça aos direitos das mulheres negras trabalhadoras

Estatísticas sobre terceirização no setor de serviços são escassas. Sem embargo, sabe-se que o crescimento desse setor, em que as mulheres negras estão sobrerrepresentadas, não significou melhoria das suas condições de vida. Concentradas na base da pirâmide social brasileira, as trabalhadoras negras correspondem ao contingente em maior posição de desvantagem dentro da classe trabalhadora. A discriminação racial e de gênero implica na segmentação das ocupações no mercado de trabalho urbano conformando as desigualdades sociais. Por tudo isso, é preciso aprofundar o debate sobre a legitimidade de uma prática que desregulamenta os contratos de trabalho ao mesmo tempo que reproduz os valores patriarcais-racistas que se desdobram em superexploração da força de trabalho de mulheres outrora estigmatizadas.

Trabalho doméstico: ‘ela é da família’ não é amor, é navalha na carne

A lógica que constroi a ideia de que o trabalho doméstico é feminino é a mesma que o direciona para a mulher negra. O machismo tem um irmão e o nome dele é racismo. Um dos primos de primeiro grau atende pelo nome de classismo. Quando estão todos de mãos dadas, são as mulheres negras que sofrem. Mais ainda quando a opressão se dá portas adentro, espaço tão hostil à urbanidade, onde estamos vulneráveis. Porque algumas mulheres e alguns trabalhos são mais importantes que outros a ponto de ser lucrativo pagar alguém, quase sempre negra, para emancipar a patroa quase sempre branca. Esse texto é sobre tudo isso. Não é sobre família. É sobre outra coisa.